OAB recorre a bancada federal conta extinção do exame da ordem

0
O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Sergipe (OAB/SE), Inácio Krauss esteve em Brasília para fazer o pedido (Foto: OAB/SE)

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Sergipe (OAB/SE), Inácio Krauss, e a secretária-geral adjunta, Andréa Leite, se reuniram nesta quarta-feira, 20, em Brasília, com senadores e deputados federais da bancada sergipana para discutir a Moção de Repúdio ao Projeto de Lei 832/19, que trata do fim do Exame de Ordem.

Durante as reuniões o presidente da OAB/SE, Inácio Krauss, demonstrou sua total aversão ao Projeto de Lei de Autoria do Deputado José Medeiros (PODE-MT), que visa à extinção do Exame de Ordem, para inscrição de advogados na Ordem dos Advogados do Brasil. “Pôr fim ao exame pode acarretar resultados devastadores para a sociedade brasileira, considerando que a responsabilidade do exercício da advocacia conduz à defesa de direitos do cidadão perante o Poder Judiciário e demais esferas do Estado. O exame de ordem é um instrumento de segurança para a sociedade” afirmou Krauss.

Assinaram a Moção de Repúdio ao Projeto de Lei 832/19 proposta pela Seccional Sergipana os senadores Alessandro Vieira, Rogério Carvalho e Maria do Carmo Alves. Os deputados federais Fábio Henrique, Laércio Oliveira, Fábio Reis, João Daniel, Valdevan Noventa e Fábio Mitidieri também assinaram a Moção apoiando o pleito da OAB/SE.

De acordo com o Presidente Inácio Krauss agora só faltam assinar a Moção de Repúdio ao Projeto de Lei 832/19 os deputados federais Bosco Costa e Gustinho Ribeiro. “Infelizmente não conseguimos nos reunir com todos os deputados por um desencontro de agendas, mas iremos procurar Bosco Costa e Gustinho Ribeiro e pediremos o apoio deles para que repudiem qualquer intenção legislativa de dizimar o Exame de Ordem, pelo bem da população brasileira que, no fim, é a maior beneficiária pela existência da avaliação técnica aplicada aos profissionais do direito, para o exercício da advocacia.”

Fonte: OAB/SE

Comentários