Armadora não resiste à luxação é desligada da Seleção em Aracaju

0

No desembarque da delegação da Seleção Brasileira de Handebol Feminino, na segunda-feira (21) em Aracaju, a armadora Sandra Oliveira estava bastante otimista. Ela foi a primeira a aparecer no saguão do Aeroporto e também a primeira, a conceder entrevistas. Sorridente, dizia para os repórteres, que estava voltando à seleção, na expectativa de poder lutar por uma vaga na delegação, que vai a Atenas. “Nesse nosso retorno, o objetivo e reencontrar o meu jogo e lutar por uma vaga, na equipe, pois como se sabe, três atletas deverão ser eliminadas logo após esta fase”. Mal sabia Sandra, que ela seria a primeira dessas eliminadas. Na segunda-feira, no primeiro treino em Aracaju, a armadora do MESC / São Bernardo, uma das melhores atletas do handebol brasileiro voltou a sentir a luxação no ombro direito, que havia afastado da última fase de treinamentos em Belo Horizonte e que tantas dores da cabeça, tem dado à atleta e à comissão técnica da seleção, que temia pelo pior, que era perder Sandra para as Olimpíadas. Na manhã da quarta-feira, o ambiente na delegação não era dos melhores. Sandra continuava sem treinar e ficou no hotel, recebendo o apoio da assistente técnica Yvonete Fagundes. No retorno do treino, a comissão técnica se reuniu e definiu pelo corte de Sandra Oliveira. “Infelizmente foi uma decisão, que nos tínhamos que tomar, o mais rápido possível. Disse para Sandra que era péssimo para o Brasil, perder uma atleta com as qualidades técnicas e o espírito de liderança apresentados por Sandra, durante todo este tempo na Seleção Brasileira. Com certeza, a seleção vai sentir sua falta. Mas até por uma questão de justiça, a decisão teria que ser tomada, para não termos que continuar com uma atleta fora de condições, ocupando o lugar de quem realmente tem condições de integrar a delegação, que vai a Atenas. A situação de Sandra é grave e não dava mais para esperar”, concluiu ao técnico Alexandre Schneider. No final da tarde desta quinta-feira, Sandra retornou a São o Paulo, com a promessa de que vai se submeter a um sério tratamento, mas sem muita esperança de voltar a ser convocada. No embarque no Aeroporto de Aracaju, aos prantos, Sandra era consolada por Yvonete Fagundes, que o tempo todo, esteve ao lado da atleta, oferecendo companhia, consolando-a e dando o apoio moral. Yvonete é técnica de Sandra no Mesc/São Bernardo.

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais