Dom Luciano terá disciplina que discutirá a desigualdade de gênero

0
Alunos debaterão e poderão entrevistar os convidados após conversa (foto: André Moreira)

O Centro de Excelência Dom Luciano José Cabral Duarte, unidade que oferta o ensino integral, estará com a disciplina eletiva intitulada “Fiu fiu não é elogio, cara!”, com o  intuito de debater as relações de poder entre homens e mulheres. A iniciativa surgiu da necessidade de expor aos alunos como se formou a resistência ao longo dos anos contra o discurso patriarcal, ou seja, discursos do sistema em que o homem é o centro do poder e a liderança em todos os aspectos sociais.

O objetivo da disciplina é combater preconceitos, atos violentos e promover a reflexão através da análise de músicas, comportamentos e discursos que parecem normais na ótica da sociedade.

A temática foi lançada pelo professor Fabiano Oliveira e terá o foco principal “Do machismo ao feminismo; das Cavernas ao feminícidio”. Ele explica que a finalidade é fortalecer a igualdade entre os gêneros. “A ideia central da eletiva é despertar os jovens incitando-os à autoanalise de seus discursos e notar o quanto o machismo está presente em nossa sociedade”, afirma.

As aulas serão ministradas também por convidados de diversas áreas do conhecimento, dentre os quais estão: as jornalistas Susane Vidal, Priscila Bittencourt, Maristela Niz; os psicólogos João Paes Neto e Michele Marques, que abordarão temáticas comportamentais do perfil dos envolvidos em crimes contra a mulher, e a capitã da Polícia Militar, Fabíola Góes, responsável pelo projeto “Ronda Maria da Penha”, com dicas de proteção e números de casos em Sergipe.

A metodologia da disciplina também será alternativa. Os alunos irão entrevistar os convidados após palestras. Todos os momentos orais serão transformados em propagandas de conscientização, pequenos filmes e textos dos mais diversos tipos que serão veiculados nas redes sociais, fortalecendo diretamente as diretrizes da Base Comum Curricular, no que diz respeito ao seu objetivo central de equidade.

A ementa da disciplina também busca desmitificar conceitos políticos centrais nesses debates como feminismo, machismo, lugar de fala, feminícidio, entre outros, além de avaliar produtos culturais do passado com uma ótica contemporânea para a construção de uma aprendizagem mais ampla.

Com o intuito de aumentar a amplitude dos debates e promover conhecimento fora dos muros da escola, as aulas serão transmitidas ao vivo pelas redes sociais e os participantes poderão interagir com os convidados e tirar dúvidas.

fonte: SEED/SE

 

 

Comentários