Suspensão de reajustes salariais em Estância preocupa Sindseme

0
Foto: Pixabay

A reunião envolvendo a diretoria do Sindicato dos Servidores Públicos de Estância e Arauá (Sindseme) e membros da Prefeitura de Estância, incluindo o prefeito Gilson Andrade (PSD), culminou na decisão do prefeito em suspender as negociações por reajustes salariais dos servidores públicos temporariamente. A decisão, ocorrida durante encontro na última semana, causou preocupação à diretoria do Sindseme, representada na reunião pelo presidente Carlito Lemos.

Durante o encontro, Gilson Andrade pontuou que a decisão se insere no contexto de combate à pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Para o gestor, há uma possibilidade de agravamento no quadro durante os próximos meses, além de que parte dos recursos arrecadados estão sendo remanejados para as áreas da Saúde e da Assistência Social.

Em sua fala, o presidente do Sindseme considerou a justificativa do prefeito, mas demonstrou preocupação e apontou que a resposta ao anúncio só pode ser dada pelas categorias que compõem o quadro de filiados ao Sindseme. Para isto, o sindicalista pretende levar a proposta aos servidores e deixá-los decidirem sobre a medida. Antes a diretoria do sindicato se reunirá via videoconferência para avaliar a decisão. “Sei da gravidade da crise sanitária gerada pelo coronavírus, sei também das consequências que esta deixará e é compreensível que os esforços do poder público sejam concentrados para conter o vírus e salvar as vidas, mas a decisão não cabe a mim e sim aos trabalhadores. Considero preocupante, mesmo entendendo que a presença do sindicato aqui é para buscar a pauta mais possível de se conquistar à categoria neste momento de crise”, argumentou Carlito Lemos.

Carlito recordou ainda que a decisão é um banho de água fria para os servidores, principalmente, da saúde, haja vista a atuação destes no front de batalha contra a pandemia do coronavírus. ?São servidores que vêm sendo impactados e que agora receberão essa notícia decepcionante. Não sabemos de que forma eles irão reagir, pois acreditamos que a valorização contribuiria valorosamente para uma atuação ainda mais firme desses abnegados?, pontuou o presidente do Sindseme. A reunião teve como regra a restrição da presença de um representante por entidade como forma de atender as medidas preventivas ao coronavírus e contou ainda com as presenças da secretária da Administração e Planejamento, Tereza Costa, e do secretário das Finanças, Marcos Silva.

Campanha Salarial

Há um mês o Sindseme havia lançado sua campanha salarial 2020. Entre os pontos levantados pelos sindicalistas e cuja pauta vinha sendo negociada estavam a reestruturação das carreiras com o novo Plano de Cargos e Salários; o reajuste de 4,44% nas remunerações, repondo assim a inflação do último período; aumento de R$ 28,69 no auxílio alimentação, elevando o valor para R$ 368, 69 e igualando ao preço da cesta básica na capital Aracaju; equiparação ao menor salário inicial no município e ao mínimo nacional de R$ 1.045,00 e recomposição do piso salarial dos agentes comunitários de saúde e de endemias, com 8,44% de reajuste, além da cobrança pelo pagamento da quantia de R$ 205,00 devida pela gestão aos agentes.

“São direitos que não possuíam perspectiva de serem cumpridos e que agora nos remetem a um cenário ainda mais desolador. Neste sentido, faremos com que os servidores analisem o que deve ser mensurado neste momento”, completou o presidente.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Comentários