Valmir de Francisquinho e Talysson são processados por compra de voto

0
Talysson e Valmir teriam abusado de poder político e comprado votos (Foto: Reprodução/Redes sociais de Valmir de Francisquinho)

O prefeito da cidade de Itabaiana, Valmir de Francisquinho (PR), atualmente afastado do cargo, e o seu filho, Talysson Barbosa Costa (PR), eleito deputado estadual com 42 mil votos nas últimas eleições, agora são alvos de nova ação do Ministério Público Eleitoral por suposta compra de votos na véspera das eleições. Talysson atualmente está com o mandato cassado por decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e, junto com seu pai, já responde outro processo do mesmo Ministério Público Eleitoral sob acusação de abuso de poder político e econômico, com o uso da máquina pública de Itabaiana em favor da campanha de Talysson.

Nesta nova ação, a procuradora regional eleitoral, Eunice Dantas, explica que o Ministério Público teve acesso a vídeos que evidenciam o crime eleitoral. “É um vídeo de véspera de eleições em que Valmir aparece dentro de um carro e algumas pessoas vão até ele e recebem dinheiro. A Justiça Eleitoral identificou três dessas pessoas e os depoimentos não foram convincentes. Disseram que foram cumprimentar o prefeito, mas está claro que eles recebem dinheiro”, explica Eunice.

O dinheiro seria em favor do filho do prefeito, Talysson Barbosa, que disputava o cargo de deputado estadual – e se consagrou eleito com maior quantidade de votos para o cargo na Assembleia Legislativa de Sergipe. Se a Justiça julgar procedente a acusação do Ministério Público Eleitoral, ambos ficam sujeitos à multa e cassação do diploma.

A defesa dos acusados, feita pelo advogado Fabiano Feitosa, afirmou que ainda não houve notificação a respeito desse novo processo. “Ainda não sabemos o teor da ação, portanto não há como fazer manifesto”, disse.

Por Ícaro Novaes

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais