Pacto da Alimentação pretende diminuir obesidade em Sergipe

0
Seminário ocorreu nesta terça-feira (Fotos: Portal Infonet)

Sergipe aderiu em setembro deste ano ao Pacto Nacional de Alimentação Saudável do governo federal. O estado foi o terceiro do país a integrar o programa que visa combater a obesidade, o excesso de peso e as doenças decorrentes da má alimentação. Na manhã desta terça-feira, 30, um Seminário marcou o lançamento do Pacto no território sergipano.

De acordo com a secretária executiva da Câmara Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional (Caisan/SE), Lucileide Rodrigues, as ações presentes no Pacto visam um trabalho intersetorial, ou seja, com uma parceria entre as esferas dos governos e a sociedade civil para diminuir os índices de obesidade que atinge 35% da população sergipana.

Lucileide acredita no sucesso do pacto da alimentação

Para ela, o Pacto deve influenciar sobretudo na mudança do pensamento dos sergipanos sobre a alimentação saudável, sejam eles produtores ou consumidores destes alimentos. “A gente quer conscientizar toda a população sergipana. Temos 35% de pessoas obesas, e eles estão entre todas as faixas etárias e rendas. Sergipe saiu do mapa da fome e entrou no mapa da obesidade, então não tratamos mais segurança alimentar só como questão de fome, mas de obesidade também”, afirma.

O nutricionista da Secretaria de Estado da Saúde e membro da Caisan-SE, Ronaldo Cruz, também atribui grande importância ao Pacto no enfrentamento aos problemas de saúde ligados a alimentação. “A obesidade tem aumentado a mortalidade de pessoas em função das doenças crônicas, que estão ligadas ao padrão de consumo. Por isso temos que fazer essa reflexão, e através deste pacto nós vamos poder ofertar alimentos de qualidade, de forma mais sustentável e implementar políticas públicas de orientação para que o serviço público se prepare para fazer o enfrentamento no sentido da prevenção e da promoção da saúde”, declara.

Prevenção de doenças e promoção da saúde são objetivos do Pacto, diz Ronaldo Cruz

A cooperação técnica tem o prazo de um ano, encerrando-se em outubro de 2019, mas com possibilidade de renovação, a depender dos resultados obtidos neste período.

por Yago de Andrade

Comentários