Adolescente é beneficiado com primeiro transplante de córnea do HU

0
O paciente beneficiado com o transplante foi um adolescente com ceratocone, doença de caráter hereditário que muda a estrutura da córnea e compromete a visão (Foto: HU/SE)

O Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe (HU-UFS), filial da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), realizou na ultima quinta-feira, 4, o seu primeiro transplante de córnea. O paciente beneficiado foi um adolescente com ceratocone, doença de caráter hereditário que muda a estrutura da córnea e compromete a visão.

De acordo com a Responsável Técnica da Oftalmologia do HU-UFS, Diane Guimarães, o transplante para resolver esse tipo de patologia costuma ter sucesso. “A nossa expectativa é que o paciente tenha uma boa evolução. Após a cirurgia, ele terá um repouso mais rigoroso durante um mês, no qual retornará ao HU-UFS uma vez por semana para avaliação. Após isso, terá retornos mensais por um ano, com todo o seu acompanhamento sendo realizado pela equipe do Hospital Universitário de Sergipe”, declarou.

A médica ressaltou que esse é um dos tipos de transplantes mais simples. “O hospital está empenhado em conseguir a habilitação pelo Ministério da Saúde para que, tanto esse tipo de transplante, quanto os mais complexos, possam ser realizados com boa regularidade no HU-UFS”, disse. “Essa cirurgia, além de marcar a história do HU, é um momento de muita felicidade, uma conquista para a equipe e para o paciente”, complementou.

Equipe

O procedimento teve a participação do oftalmologista voluntário Cristiano Mendonça. “Tive o privilégio de realizar o primeiro transplante de órgão do Hospital Universitário da UFS, local onde fiz meu curso de medicina, mestrado e doutorado, uma pequena retribuição ao que recebi do hospital”, afirmou Cristiano.

Esse foi o primeiro transplante realizado no Hospital Universitário de Sergipe
(Foto: HU/SE)

A equipe responsável pelo procedimento cirúrgico teve a participação dos dois cirurgiões oftalmológicos, Diane Guimarães e Cristiano Mendonça; do anestesista Raimundo Saturnino, que responde pela Divisão de Apoio Diagnóstico e Terapêutico do HU-UFS; e da equipe de enfermagem.

Para a manicure Luana Santos, mãe do paciente, a realização do transplante traz uma grande alegria para a família. “Estamos realizados, com as melhores expectativas de ele voltar a ter uma vida normal, como qualquer outro jovem. Daqui para a frente vamos fazer o acompanhamento e seguir direitinho as orientações dos médicos”, comentou.

 

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais