Dois senadores por Sergipe votaram contra a minirreforma trabalhista

0
A MP foi rejeita por maioria no Senado (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)

A Medida Provisória (MP)  1.045/2021, chamada de minirreforma trabalhista, foi rejeitada pelo Plenário do Senado na votação da última quarta-feira, 1º de setembro. Se aprovada, a MP criaria novos programas de redução salarial e retirada de direitos dos trabalhadores.

Foram 47 votos contra a MP, 27 favoráveis e uma abstenção. Com a rejeição dos senadores, a MP 1.045/2021 será arquivada. Os senadores por Sergipe, Alessandro Vieira (Cidadania) e Rogério Carvalho (PT) votaram pela rejeição da MP. A senadora Maria do Carmo (DEM) está de licença particular e não participou da votação.

O senador Alessandro Viera declarou em sua rede social que votou contra, por entender que é juridicamente inadequado e moralmente inaceitável o Governo fazer uma reforma trabalhista por meio de Medida Provisória. “Projetos devem ser elaborados, ouvindo a sociedade e com impacto real, respeitando o devido processo. É preciso dar um freio de arrumação nos acordos feitos. Não é aceitável colocar uma granada no bolso do trabalhador. Não é esse o caminho. O caminho é corrigir uma política econômica que não está funcionando. Não dá mais para esperar”, afirma o senador.

Alessandro Vieira (Cidadania) e Rogério Carvalho (PT) votaram pela rejeição da proposta (Foto: Infonet)

Rogério Carvalho usou as redes sociais para comemorar a derrota do Governo e a vitória da classe trabalhadora. “Conseguimos derrotar o Governo na votação da MP 1045/21 e a proposta foi barrada. Se aprovada a MP seria um grande retrocesso para os direitos dos trabalhadores, já penalizados por este desgoverno. Chega de retirar direitos do povo brasileiro”, disse em uma publicação.

Por Karla Pinheiro

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais