Sergipe continua exportando mais em 2004

0

Os resultados apresentados na balança comercial do Estado de Sergipe nos meses de janeiro, fevereiro e março continuam a indicar uma perspectiva de um ano de mudanças no quadro das relações internacionais em Sergipe. A tabela a seguir mostra em números esse momento de reação do Estado no equilíbrio entre suas exportações e importações de produtos. Exportações de Sergipe no 1º trimestre de 2004 (em mil de dólares): Mês / 2003 / 2004 / Variação % Janeiro / 1.816 / 3.676 / 102,42 Fevereiro / 1.070 / 4.617 / 331,49 Março / 958 2.313 / 141,44 Total / 3.844 / 10.606 / 175,91 O crescimento acumulado nesse primeiro trimestre foi de 175%, o que deixa o secretário Tácito Faro otimista em relação ao desenvolvimento das atividades de apoio da Secretaria de Indústria e Comércio iniciadas em 2003 e às ações que estarão sendo implementadas ainda este mês de maio, como: Balcão de Negócios no Mais Fácil (SEAC) e realização de um Curso sobre Comércio Exterior formatado pelo MDIC/Banco do Brasil, bem como a formação de uma Caravana de Exportação juntamente com parceiros como o Banco do Brasil, Banco do Nordeste, Sebrae, Correios, FASE, Infraero, CVRD (Terminal Portuário) e FIES. Mais uma vez o ranking dos produtos oscilaram nesse primeiro trimestre. Em janeiro, o cimento se posicionou em primeiro lugar como o produto mais exportado, não só em volume, mais em termos monetários. Já no resultado dos três primeiros meses, o suco de laranja voltou a ocupar a primeira colocação. “Isto é bom para Sergipe, visto que aponta mais produtos com capacidade de competitividade no mercado internacional”, disse o secretário. Não haveria melhor momento para que as Instituições em Sergipe pudessem se mobilizar no sentido de apoiar mais ainda os empresários quanto a sua inserção nas relações internacionais.

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais