Hospitais oferecem tratamento para transtornos alimentares

0
(foto ilustrativa: Pixabay)

Segundo a Associação Americana de Psiquiatria, cerca de 70 milhões de pessoas no mundo sofrem com transtornos alimentares. A anorexia nervosa, a compulsão alimentar e a bulimia nervosa são patologias reconhecidas e enquadradas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como doenças mentais. A fim de orientar e tratar pacientes que sofrem com esses distúrbios, os hospitais da rede da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), vinculada ao Ministério da Educação, oferecem programas especializados.

Os transtornos alimentares estão associados à depressão, transtorno de personalidade, abuso de drogas, entre outros. São caracterizados por perturbações no comportamento alimentar, podendo levar ao emagrecimento extremo, à obesidade ou a outros problemas físicos. Podem afetar desde crianças até adultos, mas são mais comuns na adolescência.

A anorexia é caracterizada por uma severa restrição alimentar, medo intenso do ganho de peso e distorções da própria imagem corporal. Já na bulimia, a pessoa ingere um número grande de alimentos e, logo em seguida, motivada pelo medo do ganho de peso, expele os alimentos, seja por indução do vômito, seja pela ingestão de laxantes. E a compulsão alimentar, ao contrário do que acontece nos episódios bulímicos, não é seguida de expulsão destes alimentos do corpo. Deste modo, ao contrário dos outros dois transtornos, a doença resulta em sobrepeso ou obesidade.

Ebserh – A Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) administra atualmente 40 hospitais universitários federais, impulsionando suas atividades por meio de uma gestão de excelência. São unidades que têm características específicas por atender pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), e, principalmente, por apoiar a formação de novos profissionais de saúde e o desenvolvimento de pesquisas. Devido a sua natureza educacional, a Rede Hospitalar Ebserh atua de forma complementar ao SUS, não sendo responsável pela totalidade dos atendimentos de saúde do país.

Fonte: MEC/Ebserh

Comentários