IBGE: Resultado da PAS foi apresentado durante Coletiva

0
Apresentação aconteceu na manhã dessa sexta-feira,22(Fotos: Portal Infonet)

Na manhã dessa sexta-feira, 22, durante uma Coletiva de Imprensa, realizada no auditório do SESC, o Instituto Brasileiro Geografia e Estatística, apresentou o resultado da Pesquisa Anual de Serviços (PAS) 2015.

Segundo a gerente de Análise de Dados da Coordenação de Serviço e Comércio do IBGE, Juliana Vasconcellos essa pesquisa é uma importante fonte de dados setoriais para a compreensão do comportamento do mercado. “Seus resultados são relevantes para o cálculo do Produto Interno Bruto – PIB”, pontuou.

De acordo com Juliana esse resultados têm por base a Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE 2.0. “Eles foram organizados e tabulados em sete agrupamentos distintos, de acordo com as finalidades de uso: serviços prestados principalmente às famílias; serviços de informação e comunicação; serviços profissionais, administrativos e complementares; transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio; atividades imobiliárias; serviços de manutenção e reparação; e outras atividades de serviços.”, destacou.

Ela explicou que é apresentada uma comparação entre a estrutura produtiva destes segmentos do setor de serviços não financeiros no Brasil em 2007 e 2015. “Depois disso é fornecido um ranking das principais atividades, segundo a receita operacional líquida do total da PAS, para o mesmo período e, por fim, é efetuada uma avaliação regional da estrutura dos segmentos de serviços não financeiros.”, detalhou Juliana Vasconcelos.

Principais destaques da Pesquisa

Juliana Vasconcelos apresentou, gerente de análise de dados

Em 2015, o setor era composto por 1.286.621 empresa que geraram 1,4 trilhão de receita operacional líquida. O transporte, serviços auxiliares aos transportes e correios concentrou a maior parcela da receita operacional líquida, já as empresas de telecomunicações foram líderes na geração de receita (11,3%).

A média de ocupação do setor de serviços foi de 10 pessoas por empresa. Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio concentrou as empresas de maior porte (média de 14 pessoas ocupadas por empresa).   Os segmentos atividades imobiliárias e serviços de manutenção e reparação registraram a menor média (quatro pessoas ocupadas por empresa).

As empresas do setor de informação e comunicação tiveram a média salarial mais alta (R$ 3.831) e os serviços prestados principalmente às famílias, a mais baixa (R$ 1.178). Os serviços profissionais, administrativos e complementares concentraram a maior parcela do pessoal ocupado (40,0%) e de massa salarial (35,9%). 

Em relação ao pessoal ocupado, o Sudeste também foi destaque (57,4%), mesmo tendo perdido representação. Com exceção do Norte, que manteve o mesmo patamar, as demais regiões ganharam participação em postos de trabalho. O Nordeste teve o maior ganho percentual no total de pessoas ocupadas, passando de 13,2% (2007) para 15,2% (2015).

Por Alcione Martins

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais