Gualberto cobra reajuste para servidores

0

O líder do PT na Assembléia Legislativa, deputado Francisco Gualberto, cobrou do líder do governo, deputado estadual Venâncio Fonseca, PP, uma posição sobre o reajuste aos servidores estaduais. De acordo com o parlamentar, existe uma folga de cerca de 10% entre o limite prudencial (46%) e legal (49%).

“Quando o secretário da Fazenda, Gilmar Mendes, esteve na sala das Comissões há cerca de 20 dias para apresentar o relatório de gestão do último quadrimestre de 2005, deixou claro a existência de uma folga, o que permite ao governo do Estado conceder reajuste de cerca de 20% aos servidores”, argumenta.

Lembrando destes números, o deputado comenta que a expectativa é que esse anúncio seja feito ainda este mês, já que a data base dos servidores é no mês de maio. “Se o governo não conceder reajuste vai se caracterizar pelo governo das gratificações e dos jetons”, disse o deputado, acentuando que, o que mais se tem aprovado nesta Casa, com o apoio incondicional dos deputados da base aliada, tem sido a criação de cargos comissionados.

F
rancisco Gualberto lembrou da publicidade enganosa feita no ano passado pelo governo do Estado, quando passava para os servidores que estava concedendo reajuste nos salários de cerca de 60%, quando na verdade esse reajuste não passava de 5%.

“Esse tipo de engodo os servidores não aceitam mais”, advertiu ele, ressaltando as discrepâncias que existem em alguns salários, a exemplo dos defensores públicos: alguns tem salários que chegam a R$ 16 mil e, outros, salários de cerca de R$ 5 mil.

Ele alegou que apesar de as empresas terem sido transformadas em autarquias com a garantia de que não haveria nenhum tipo de prejuízo para os servidores, isso não ocorreu. “A mudança trouxe prejuízo para a categoria, que teve perdas gritantes em suas gratificações como também tirou a autonomia das empresas, a exemplo de Emdagro, hoje Deagro”, diz.

Comentários