Primos de Maria Mendonça prestam depoimentos no TRE

0
Lourdinha como é conhecida preside a Apami (Fotos: Portal Infonet)

Em prosseguimento às investigações quanto à distribuição das verbas de subvenção pela Assembleia Legislativa de Sergipe, foram ouvidas mais quatro testemunhas na tarde desta quinta-feira, 16. Entre os interrogados, a presidente da Associação de Proteção e Assistência à Maternidade e Infância de Itabaiana (Apami), Maria Gois de Mendonça, a Lourdinha, e Josias Mota, ambos primos da deputada Maria Mendonça. A associação recebeu verbas no valor de R$ 300 mil.

De acordo com Josias Mendonça, proprietário da Comercial Transporte Ouro Verde, a empresa fornece alimentos para compor as cestas básicas que são distribuídas pela associação.

Josias: "Estou tranquilo, tenjho notas fiscais"

“Sou primo da deputada, mas não a vejo com frequência e a minha ligação com a associação é apenas na venda dos alimentos para as cestas básicas. Os cheques que recebi como pagamento no valor de cerca de R$ 30 mil, eu depositei na conta da minha empresa. Estou com a consciência tranquila, até porque tenho as notas fiscais”, ressalta Josias Mota acrescentando que entrega os alimentos em fardos e caixas à associação.

Indagado pelo juiz Fernando Escrivani se no município existem outros concorrentes que possuem o mesmo ramo de negócios, o primo da deputada Maria Mendonça não gaguejou. “Existem sim, vários”.

A presidente da Apami explicou aos procuradores do Ministério Público Federal, Rômulo Almeida e Eunice Dantas, que a entidade possui 40 associados e que os cheques advindos das verbas de subvenção, serviram para pagamento de remédios na Drogaria Maria Izabel e para o pagamento à distribuidora de alimentos do primo. “Assumi a associação em 2012 e recebi de verbas de subvenção R$ 150 em 2011, R$ 300 em 2012 e R$ 300 em 2013. Utilizei para pagar à farmácia visando a distribuição de remédios para pessoas carentes e para pagar os alimentos para as cestas básicas, além de combustível para a ambulância”, afirma.

Maria Izabel fornece remédios para a associação

Foram ouvidos ainda a proprietária da Drogaria, Maria Izabel Martires Nascimento, que disse “ter todas as notas fiscais e que os beneficiários pegam os remédios diretamente no balcão, mediante a apresentação de receitas com a autorização da associação”; e quanto às verbas destinadas à Associação Beneficente Sociocultural Maria Acácia Ribeiro [de Lagarto], também beneficiada com R$ 300 mil por meio do deputado Gustinho Ribeiro, foi ouvido o dono da empresa Arcos Engenharia, Iolando Vieira.

“Não conheço o deputado e recebi R$ 80 para fazer a reforma da associação. Trocamos todo o telhado, refizemos as paredes e o piso. Os cheques foram depositados na conta da empresa, tenho notas fiscais, mas não houve registro no Conselho Regional de Arquitetura (Crea).

Empresa de Iolando reformou associação em Lagarto

Estava prevista ainda a ouvida do diretor do site Badalando Deivid Gonçalves Lima, que aparece como beneficiário de verbas de subvenção, repassadas pela Associação Maria Acácia Ribeiro. “Não localizamos o endereço dele e vamos fazer a citação no endereço do site”, explica o procurador Rômulo Almeida.

Por Aldaci de Souza

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais