Transferência do Coaf: veja como votaram os deputados federais de SE

0
Câmara dos Deputados aprovou volta do Coaf para o Ministério da Economia (Michel Jesus/ Câmara dos Deputados)

A decisão da Câmara dos Deputados de retirar o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) do Ministério da Justiça e Segurança Pública – pasta comandada por Sérgio Moro – e colocá-lo novamente sob a tutela do Ministério da Economia repercutiu em todo o país. Foram 228 votos a favor da mudança contra 210.

Dos deputados federais que representam Sergipe, somente Fábio Mitidieri (PSD-SE) e Fábio Henrique (PDT-SE) votaram a favor da transferência do Coaf para a pasta da Economia. Bosco Costa (PL-SE), Fábio Reis (MDB-SE), Gustinho Ribeiro (SD-SE), Laércio Oliveira (PP-SE)  e João Daniel (PT-SE) votaram contra a mudança. Valdevan 90 não compareceu à sessão.

Os defensores da transferência para o Ministério da Justiça, sob o comando de Sérgio Moro, argumentaram que isso facilitaria o combate à corrupção. Já os que votaram a favor de sua permanência na área econômica disseram que esse é o padrão adotado em vários países pela proximidade técnica do tema.

Por meio do Twitter, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, lamentou hoje (23) a decisão da Câmara dos Deputados. “Sobre a decisão da maioria da Câmara de retirar o Coaf do Ministério da Justiça, lamento o ocorrido. Faz parte da democracia perder ou ganhar. Como se ganha ou como se perde também tem relevância. Agradeço aos 210 deputados que apoiaram o MJSP [Ministério da Justiça] e o plano de fortalecimento do Coaf”, disse Moro hoje, por meio de seu Twitter.

Coaf

Criado em 1998, no âmbito do Ministério da Fazenda, o Coaf é um órgão de inteligência financeira do governo federal. Ele atua principalmente na prevenção e no combate à lavagem de dinheiro.

O órgão pertencia ao Ministério da Economia, mas foi deslocado para o Ministério da Justiça no Governo Bolsonaro. Nesta quarta-feira, 22, a Câmara dos Deputados decidiu transferir o Coaf de volta para a Economia. O assunto segue para discussão no Senado Federal.

por Verlane Estácio
com informações da Agência Brasil e da Câmara dos Deputados

Comentários