Abandonaram Serra

0

Abandonaram Serra

Motivo até de disputa judicial em Sergipe, o presidenciável José Serra (PSDB) foi largado de lado como se joga fora um rolete de cana chupado. Nem o tucano Albano Franco, nem o demista João Alves Filho citam o candidato a presidente em seus programas no horário eleitoral gratuito. O material de campanha dos dois excluiu qualquer citação a José Serra e não se houve uma única critica do PSDB e do DEM a Dilma Rousseff (PT). Falar mal de Lula (PT), então, nem pensar. Esse quadro era bem diferente antes da campanha eleitoral, quando o coitado do Serra liderava todas as pesquisas. João Alves e Albano travaram até uma batalha na Justiça Eleitoral para ficar com o tempo do PSDB no rádio e na televisão e espalhavam aos quatro cantos que eram os comandantes da campanha serrista em Sergipe. Como as coisas mudam!

Assalto ao voto

Pior do que comprar a consciência do eleitor, é obrigá-lo a participar de manifestações políticas em favor do candidato que não é o seu. Pressionar o suplicante a votar em alguém sob pena de lhe tirar o emprego, tomar o ganha pão, assemelha-se a um assalto à mão armada. É preciso fazer alguma coisa para impedir que em todas as campanhas os ocupantes de cargos em comissão sejam tratados como um rebanho de bois encurralados. O prefeito, secretário ou quem quer que seja que faça isso, não é um democrata, mas um ditador safado.

Sem cartazes

A colega Rita Oliveira publica hoje no Jornal do Dia que “vários deputados estaduais candidatos à reeleição retiraram os cartazes afixados nas portas de seus gabinetes na Assembléia Legislativa. O Ministério Público Eleitoral não ia deixar por menos, pois é proibido pregar cartazes com propaganda política em órgãos públicos”.

Hoje tem Ibope

A TV Sergipe deixou para hoje a divulgação da pesquisa Ibope para senador e governador de Sergipe. O desempenho dos candidatos será anunciado no Sergipe Notícias 2ª edição, que vai ao ar no começo da noite. É grande a expectativa, pois esta será a primeira consulta popular realizada pelo Ibope no Estado. Outras duas pesquisas deste instituto foram encomendadas pela TV Sergipe. Aguardemos, portanto, o resultado!

Campanha covarde

Sem coragem para criticar a presidenciável Dilma Rousseff no horário eleitoral gratuito, pois isso seria perda de votos na certa, os adversários da petista estão enviando por e-mail um vídeo produzido por um tal de Olavo de Carvalho. Nele, o dito cujo deturpa a participação da candidata na luta armada durante o golpe militar e a chama de assaltante, safada e outras coisas. Não fossem tão covardes, os adversários de Dilma e de Lula atacavam os dois publicamente. Ainda bem que o povo está vacinado contra essas baixarias.

Humor liberado

 

O ministro sergipano Carlos Britto, do Supremo Tribunal Federal, liberou as emissoras de rádio e televisão para fazerem humor com os candidatos, partidos e coligações envolvidos nas eleições. A decisão suspendeu os efeitos de norma que diz que a partir do dia 1º de julho de ano eleitoral as emissoras ficam proibidas de “usar trucagem, montagem ou outro recurso de áudio ou vídeo que, de qualquer forma, degradem ou ridicularizem candidato, partido ou coligação”.

Apoio de peso

O candidato à reeleição Marcelo Déda (PT) se reúne hoje com empresários das mais diversas atividades econômicas. Será durante um almoço em um hotel da Orla de Atalaia. No encontro, o petista falará sobre suas propostas para continuar governando Sergipe por mais quatro anos, citará o esforço do seu governo para atrair investimentos para o Estado e, naturalmente, agradecerá o apoio dos representantes do PIB sergipano.

Fora bandidos

A julgar pelo discurso do candidato João Alves Filho (DEM) em Lagarto, seu desejo é ver Sergipe sem um único marginal, um paraíso na terra. Ele prometeu que se for eleito os “bandidos podem fazer as malas e deixar o Estado”, pois a segurança pública será uma de suas prioridades. João Alves sabe do que fala, pois quando governou Sergipe já colocou em prática essa missão.

Novos denunciados

A Procuradoria Regional Eleitoral em Sergipe denunciou mais nove candidatos por propaganda irregular. Todos são acusados de terem mandado afixar cartazes de propaganda maiores do que os quatro metros quadrados permitidos. Desta vez foram denunciados os candidatos Laércio Oliveira (PR), Jeferson Andrade (PDT), Marcelo Déda (PT), Jackson Barreto (PMDB), José Franco (PDT), Susana Azevedo (PSC), Paulinho das Varzinhas (PT do B), André Moura (PSC) e Eduardo Amorim (PSC). A Procuradoria pede a retirada imediata dos cartazes e que os denunciados sejam multados em R$ 8 mil.

Cobertura tímida

Vocês já perceberam como é tímida a cobertura da campanha eleitoral feita pelas emissoras de televisão local? Quando muito, os noticiários das TV’s divulgam determinações da Justiça Eleitoral, ou orientam os eleitores sobre como tirar a segunda via do título. Quem senta, com a boca escancarada cheia de dentes, para assistir os noticiários locais das televisões, chega a pensar que não existe campanha política em Sergipe. Por que será?

Do baú político

Essa quem contou foi o saudoso advogado, boêmio e jornalista Hugo Costa: Ex-deputado estadual, ex-vice e ex-governador de Sergipe, general Djenal Tavares de Queiroz não era homem de levar desaforo para casa. Certa feita, um cronista esportivo, conhecido em Aracaju por “Movimento”, fez duras criticas ao Olímpico Futebol Clube. O general, que era secretário da Segurança Pública, não gostou dos ataques ao seu time. Mondou chamar o cronista e o ordenou que engolisse a página do jornal, ‘sem água, sem nada’. “Movimento” era uma pessoa bem humorada e, antes de atender à ordem, argumentou: ‘General, o artigo aqui desse lado eu fiz, mas do outro lado tem a propaganda de um trator da Casa da Lavoura. Sou obrigado a engolir o trator também?’. Entrevistado depois pelo próprio Hugo, Djenal Queiroz negou que tivesse forçado o cronista a engolir a página do jornal: “Ele engoliu, mas não fui eu quem o obrigou, foram os meus amigos”.

Resumo dos jornais

Clique aqui para ler os destaques de capa dos principais jornais do Brasil

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários