Estudo busca tecnologia para diminuir falta de água

0
(Foto: Ascom Fapitec)

A falta de água é um problema enfrentado recentemente na região sul, mas a região Nordeste há anos sofre com a escassez de água. Pensando nas pequenas comunidades do semiárido do Nordeste, o pesquisador da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Douglas Bressan Riffel, está desenvolvendo um estudo a partir da dessalinização da água através de uma tecnologia fotovoltaica que seja suficiente para o abastecimento de água em determinada comunidade.

Objetivo do estudo é contribuir para diminuir a problemática da falta de água de boa qualidade no semiárido nordestino utilizando a tecnologia fotovoltaica (transforma energia solar em energia elétrica) e membranas de osmose reversa. A pesquisa é fruto de um Acordo de Cooperação Internacional entre o Serviço Alemão de Intercâmbio (DAAD) e a Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica de Sergipe( Fapitec/SE).

Segundo Douglas Riffel, a ideia do projeto surgiu durante o mestrado e foi testado a partir de pequenas instalações no estado do Ceará. “Durante meu mestrado a gente desenvolveu uma tecnologia para aproveitar o sol na sua forma intermitente sem armazenamento de energia para que a gente pudesse fazer um pequeno sistema para duzentos, trezentos, quinhentos litros de água  por dia  para ser utilizada em  uma escola, pequena vila ou por algumas famílias como foi instalado, por exemplo, em Caucaia no Ceará”, explica Douglas Riffel.

Estudo

De acordo com Douglas Riffel existem alguns estudos em evolução para se fazer aditivo na água dessalinizada. “A água dessalinizada tem uma aceitação razoável, ela não é tão gostosa quanto uma água mineral. É muito utilizada para resolver problemas de escassez de água”, explica.

O pesquisador acrescenta ainda que o objetivo principal do segundo projeto de pesquisa é desenvolver uma tecnologia que seja mais confiável e de longo prazo para que se tenha uma demanda de manutenção mais duradoura. “O nosso segundo projeto são duas placas fotovoltaicas e uma bombinha pequena de corrente continua e ela bombeia água contra uma membrana. Essa membrana não deixa passar poros, bactérias e nem vírus evitando qualquer tipo de contaminação na água”, esclarece. 
Douglas Riffel disse que existe possibilidade de pequenas instalações para Sergipe. “Aqui em Sergipe a gente não instalou nenhuma, mas temos essa tecnologia, inclusive se propõe a essas pequenas instalações”, disse.

Cooperação Internacional

Segundo o pesquisador o projeto de cooperação entre Fapitec/SE e a Alemanha é muito importante para o avanço das pesquisas com energias renováveis e a dessalinização. “Essa parceria num projeto como esse, que envolve parte da mobilidade, é muito importante porque na Alemanha tivemos oportunidade de visitar empresas que faziam instalações militares com energias renováveis e a dessalinização. Então essa cooperação traz bons frutos, pois na Alemanha eles os pesquisadores têm muitos equipamentos e tecnologia que facilitam as empresas fabricarem o sistema completo. E foi graças ao apoio da Fapitec/SE e ao DAAD que tivemos a oportunidade de visitar”, conta Douglas Riffel.

O edital do Programa de Acordo de Cooperação Internacional com Serviço Alemão de Intercâmbio (DAAD) tem por objetivo apoiar, de forma complementar, o desenvolvimento de projetos conjuntos de pesquisas científicas, tecnológicas e de inovação e o intercâmbio de professores e pesquisadores, por meio do financiamento a atividades de cooperação entre pesquisadores vinculados a instituições sediadas no Estado. O apoio destina-se ao financiamento de projetos e a mobilidade de cientistas e pesquisadores com atuação em projetos de P&D&I.

Fonte: Ascom Fapitec

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais