“Bocão” da homenagem a imortalidade

0

“O jornalismo é o exercício diário da inteligência e a prática cotidiana do caráter.” Cláudio Abramo.

Quem acompanha a história política de Sergipe desde a redemocratização do país com o retorno das eleições diretas, especialmente em Aracaju, a partir de 1985, não pode omitir a participação ativa de Rosalvo Alexandre Lima Filho, o “Bocão”.

Bocão, que foi vereador de Aracaju, começou no movimento estudantil ainda jovem, na década de 60, e se notabilizou como fiel escudeiro de Jackson Barreto. Não só conselheiro, mas um precursor do multimídia. Nas caminhadas de Jackson pelas ruas de Aracaju, à frente do carro de som com o microfone na mão, Bocão, que tinha um voz estridente que lhe deu o apelido, era o locutor. Triste do adversário da ocasião, Bocão transformava o coitado num verdadeiro demônio. Além das histórias reais, caminhando e gritando pelas ruas, Bocão transformava um simples ato de campanha num verdadeira saga eleitoral.  Um verdadeiro “agitador” que estimava o número de pessoas a cada meia hora…aumentava em 10 mil o número de pessoas  e ia subindo, subindo…

Por isso, que ao inaugurar na sexta-feira, 03, a sede do Sergipe Tec, o governador Jackson Barreto transbordou de emoção. Desde

Última aparição pública de Bocão, no lançamento da Comissão da Verdade. Emocionado com as palavras do amigo Jackson Barreto. Mais uma foto histórica do fotojornalista César de Oliveira. 

 a inauguração da placa na entrada até o discurso.  O falecimento prematuro de Bocão, aos 64 anos no ano passado, deixou Jackson nocauteado. Foi como se perdesse um irmão.

Quis o destino que o último ato público que Bocão participou foi na instalação da Comissão da Verdade Estadual. Já na cadeira de rodas, Bocão foi saudado, ao lado e outras lideranças, por Jackson Barreto. Bocão, e mais 35 militantes e simpatizantes do PCB em Sergipe foram levados para o 28º BC, na famosa Operação Cajueiro que agora está sendo minuciosamente desvendada pelos depoimentos na Comissão da Verdade. E ao homenagear Bocão, por tabela, Jackson homenageia também uma geração que lutou pela redemocratização do país na clandestinidade, alguns morreram, outros foram torturados, mas todos estão na história política de Sergipe.

Com certeza, Bocão, onde estiver ao ver a homenagem e a gigantesca placa “Sergipe Tec Eng. agrônomo Rosalvo Alexandre”, deve ter soltado uma das suas sonoras gargalhadas: “Mais camarada Jackson que placa enorme é essa, tá vendo Aline (companheira) como Jackson gosta de mim” A irreverência de Bocão não morreu…

Obra magistral iniciada por Marcelo Déda II

Durante o discurso de entrega da obra (leia matéria no fim do blog) , o governador, visivelmente emocionado, lembrou do amigo Rosalvo Alexandre, que dá nome ao Parque, e do ex-governador Marcelo Déda, que iniciou a obra em 2008.“Quando cheguei aqui, Aline, sua companheira, e as irmãs de Rosalvo, Ivoni e Sônia, disseram que não pensavam que era uma obra tão grande que estava homenageando Rosalvo Alexandre. Eu respondi que é do tamanho e da grandeza de Rosalvo. Olhando para Eliane Aquino, não posso deixar de destacar que esse investimento nasceu da ideia, do compromisso de Marcelo Déda com o futuro de Sergipe, com um estado moderno e desenvolvido.

Obra magistral iniciada por Marcelo Déda II
E continuou o governador: “Não podemos esquecer também de Marcos Vandi, que esteve à frente deste projeto. Muita gente pensava que esta obra não chegaria ao final, mas aquilo que significa desenvolvimento, inovação, modernidade, novas tecnologias é de muita importância para quem tem compromisso com o futuro desse estado. Continuamos a obra de Marcelo e Déda e hoje, Déda e Rosalvo estão sendo homenageados. Um iniciou a obra. O outro deu nome a ela. Um perfeito entrosamento de ideias, de compromissos, de história em favor de Sergipe, do desenvolvimento das lutas em favor das causas populares e do compromisso social”, discursou Jackson Barreto.

Lembrança da companheira das horas difíceis. Outra justa homenagem de Jackson
E Jackson não esqueceu da companheira de Bocão: "Quero dizer a você, Aline, que os amigos de Rosalvo Alexandre agradecem imensamente por tudo o que você fez por ele. O sofrimento de Rosalvo Alexandre foi compartilhado por todos os seus familiares, mas, Aline, você teve uma atuação que aqueles que conviveram não vão esquecer nunca, de companheira, 24 horas à disposição dele. Nós lhe agradecemos muito por isso e temos por você carinho e respeito”.

Critica a fusão e contradição
Ainda durante a inauguração do Sergipe Tec, o governador Jackson Barreto lamentou a fusão do Ministério da Ciência e Tecnologia com o das Comunicações, decisão do governo interino de Temer que significa de fato um retrocesso. Ocorre que, paradoxalmente, segundo comentários de membros da comunidade científica e tecnológica presentes na inauguração, o mesmo governador estaria trocando o presidente da Fundação de Apoio à Pesquisa (Fapitec), um pesquisador respeitado, por um ex-vereador de Neópolis, atendendo a pedido do partido que toma conta da Sedetec, à qual a Fapitec é vinculada.

Critica a fusão e contradição II
O clima era de desolação porque estaria sendo quebrado o compromisso dos governadores (desde Albano, que fundou a Fapitec, passando por João e Déda) de sempre designar para a diretoria da Fundação nomes egressos da comunidade acadêmica, uma vez que se trata de uma instituição que não deve ter sua atuação subordinada a interesses político-partidários.

Servidores cedidos
Durante a inauguração do Sergipe Tec, servidores cedidos a diversas empresas públicas, reivindicaram ao governador Jackson Barreto que agilize as medidas cabíveis, solicitadas através de ofício encaminhado pela PGE a Seplag, para que não sejam retiradas da incorporação as gratificações.

“Torquato Quintal”
Embora o nome do minitrafico seja "Toquato Lorena Jardim", o sindicato dos servidores da CGU o denominou de "Torquato Quintal", "Porta dos Fundos", do tráfico de interesses, que está em insuperável conflito de interesses entre seus clientes provados e os interesses da sociedade brasileira, no combate à corrupção!!!

Em Busca de uma Resposta
Professores da rede municipal de ensino de Frei Paulo estiveram na sexta-feira, 03,  por volta das 08h40  na prefeitura para

Professores a espera do prefeito no meio da rua. 

 tentar falar com o gestor, quando tiveram a informação de que o mesmo não iria  comparecer, então ao serem informados foram até a casa de Arinaldo Filho. Já que os professores tentaram  outros meios possíveis como encaminhamento de ofícios, recado pelo secretário de administração, por meio do vice prefeito e até mesmo pelo presidente da câmara de vereadores. Em todas as tentativas não obtiveram êxito!

No meio da rua
Foi constrangedor para os profissionais da educação municipal, mas no momento foi a única solução,  na conversa ocorrida  no meio da rua foi cobrado do senhor prefeito José Arinaldo de Oliveira Filho o reajuste do piso salarial.  Ele informou que só atenderá na próxima semana, após chegar de Brasília. Enquanto isso os professores continuam na luta pelos seus direitos.

Valmir vence processo movido por Braulio do SEPUMI
No dia 28 de Novembro de 2014, o presidente do SEPUMI de Itabaiana, Braulio Brito de Santana saiu do prédio da Secretaria Municipal de Administração relatando que o prefeito teria o agredido com um vídeo em mãos que mostrava o gestor a alguns metros de distância do mesmo solicitando que ele solicitasse o atendimento do outro lado do balcão e não onde ficam todas as documentações. Braulio chegou a procurar  opositores para postar fotos de suas costas supostamente arranhadas.

Paixão política-partidária
Todos viram que era nítida a armação política no intuito de prejudicar e atingir a imagem de um gestor íntegro e sério como Valmir, o qual toda Itabaiana conhece. Braulio foi infeliz ao envolver sua paixão política-partidária numa relação entre um sindicato e uma prefeitura uma vez que Valmir pagou todos os repasses atrasados pela gestão anterior ao sindicato bem como os salários dos servidores.

Verdade prevaleceu
Na última terça, dia 31, o processo foi julgado no Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe e por unanimidade eles entenderam que não houve agressão, dando ganho de causa à Valmir. Absolvido o prefeito de Itabaiana comprova que não adianta tentar armar para prejudicar, pois no fim a verdade sempre irá prevalecer.

Secretário de Justiça recebe membros do Conselho de Saúde
Membros do Conselho Estadual de Saúde (CES), Heitor Freitas, Sérgio Andrade, João Lima, Sony Regina Petris, Fábio Costas e o vice-presidente do Conselho, Eduardo Ramos, estiveram reunidos na quinta-feira, 02, com o secretário de Estado da Justiça e de Defesa ao Consumidor, Antônio Hora Filho.A reunião que aconteceu na sede da Secretaria e contou também com a participação de membros da Comissão Intersetorial de Saúde Mental, Álcool e outras drogas do CES, teve como um dos principais objetivos, discutir a problemática do Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico (HCTP).

Alterações
Em sua fala, o secretário se colocou à disposição do Conselho para promover as alterações que se fizerem necessárias para o cumprimento da lei número 10216/2001, que trata da nova realidade no tratamento terapêutico.O secretário disse reconhecer nos Conselhos o seu papel no controle social e colocou a Secretaria à disposição.

Proveito
Foi uma reunião muito proveitosa onde vários pontos foram esclarecidos como também a formação de um Grupo de Trabalho (GT), que terá como uma de suas principais metas fazer cumprir o que determina a lei 10216/2001, implantando uma nova realidade no atendimento ao portador de transtorno mental, observou Eduardo.Segundo Eduardo, com a nova política, o usuário do HCTP, terá assistência mais humanizada, mudando a ótica do cuidado no seu atendimento.

Comunicado Segrase
Comunicamos adiamento do lançamento da Coleção da Obra de Tobias Barreto, previsto para acontecer no próximo dia 7 de junho de 2016, às 18h, no Museu da Gente Sergipana, em Aracaju, por motivo de compromisso do governador do Estado Jackson Barreto de Lima, em Brasília (DF).

Marco
Para Comissão Intersetorial de Saúde Mental – CISM, a reunião foi um marco em saúde mental para o Estado de Sergipe, tendo em vista que naquele momento o secretário de Justiça, acolhe as duas sugestões da CISM, que foi a criação do GT e da transformação do HCTP em Centro Psíquico Social de Custodia.

Projeto Esqueça o Livro em Canindé
A secretaria de Turismo, Cultura e Esportes de Canindé de São Francisco estado de Sergipe, lançou na sexta-feira, 03, o Projeto Esqueça o Livro. O objetivo é fazer com que as pessoas da comunidade, possam “esquecer” livros por toda a cidade, ajudando a que outras possam ter acesso a cultura. São aqueles exemplares que já lidos, podem levar conhecimento ao público em geral.

Ideia
O projeto é baseado no “esqueça um livro”, criado por Felipe Brandão, que é jornalista e coordenador da área digital de uma editora de livros. Foi ele que teve essa brilhante ideia e que se espalha pelo Brasil. A ideia vem do BookCrossing – que é este conceito de esquecer um livro para alguém.

Versão
Em Canindé a intervenção do esqueça o livro, versão para a cidade, acontecerá no dia 13 de julho. Para participara é fácil, a pessoa esquece um livro onde achar melhor. Dentro deixa um bilhete com um marcador e a informação “este livro faz parte do projeto esqueça o livro. Leia e depois o esqueça também, para que outras pessoas possam ter acesso a ele”.

Conhecimento
O secretário de Turismo, Cultura e Eventos Dimas Roque, disse que “esse projeto levará a população a informação através dos livros. E ler é poder viajar a lugares sem precisar sair de nossas casas. Só através da leitura adquirimos o conhecimento para a nossa vida. O projeto que será realizado pela Diretória de Cultura visa esse intuito. O de levar o conhecimento ao meior número de pessoas”.

Banese parcela em até 12 vezes pagamento do IPVA
O Banco do Estado de Sergipe (Banese) dispõe de uma modalidade de crédito que parcela em até 12 vezes o pagamento das taxas anuais relativas ao Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). O produto é destinado a pessoas físicas e jurídicas correntistas do Banese. Denominado de Credi-Fácil IPVA, ele oferece a oportunidade para liquidar o IPVA de 2016 ou de anos anteriores de forma à vista, aproveitando o desconto do Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

Prazo
O valor do crédito do Banese para pagamento do IPVA é limitado ao total do licenciamento anual, seguro obrigatório, multas, emplacamento e regularização de débitos de exercícios anteriores de veículos registrados no Estado de Sergipe. O prazo para pagamento do empréstimo é de até 12 meses, desde que o valor mínimo da prestação não seja inferior a R$ 30,00 (trinta reais). “O pagamento do financiamento será feito a juros baixos, em até 12 prestações fixas debitadas automaticamente em conta corrente”, informa o superintendente de Crédito do Banese, Wesley Teixeira Cabral.Mais informações sobre o Credi-Fácil IPVA podem ser obtidas no site do Banese (http://www.banese.com.br) ou nas agências da instituição em Aracaju ou no interior. O Banese, com 63 agências, possui a maior rede de atendimento bancário do Estado.

A OBRA DO SERGIPETEC

Para a construção da nova sede do SergipeTec foram investidos R$ 33 milhões em obras e R$ 7 milhões em equipamento, recursos do extinto Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI); da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep); e do Governo de Sergipe. O empreendimento ocupa uma área de 120 mil m², cedida pela Universidade Federal de Sergipe (UFS), ao lado do Campus.

O Sergipe Tec tem entre suas missões promover a sinergia entre academia e empresas, com foco no desenvolvimento estadual, envolvendo empreendedorismo, inovação, competitividade, geração de conhecimento, trabalho e renda, a partir da criação de redes de relacionamento, que promovam a inclusão digital.

O secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Francisco Dantas, disse que a ação dos gestores Marcelo Déda, que iniciou, e de Jackson Barreto, que concluiu a obra, deu aos sergipanos um importante equipamento de desenvolvimento econômico. "A tecnologia vai encontrar sua casa, uma estrutura que vai permitir sair de oito empresas incubadoras para 60. Mostra o compromisso que o governo tem com o povo, que vai trazer progresso e gerar emprego. Aqui é um marco para o crescimento de Sergipe", classificou.

No espaço atuarão instituições nas áreas de Biotecnologia, Tecnologia da Informação e da Comunicação (TIC), Energias Renováveis e Meio Ambiente; um Centro Vocacional Tecnológico/CVT, o Centro Catalisador de Competências em Tecnologia da Informação/C3TI); duas biofábricas para produção de mudas microproagadas, uma unidade de produção de fungos para controle biológico de pragas da agricultura, uma incubadora de empresas multissetoriais e outra de empresas de base tecnológica em energia renováveis, um núcleo de energias renováveis e eficiência energética com cinco laboratórios e um laboratório de pesquisas em biotecnologia.

De acordo com o Diretor do Sergipe Tec, Manoel Hora, a administração do parque tecnológico já está instalada. "Mas a maior parte desta área será exatamente para as atividades que foram citadas aqui, nossa equipe está animada por esta possibilidade, com certeza daqui para o final do ano teremos oportunidade de colocar várias empresas nas salas que estão previstas para aluguel e incubadoras. Teremos a oportunidade, nas área de energias renováveis, na medida em que as máquinas e os equipamentos, que já estão adquiridos pelo governo, sejam instalados. Está em andamento através da Seinfra a construção de um auditório com os recursos finais do convênio. De minha parte, quero mais uma vez agradecer ao governador esta honra de ter me proporcionado ao me nomear presidente do Sergipe Tec e estar presente neste momento em que esta inauguração e este parque tecnológico recebe o nome do meu amigo, honrado, altivo, trabalhador e desenvolvimentista Rosalvo Alexandre", disse.

Também estão sendo investidos cerca de R$ 5 milhões no Instituto de Análise Criminal e Pesquisa Forense (IAPF), vinculado a Cogerp/SSP, que terá sete laboratórios (DNA e Toxicologia, Perícia Forense, Química Legal, Entomologia, Informática, Fonética e Biologia) e irá funcionar em um prédio de 870 m².

NOTA – ASSESSORIA PSB

É preciso ouvir as pessoas…

Existe um novo paradigma no ar. A crise de representatividade no país tem gerado uma onda de incertezas ainda maior com a classe política. Por outro lado, o exercício da Política se tornou ainda mais forte, principalmente, nas redes sociais.

Mobilizações e debates online estão em voga fazendo com que as questões sociais e políticas ganhem um novo patamar de disputa. A internet possibilita que cada um se represente, uma fagulha de democracia direta que carece de qualificação. No fundo, as pessoas querem ter sua opinião levada em conta. As pessoas querem ser ouvidas.

A pré-candidatura de Valadares Filho captou com maestria esse momento histórico. Ainda no mês de abril criou as Rodas de Conversa, espaços de discussão onde se busca ouvir as propostas dos moradores de cada bairro de Aracaju. A ideia é construir uma plataforma colaborativa de governo usando a internet como suporte.

Todas as propostas ouvidas nos bairros durante as Rodas e recebidas no site www.ouvindoaspessoas.com  irão gerar a primeira wikiplataforma política de Sergipe. Um espaço que irá aglutinar o verdadeiro sentimento do povo de Aracaju, suas demandas reais e urgentes.

Mais do que um slogan, “ouvir as pessoas” é uma filosofia política alicerçada no diálogo permanente e na construção de espaços de discussão e decisão onde as pessoas sejam protagonistas.

Afinal, a cidade que queremos é feita por pessoas que tem o poder de decidir o que é melhor para suas vidas.

NOTA PÚBLICA – DEPUTADA ANA LÚCIA

Reafirmando compromisso com o combate à cultura do estupro

Em 2014, 47.600 pessoas foram estupradas no Brasil, de acordo com o 9º Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Isso quer dizer que a cada 11 minutos alguém sofreu esse tipo de violência no país.  Pesquisa do IPEA estima que 0,26% da população tenha sofrido algum tipo de violência sexual. Em Sergipe, foram notificados 537 casos de estupro em 2014. Por que se tem a sensação de que, mesmo causando tanta repugnância e indignação nas pessoas, o número de casos de violência sexual permanece alto?

A ampla divulgação nas redes sociais do caso de estupro coletivo de uma adolescente de 16 anos no Rio de Janeiro trouxe à tona um importante debate que já vem sendo feito pelo movimento feminista em todo o Brasil: a cultura doestupro. O caso revelou o quanto está cristalizado na nossa sociedade a coisificação da mulher, e como ainda é forte em nossa cultura a banalização, a naturalização e a legitimação da violência contra a mulher, seja ela sexual, física, psicológica ou simbólica.

Diante deste grave acontecimento, eu, deputada estadual Ana Lúcia, venho me somar a inúmeras vozes de mulheres, militantes feministas, e também de homens comprometidos com o fim da violência contra a mulher, que vêm denunciando a cultura do estupro e provocando o debate sobre o assunto nas redes sociais, na mídia e na opinião pública. Como mulher, feminista e militante, venho, portanto, a público repudiar não apenas o grave crime cometido contra a adolescente e as mais de 47 mil vítimas de estupro em nosso país, mas também venho reafirmar meu compromisso com o combate à cultura do estupro e a toda forma de violência e opressão cometida contra a mulher.

A cultura do estupro é fruto de um contexto de profunda desigualdade entre homens e mulheres e não diz respeito apenas ao sexo forçado em si, mas a uma série de atitudes cotidianas que, indiretamente, legitimam essa prática, baseadas, sobretudo, na concepção de que a mulher é objeto, seja de desejo, seja de controle.

