Pandemia: psicóloga traz dicas para identificar e lidar com ansiedade

0
A psicóloga Flor Teixeira destaca a importância de identificar o momento em que a ansiedade começa a interferir nas relações pessoais (Foto: Arquivo pessoal)

Entre os sintomas que a falta de controle diante da pandemia pode causar, a ansiedade tem sido, certamente, um dos mais comuns. Numa conversa com a psicóloga Flor Teixeira sobre o tema ela destaca que, mesmo se tratando de algo que faz parte do nosso funcionamento, precisamos prestar atenção ao momento esse sentimento começa a ser desproporcional aos estímulos que devem existir em nosso organismo.

A profissional explica que apesar de funcionar como um mecanismo para nos proteger de situações que causam medo e incertezas, é preciso observar as influências que a ansiedade é capaz de trazer o nosso cotidiano. “Quando esse ‘escudo’ se torna a nossa única vestimenta precisamos começar a prestar atenção para que isso não vire um adoecimento”, ressalta.

Além de caracterizar a ansiedade como um sentimento vago de apreensão e desconforto, a psicóloga reforça que a sensação costuma surgir sempre que entramos em contato com algo desconhecido e incerto. Ainda assim, ela afirma que identificar a diferença entre ser e estar ansioso é de extrema importância para lidar com a situação.

Transtorno de ansiedade x ansiedade

Para Flor Teixeira, as principais diferenças entre as reações que os sintomas podem causar são definidos pela preocupação excessiva, persistente e de difícil controle que somente o transtorno de ansiedade causa. “Eu estou ansiosa em algumas situações por não compreender ou estou vivendo essa ansiedade? Essa ansiedade está afetando meu desempenho familiar e social? Então aí eu preciso começar a acender o ‘sinalzinho’ de alerta porque tem alguma coisa estranha”, orienta a psicóloga.

Ela salienta ainda que quando os sintomas de ansiedade começam a ultrapassar a normalidade do nosso organismo, outras reações aparecem junto com eles, bem como tremores, suor e até mesmo falta de ar. “Algumas pessoas chegam a apresentar uma paralisia momentânea, como se a indicação de perigo deixasse o corpo delas paralisado”, exemplifica.

Para amenizar as reações causadas pela ansiedade, a psicóloga lista algumas estratégias que, quando praticadas, podem trazer bons resultados:

Organização de hábitos saudáveis

Pratique exercícios físicos regulares, considerando esse costume como algo que seja sinônimo de prazer e não de obrigatoriedade.

Priorização do sono regulado

Como responsável por reequilibrar as funções biológicas do nosso corpo, a organização do quantitativo de horas de sono é fundamental no controle da ansiedade.

Alimentação saudável

Mantenha durante a semana, tendo em vista todos os efeitos que essa prática traz para o corpo humano e de uma maneira em que não seja preciso abrir mão de comer algo que te agrada quando sentir vontade.

Meditação

Baseada no controle da respiração, a meditação, de acordo com a psicóloga, tem demonstrado resultados excelentes tanto no controle da ansiedade como também durante uma crise de ansiedade, para que a pessoa retorne ao seu estado de equilíbrio.

Embora sejam estratégias que podem ser praticadas por qualquer pessoa, a profissional ressalta que é comum que as dicas sirvam como relaxante ou até mesmo como estímulos para atenuar os sintomas de uns, enquanto pode não trazer resultados para outros. “As técnicas para o controle da ansiedade precisam ser experimentadas como orientações gerais, já que podem não funcionar para todo mundo”, destaca.

Como dica fundamental para o cotidiano, Flor Teixeira afirma que é fundamental entender as causas da ansiedade para começar a pensar em estratégias de como lidar com isso. “É necessário ficar atento sobre até que ponto a ansiedade interfere em nosso trabalho e relações. Procurar um profissional significa que você ainda está tão no controle a ponto de entender que precisa de ajuda”, alerta.

por Juliana Melo e Raquel Almeida

Comentários