Ab initio: um novo espaço para o debate democrático!

0

“Como eu prefiro sentir-me vigiado do que sozinho, eu prefiro me sentir criticado do que largado pela indiferença.” (Leandro Karnal)

 

Inicialmente, faço questão de registrar que é com imensa satisfação que começo esse blog no Portal Infonet. Considero ser uma honra ter a oportunidade de ladear grandes colunistas que formam uma verdadeira seleção de articulistas que já escrevem no portal. Ciente do tamanho do meu desafio, em meio a essa iluminada constelação, espero não dela destoar tanto, mas apenas poder colaborar à altura para o fomento da leitura e reflexão sobre temas diversos, sempre manifestando opiniões fundamentadas e desapaixonadas, buscando promover a discussão produtiva e, claro, em alto nível de urbanidade.

A propósito, o que se pode esperar deste novo articulista? Para quem já me conhece, não tenho vinculações político-partidárias, não sou adepto à dogmas, muito menos pacto com determinado ponto de vista. Aliás, como cantou Raul: “prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo”. Já aos tantos que somente a partir de agora me conhecerão, procurarei escrever sobre temas diversos, sempre buscando manifestar uma opinião neutra, mas jamais neutralizada, já que a imparcialidade é uma utopia.

Penso que, nesse artigo inaugural, seja oportuno trazer uma singela apresentação sobre este que vos escreverá semanalmente. Estilo ou conteúdo são marcas importantes, mas que devem ser conhecidas ao longo do tempo e da leitura, quando cada um terá a oportunidade de tirar as suas próprias conclusões.

Com 39 anos de idade, estou muito bem casado com a mulher da minha vida, Carol Sacramento, mãe dos meus dois tesouros, Lucas e Leonardo, 10 e 7 anos, respectivamente. Consideram-me um pai coruja, o que admito com satisfação, e um filho bastante orgulhoso dos pais que tenho: Osvaldo do Espírito Santo, minha inspiração e exemplo que busco seguir, e Joana Angélica Belém do E. Santo, minha amada mãe, sempre pronta a me acolher em seu colo, inclusive, ainda hoje, tem coisa melhor?

Pessoalmente, meus hobbys prediletos são: ouvir uma boa música, nesse quesito sou seletivo, mas bastante eclético; assistir a um bom filme e, principalmente, ler um bom livro. Ademais, gosto do mercado financeiro, aprecio vinhos e sou fã de um dedo de prosa, em uma roda de amigos, ao som de uma boa moda de viola, sempre regada a uma boa cerveja e boas risadas.

Academicamente, sou bacharel em Direito. Formado em 2002 pela Universidade Federal de Sergipe e pós-graduado em processo civil e ciências criminais. Atualmente, sou professor de Direito, palestrante e facilitador em cursos jurídicos. Sou também membro do Instituto Brasileiro Ciências Criminais – IBCCRIM e Instituto Brasileiro de Direito de Família – IBFAM.

Profissionalmente, com muito orgulho, bato no peito e digo, em alto e bom som, que sou advogado, militante e vocacionado. Sempre advoguei desde que me formei em 2002, mas antes disso tive as proveitosas oportunidades de estagiar no Ministério Público Federal, junto ao gabinete do amigo e mestre Procurador da República, Paulo Vasconcelos Jacobina, que hoje atua em Brasília; bem como junto à Defensoria Pública do Estado, sob a orientação da doutora Carmem Monteiro Costa Elias.

Outro estágio que experimentei e que marcou a minha vida decisivamente foi no escritório de advocacia do lendário causídico Evaldo Campos, com quem muito aprendi, ao lado das então advogadas Andrea Depieri, Cláudia do Espírito Santo e Andrea Lícia de O. Theodoro, e do advogado Maurício Costa Fernandes da Cunha.

Nesse estágio, que durou quase 04 anos, desenvolvi verdadeira paixão pelo Direito e, particularmente, pela advocacia. Ali, após a colação de grau e recebimento da tão sonhada carteira de advogado, fui contratado como advogado e depois convidado por Dr. Evaldo Campos a ser associado do escritório e, por fim, seu sócio até que fundei o meu próprio escritório CASTRO ESPÍRITO SANTO E D’ALENCAR, juntamente com os advogados Glover Castro e Marcus Vinicius D’Alencar.

Recentemente, uma nova reformulação societária se deu e com ela nasce o escritório BELÉM e CASTRO Advogados Associados.

Institucionalmente, dedico-me, há 12 anos, à militância institucional junto à Ordem dos Advogados do Brasil, onde exerci os cargos de membro da Comissão de Direitos Humanos (2007-2009), Conselheiro Seccional por dois triênios (2010-2012 e 2013-2015) e atualmente estou Secretário-geral da OAB/SE (2016-2018). Também sou dirigente da ABRACRIM – Associação Brasileira de Advogados Criminalistas, onde ocupo o cargo de Conselheiro Nacional da Advocacia Criminal e Vice-presidente da ABRACRIM-SE.

Não obstante seja advogado, não pretendo falar somente de Direito ou advocacia, até porque considero que a batalha pelas liberdades começa no campo da cultura, dos valores sociais, da política, da filosofia… A liberdade não se sustenta em um vácuo cultural ou em uma sociedade que esgarçou seu tecido social.

Cumprida a formalidade da apresentação, voltemos ao que realmente importa, ou seja, acerca do que o leitor poderá esperar deste blog. Certamente, artigos desconfiados, realistas, no mais das vezes contramajoritários, imbuídos da crítica construtiva, buscando sempre apontar soluções e não meros argumentos ad terrorem, tampouco teorias da conspiração.

Seguindo essa linha, procuraremos sempre a frieza da sobriedade, quando da análise dos fatos, independente da opinião pública – ou publicada – afinal, não temos perfil para integrante de manada, desconfiamos de multidões e da unanimidade, bem como daqueles que se arvoram em se apresentar como ferrenhos justiceiros, paladinos da moral e dos costumes, moralistas de plantão e dos que tem a praxe de levantar a voz e a apontar o dedo. Mas estejam certos, teremos um espaço democrático, sempre aberto ao diálogo franco e ao contraditório.

Não pretendo me alongar nesse primeiro texto introdutório, pois o leitor terá a oportunidade de tirar as suas próprias conclusões ao longo do tempo. O que posso prometer a todos é um compromisso absoluto com a honestidade intelectual. Não me julgo dono da verdade, longe disso, até porque penso não existir a verdade absoluta, mas sim verdades que são relativas.2039

Por fim, procurarei sempre expor fatos e emitir opiniões, sem qualquer receio de ser corrigido, confrontado ou discordado. Nesse particular, diga-se de passagem, sigo a lição do ex-presidente, Juscelino Kubitschek: “costumo voltar atrás, não tenho compromisso com erro”.

Mãos à obra!

Espero que curtam, assim como estou curtindo esse novo desafio.

Sejam muito bem-vindos a este blog, que será a minha humilde contribuição para o debate acerca da construção da sociedade que queremos.

Comentários