Vacina da AstraZeneca fará parte de campanha de imunização em Aracaju

0
Vacina tem eficácia de 70% em adultos com menos de 55 anos, além da capacidade de prevenção de 100% das hospitalizações. (Foto: Freepik)

A próxima fase do programa de vacinação na capital, gerido pela Prefeitura de Aracaju, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), começará a aplicar o imunizante produzido pela parceria entre a universidade inglesa Oxford e a farmacêutica sueca AstraZeneca.

Assim como a CoronaVac, esta vacina foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), com base nos resultados divulgados na revista científica The Lancet. O artigo usou dados compilados através de testes em três países: Brasil, Reino Unido e África do Sul.

A publicação indica eficácia de 70% em adultos com menos de 55 anos, além da capacidade de prevenção de 100% das hospitalizações e formas graves da doença, segundo o critério clínico preconizado pela Organização Mundial da Saúde.

Os estudos clínicos apontaram que a vacina AstraZeneca/Oxford é segura para todas as faixas etárias, incluindo os idosos. A opção por utilizar este imunizante não diz respeito às diferenças qualitativas entre ele e os demais.

“Ela tem o mesmo objetivo da Coronavac, que é estimular o organismo a produzir anticorpos, deixando as pessoas protegidas das possibilidades de contaminação. Então, não podemos comparar CoronaVac com AstraZeneca/Oxford, pois os estudos foram feitos com populações diferentes”, explica a secretária da Saúde de Aracaju, Waneska Barboza.

A vacina AstraZeneca/Oxford apresenta, ainda, a vantagem logística de ser de fácil transporte, pois se conserva em temperaturas de geladeira comum (de 2ºC a 8ºC). Isso pode facilitar o uso na estrutura já construída para o Programa Nacional de Imunização (PNI) do Sistema Único de Saúde (SUS).

A aplicação do imunizante não será imediata, ainda que o Estado tenha recebido 19.000 doses no último domingo (24), conforme ressalta a secretária. “Ainda não foram destinadas doses para Aracaju, porque o Estado precisa que as primeiras levas de vacina sejam concluídas e que seja prestado contas desta etapa. Na medida que se for comprovando o uso da primeira parte, o quantitativo de doses será definido para dar sequência à vacinação”, detalha Waneska.

Fonte: Prefeitura de Aracaju

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais