Continua suspenso o PSS da Fundação Hospitalar de Saúde

0
Conselheiros aguardam parecer de Ulices Andrade (Foto: Ascom/TCE)

Continuam suspensos os três Processos Seletivos Simplificados (PSS) instituídos pela Fundação Hospitalar de Saúde (FHS) para contratação temporária de médicos e outros profissionais da área de saúde, abrindo a possibilidade de preenchimento de vagas nos níveis técnicos, médio e também superior. Os PSS foram suspensos no mês de outubro do ano passado por determinação do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

O processo continua em tramitação naquela Corte de Contas. Atualmente, Ulices Andrade é o conselheiro que atua na fiscalização da gestão da saúde em se tratando da administração estadual. Na manhã desta quinta-feira, 20, o conselheiro Ulices Andrade pediu mais um tempo para melhor analisar o processo antes de apresentar o parecer para o pleno. O pedido do conselheiro Ulices Andrade foi acatado e os processos seletivos continuaram suspensos.

Relembre

As suspeitas sobre possíveis irregularidades nos processos seletivos foram apresentadas em outubro do ano passado pelo conselheiro Clóvis Barbosa [que ainda atuava como titular entre os membros do TCE]. Na oportunidade, Barbosa fez questionamentos e observações a respeito desses processos seletivos, alertando que a Fundação Hospitalar de Saúde já não mais dispõe de autonomia financeira nem também de autonomia administrativa para execução desses procedimentos.

Na época, Clóvis Barbosa destacou que a perda da autonomia e financeira da FHS foi consequência de uma ação movida pelo Ministério Público Federal e, nesta condição, não poderia realizar esses procedimentos. Naquele momento, o conselheiro Luiz Augusto Ribeiro atuava como responsável pela fiscalização da área de saúde e recebeu o relatório, instaurou o processo e recebeu vários documentos enviados pelo Governo do Estado explicando os procedimentos. Poucos dias depois, ainda no mês de outubro do ano passado, o conselheiro Luiz Augusto apresentou parecer prévio pela expedição de medida cautelar pela suspensão do PSS até que a Corte de Contas analisasse todos os procedimentos.

Com a mudança na mesa diretora, Luiz Augusto Ribeiro foi empossado presidente da Corte de Contas e o processo acabou nas mãos do conselheiro Ulices Andrade. Quando o TCE determinou a suspensão dos PSS, a Secretaria de Estado da Saúde e a Fundação Hospitalar de Saúde cumpriram as medidas e continuam aguardando os desdobramentos.

 

 

por Cassia Santana

 

 

Comentários