Ministério Público quer suspensão da feira do cj. Castelo Branco II

0
Ministério Público quer suspensão da feira do cj. Castelo Branco (Foto: Portal Infonet)

A promotoria do Consumidor do Ministério Público Estadual (MPE) irá pedir no Tribunal de Justiça (TJ), em caráter liminar, a suspensão da feira livre do conjunto Castelo Branco II, no bairro Ponto Novo, localizado na zona oeste da capital. A motivação é um relatório do Corpo de Bombeiros que alega comprometimento de suas atividades por conta da ocupação de parte da avenida Nestor Sampaio.

O capitão Felipe Santos contou que trânsito de viaturas fica comprometido pela feira (Foto: Portal Infonet)

A corporação relatou ao MPE que o acesso fica comprometido às sextas-feiras, quando ocorrem as feiras no local. “Sejam os veículos de emergência, ou de combate a incêndio ou de atendimento pré-hospitalar, há uma dificuldade no tempo-resposta para as ocorrências ali. Toda vez que surge alguma, temos um prejuízo muito grande. Tudo isso é acentuado quando há a feira. Isso partiu não só de nós, mas também de denúncias dos próprios moradores”, justificou o capitão Felipe Santos, chefe de vistoria e fiscalização.

Euza contou que tentou acordo com PMA, mas não conseguiu (Foto: Portal Infonet)

A medida, se deferida pelo Poder Judiciário em tempo hábil, já pode valer para esta semana. O objetivo do Ministério Público é obter um novo local para a feira. O pedido inicial da promotora Euza Missano foi para a Prefeitura de Aracaju sugerir um novo local, haver a suspensão e o MPE apresentar um prazo para as adequações. A promotora alega que a ação é fruto da falta de interesse em fazer um acordo. “É realmente muito grave, mas não queremos impedir o funcionamento da feira. A ideia é que funcione em outro lugar a ser definido pela municipalidade. No local que está hoje, é impossível, prejudica a população, a mobilidade urbana e em especial a segurança física de quem mora na região e dos feirantes, por impossibilidade de acesso de viaturas do Samu e Bombeiros. Inclusive há relato de mortes por falta de atendimento, provocada pela obstrução”.

André tentará reuniões para não prejudicar o acontecimento da feira (Foto: Portal Infonet)

Se houver a suspensão da feira, cerca de 1.500 podem ter sua rotina afetada. O presidente da Associação de Camelôs e Feirantes de Aracaju, André Pinto, irá procurar os órgãos para que, ainda nesta sexta, a feira aconteça já em um novo local. “Vamos conversar com a Emsurb para procurar um espaço para os feirantes no mesmo bairro. Falaremos também com o presidente da Associação de Moradores para que ninguém saia prejudicado”, disse.

Os membros da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) presentes na audiência preferiram não se manifestar.

Por Victor Siqueira

Comentários