UFS debate o sistema de cotas para afro-descendentes

0

Iniciar uma fase de discussão crítica sobre o sistema de cotas para afro-descendentes nas universidades brasileira e especificamente na Universidade Federal de Sergipe (UFS), envolvendo toda a sociedade sergipana num amplo debate. Este é principal objetivo do Seminário Ações Afirmativas e Universidade, que começa amanhã, às 9 da manhã, no auditório da reitoria da UFS, e prossegue até a próxima sexta-feira, dividido em três mesas-redondas. A promoção do seminário é dos núcleos de Estudos Afro-Brasileiros e Pós-graduação e Pesquisa em Ciências Sociais da UFS, sob a coordenação do professor Paulo Sérgio Costa Neves.

Segundo o professor Paulo Sérgio Costa Neves, “a primeira mesa-redonda será dedicada aos debates que as políticas de cotas têm ensejado no meio acadêmico brasileiro, procurando discutir os principais argumentos avançados em defesa ou em oposição à proposta”. Esta exposição, com um tema “Ações afirmativas: perspectivas teóricas e políticas” terá como moderador o professor Paulo Sérgio e debatedores profissionais das Universidades de São Paulo, Federal da Bahia, Sergipe e Rio de Janeiro.

Já a segunda mesa-redonda, mostrando as “experiências das políticas afirmativas das Universidades Federal de Minas Gerais e Federal da Bahia”, será composta por reitores ou representantes destas instituições. O objetivo é discutir o modo de como se deram os processos de implantação de cotas em contextos diferenciados, bem como analisar as primeiras avaliações sobre essas medidas para vida universitária. “tanto em termos de uma maior abertura das universidades para os jovens oriundos de meios populares e de origem afro-brasileira quanto em termos de desempenho acadêmico dos mesmos”.

Na última parte do debate, a intenção é “aglutinar representantes das instituições públicas responsáveis pela promoção da igualdade étnica do país, através da Secretaria Especial de Integração Racial e Fundação Palmares”. Estas instituições, juntamente, com representantes no parlamento, poderão discutir a estratégia geral que o Brasil está promovendo para combater as assimetrias que marcam a sociedade.

Comentários