Dermatologista alerta sobre o diagnóstico precoce da hanseníase

Segundo dados do Ministério da Saúde, mais de 17 mil novos casos foram registrados em 2022 no Brasil (Foto: Valter Sobrinho)

O mês de janeiro é dedicado à campanha ‘Janeiro Roxo’, que tem como objetivo sensibilizar a população sobre a luta contra a hanseníase, uma doença crônica e infectocontagiosa causada pela bactéria Mycobacterium leprae, amplamente presente no Brasil.

O país é o segundo no mundo em número de casos de hanseníase, ficando apenas atrás da Índia. Segundo dados do Ministério da Saúde, mais de 17 mil novos casos foram registrados em 2022. A dermatologista do Instituto de Promoção e Assistência à Saúde dos Servidores do Estado de Sergipe (Ipesaúde), Raquel Mazzotti, enfatiza que o diagnóstico precoce é crucial na prevenção da doença.

A especialista esclarece que a hanseníase é passível de tratamento e cura, ressaltando a importância do diagnóstico precoce realizado clinicamente, por meio de exame físico. Durante essa avaliação, o médico observa manchas na pele e realiza o teste de sensibilidade. “A primeira sensibilidade a ser alterada é a térmica, ou seja, de temperatura. Quando o médico percebe que o paciente está com dificuldade de sentir o frio ou o calor no local afetado, é um indício de hanseníase”, explica Mazzotti.

A dermatologista afirma que a hanseníase afeta principalmente a pele, atingindo também os nervos periféricos, olhos e, em alguns casos, pode resultar em deformidades e incapacidades físicas. Ela destaca a importância de ficar atento aos sinais e sintomas, como manchas brancas ou avermelhadas, com alteração de sensibilidade. Mazzotti enfatiza a necessidade de buscar atendimento médico diante desses sintomas, especialmente para aqueles que têm ou tiveram contato próximo de alguém que já foi diagnosticado com a doença, uma vez que o período de incubação pode ser prolongado.

No Ipesaúde, a médica revela que atende regularmente pacientes com hanseníase. “Não é algo distante da nossa realidade, e muitas vezes a pessoa nos procura por outro motivo e acaba descobrindo a hanseníase durante o exame”, diz.

A especialista destaca que a principal via de transmissão da hanseníase é a respiratória, por inalação de gotículas contendo a bactéria causadora, o que favorece a transmissão no cotidiano. Mazzotti ressalta a importância de avaliar as pessoas próximas ao paciente no momento do diagnóstico, pois pode haver indivíduos com menos sintomas, mas que estão infectados. Ela adverte que, se o tratamento não for estendido ao entorno do paciente, a doença pode ressurgir por nova infecção.

Quanto à transmissão da doença, a médica esclarece que, uma vez iniciado o tratamento, o paciente não a transmite mais. No entanto, ela destaca a dificuldade de aceitação e preconceito, inclusive por parte dos familiares, em relação ao diagnóstico da hanseníase. Mazzotti enfatiza que o tratamento oferece a possibilidade de cura e a informação desempenha um papel crucial na superação desse estigma.

A dermatologista também enfatiza a importância da Campanha ‘Janeiro Roxo’ como um meio eficaz de conscientização sobre a hanseníase. “Devemos dar atenção significativa à hanseníase e discutir não apenas com a população, mas também com profissionais de saúde e de outras áreas para aumentar a conscientização”, conclui.

Fonte: Ascom Ipesaúde

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais