Marcelo Déda apara arestas com médicos em debate na Somese

0

Déda conversa com os médicos (Foto: César de Oliveira)
A Sociedade Médica de Sergipe (Somese) está dando prosseguimento aos debates com os candidatos ao Governo do Estado e ao Senado Federal por Sergipe. Na última quinta-feira, 9, o candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), Marcelo Déda participou do almoço com a classe médica na sede da entidade. Questionado pela categoria sobre um ofício assinado pelo governador solicitando apoio ao Conselho Federal de Medicina para a criação do Campus de medicina de Lagarto, no qual havia uma observação sobre a qualidade dos profissionais médicos de Sergipe, Déda pediu desculpas.

“Jamais assinaria um documento com teor ofensivo aos médicos

Almoço na sede da Somese (Foto: Portal Infonet)
do meu Estado. Recebi um processo contendo um ofício para que eu assinasse, onde eu solicitava o apoio ao Conselho de Medicina para os cursos da Universidade de Lagarto. Li e assinei o ofício que não continha nem uma vírgula ofensiva a classe médica do Estado. É óbvio que o governador não lê o relatório técnico que tem centenas de páginas. Este é um trabalho para os técnicos da área. Quando tomei conhecimento do parágrafo, determinei à Secretaria de Estado da Saúde, Mônica Sampaio, que pedisse desculpas públicas aos médicos”, explicou Marcelo Déda.

Admitindo ter sido um erro do seu governo, Marcelo Déda ressaltou que as críticas ao governo são procedentes e corretas.  “Foi um erro do governo? Foi. Por isso que as críticas ao governo são procedentes e corretas. O governo não pode se dirigir a uma categoria da maneira como se dirigiu, pela via da Secretaria de Saúde, seja quem for que tenha elaborado esse documento. Somos obrigados a assumir um erro de governo, quero afirmar que não é aquela avaliação que tenho da medicina do meu Estado”, entende.

Projeto

Ainda no encontro o candidato do PT passou às mãos do presidente da Somese, Petrônio Andrade Gomes, uma publicação do projeto do Campus de Lagarto, já sem o parágrafo considerado ‘infeliz’ no ofício assinado pelo próprio Déda. “Se alguém encontrar uma vírgula no ofício que eu assinei que seja ofensiva aos médicos do meu Estado eu abro mão da minha candidatura. Vou embora prá casa”, desafia.

Na ocasião, ele fez uma explanação sobre as etapas que seu governo desenvolveu para a construção da política pública de Saúde em Sergipe, destacando o investimento de R$ 300 milhões que seu governo aplicou na Saúde Pública de Sergipe e os avanços já alcançados com relação ao aumento da rede de hospitais, clínicas, unidades de pronto atendimento e Samu; além dos investimentos aplicados no atendimento mais humanizado à população e valorização dos profissionais.

Debates

Já participaram dos debates promovidos pela Sociedade Médica de Sergipe os candidatos ao Governo Leonardo Dias (PCB) e Marcelo Déda (PT). O candidato do DEM, João Alves Filho, foi convidado para participar do encontro com os médicos no próximo dia 23. Já para o Senado, participaram os candidatos Antônio Carlos Valadades (PSB) e José Carlos Machado (DEM). O candidato Albano Franco (PSDB) deve participar do debate com a categoria no próximo dia 16 e o candidato do PSC, Eduardo Amorim, deve confirmar presença para o dia 30 de setembro.

Por Aldaci de Souza

Comentários