É o processo de desumanização da mulher que reforça, por exemplo, a ideia de que há mulheres “com valor” e “sem valor” e de que “a mulher diz não querendo dizer sim”. Assim, o argumento que legitima o assédio é o mesmo que legitima o estupro: A concepção de que a sexualidade feminina não é de sua posse. É este mesmo princípio que permite, por exemplo, o questionamento frequente no senso comum sobre a roupa que a vítima usava ou o local onde ela transitava no momento do estupro.

O mecanismo que culpa a mulher pelo estupro faz com que ela também se sinta culpada pela violência que sofreu. Vale lembrar que, ao se atribuir a culpa do estupro à mulher, também se atribui a responsabilidade evitá-lo. Esse processo muitas vezes abre espaço para outro grave problema: o medo de denunciar. Esse medo faz com que muitos casos de violência sexual permaneçam invisíveis, inclusive nas estatísticas. De acordo com a pesquisa  Estupro no Brasil: uma radiografia segundo os dados da Saúde, do Ipea, apenas 10% dos estimados 527 mil casos de abuso sexual chegam a ser registrados no Brasil. Já a Pesquisa Nacional de Vitimização (2013) verificou que, no Brasil, somente 7,5% das vítimas de violência sexual registram o crime na delegacia.

A banalização da violência de gênero está presente não apenas nas relações sociais, mas ela é tão forte no país que, em certa medida, permeia até mesmo as instituições públicas. Exemplo disso foi a condução das investigações do estupro coletivo contra a adolescente no Rio e Janeiro, nas quais o delegado Alessandro Thiers, titular da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI) – já afastado do caso – teria questionado à vítima  durante seu depoimento, se ela tinha o hábito de praticar sexo em grupo.

Fundamental para o enfrentamento aos casos de estupro, as delegacias especializadas em crimes contra a mulher estão sucateadas e ainda são insuficientes para atender a demanda. Menos de 10% dos municípios do país têm órgãos dessa natureza. Em Sergipe, apenas cinco municípios, incluindo a capital, possuem DAGV. Outros municípios, a exemplo de Nossa Senhora da Glória, tem lutado para implantar uma delegacia específica para o tema.  

Outro aspecto que escancara a cultura do estupro no campo da institucionalidade é a existência de projetos de lei que retiram direitos da mulher e criminalizam as vítimas de violência. Um exemplo é o PL 5069/2013, de Eduardo Cunha, que dificulta a realização de aborto em caso de estupro e penaliza qualquer pessoa que oriente a mulher sobre as possibilidades legais de um aborto.

A grande mídia e a publicidade também são peça chave no fortalecimento, cotidiano, da cultura do estupro. O reforço de estereótipos, a naturalização da violência e o rebaixamento da mulher à condição de coisa e produto, atribuindo a seu corpo valor de venda, apenas reafirma e fortalece a cultura de legitimação da violência de gênero.

O discurso de ódio e a incitação da violência para conter outra forma de violência não funcionam e nunca funcionaram, embora cresça assustadoramente. Prisão perpétua, pena de morte e castração química não atacam a raiz do problema. Neste sentido, o caminho mais eficaz para se combater a cultura do estupro é atacar suas motivações, ou seja, buscar mecanismos que acabem com as desigualdades existentes entre homens e mulheres e que empodere as mulheres sobre seus próprios corpos. Para isso, são anos de caminhada de desconstrução por meio de mecanismos de educação formal e informal, principalmente os meios de comunicação e a publicidade.

É preciso que o estupro pare de ser visto como episódico e como violência praticada apenas entre um indivíduo e outro, e passe a ser reconhecido como um crime que envolve muito mais do que seu agressor direto. É preciso ensinar os homens a respeitar, e não as mulheres a temer! Só assim conseguiremos superar a cultura do estupro.

Ana Lúcia Vieira
Deputada estadual (PT/SE)

Blog no twitter:http://www.twitter.com/BlogClaudioNun

Frase do Dia
“Aquele que não ama a vida não a merece..”
Giacomo Casanova, escritor e aventureiro italiano, morreu em 04 de Junho de 1798 (n. 1725).

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais