Postos registram aumento na procura pela vacina contra o Sarampo

0
O Ministério da Saúde enviou doses extras de vacina para a capital sergipana (Foto: Flávia Pacheco/SES)

Após a Secretaria de Estado da Saúde (SES) anunciar na última segunda-feira, 15, que as Unidades Básicas de Saúde (UBS) teriam seu horário de funcionamento estendido para melhor atender a população em relação a vacinação contra o Sarampo, houve em alguns postos de saúde um considerável aumento na procura pelas vacinas.

De acordo com a SES, nesta quarta-feira, 17, as UBS abertas até as 20h serão Dona Sinhazinha (Grageru) e Cândida Alves (Santo Antônio). Já na semana seguinte, nos dias 23 e 24, funcionarão as UBS Geraldo Magela (Orlando Dantas) e Edézio Vieira de Melo (Siqueira Campos). Em 30 e 31 de outubro, será a vez das unidades Augusto Franco e Onésimo Pinto (Jardim Centenário) funcionarem com o horário estendido.

Maíra Pereira, diretora do Sinhazinha.

Para a gerente do posto de saúde Dona Sinhazinha, Maíra Pereira, embora o horário estendido da unidade tenha começado ontem, 16, foi somente nesta quarta-feira, 17, que houve um número maior de pessoas vacinadas entre 1 e 49 anos. “Embora ontem o resultado tenha ficado aquém do esperado, hoje tivemos um número superior. Em virtude também do trabalho de divulgação da imprensa, conta”. Ainda segunda ela, a SES disponibilizou uma equipe para prover suporte à unidade. “Há uma equipe da SES que chega aqui na unidade às 17h e fica até às 20h”, avisa.

Segundo uma das enfermeiras do Dona Sinhazinha, Heine Costa, quem já teve Sarampo não precisa tomar a vacina. Há ainda, de acordo com ela, algumas contra-indicações: não tomar a vacina no mesmo dia em que for apresentado um quadro febril, tiver tuberculose ativa não tratada, for alérgico a qualquer um de seus componentes (incluindo a neomicina), estiver tomando medicamentos imunossupressores (outros além daqueles para reposição de corticosteroides), por exemplo.

Para qualquer dúvida ou esclarecimento, é só consultar algum profissional de saúde ao ir tomar a vacina em uma das Unidades Básicas de Saúde.

Por João Paulo Schneider e Verlane Estácio

Comentários