Chapada Diamantina (BA) – Desbravando o entorno de Lençóis

0
Poço das Yaras, acima do Ribeirão do Meio, é um dos destinos que se pode chegar sem muito esforço partindo de Lençóis

Considerado um dos melhores destinos de Ecoturismo e Aventura do Brasil, os mais de 1.520km² de atrativos naturais do Parque Nacional da Chapada Diamantina englobam grutas, cavernas, cânions, lagos, poços, montanhas, cachoeiras de vários tamanhos, corredeiras e muito espírito aventureiro recheado lendas e misticismo.

Cenário perfeito para aventuras e experiências ecológicas, como caminhadas de vários dias pelos vales e montanhas, trekkings, escaladas, rapel ou momentos de relaxamento para quem quer um contato mais sutil com a natureza, a Chapada Diamantina é uma experiência que atende àqueles mais exigentes ecoturistas aos marinheiros de primeira viagem.

Lençóis é a cidade com mais infraestrutura e serviços de hotéis e restaurantes, mas é impossível falar apenas nela quando se consta os roteiros ecológicos, tendo em vista que os diferentes atrativos naturais estão também presentes em outros municípios, como Palmeiras/Vale do Capão, Andaraí/Igatu, Mucugê, Ibicoaraci, Rio de Contas, cada um com suas peculiaridades e atrativos.

O post desta semana completa o primeiro intitulado de “Lençóis (BA): mais que coadjuvante” e desbrava o entorno da cidade com dicas de duas trilhas principais: a denominada Trilha do Serrano ou da Muritiba e a Trilha da Cachoeira do Sossego.

Trilha da Muritiba passa por poços, cachoeiras, paredões, bem pertinho de Lençóis

A Chapada Diamantina é uma região de serras, situada no centro da Bahia, onde nascem quase todos os rios das bacias do Paraguaçu, do Jacuípe e do Rio de Contas. Estas correntes de águas expiram dos pontos mais altos e deslizam pelo relevo, despencando em cachoeiras, corredeiras, até transparentes piscinas naturais, contando com mais de 150 atrativos naturais catalogados.

Administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade e, alguns dos atrativos, em reservas particulares, a vegetação do Parque ostenta uma exuberante biodiversidade, composta de espécies da caatinga semiárida e da flora serrana.

Cenários de grande beleza, entre pedras, poços de águas transparentes e natureza preservada

As montanhas mais altas do Nordeste brasileiro se fazem presentes na Chapada Diamantina: o Pico do Barbado (2.033 metros), o Pico do Itobira (1.970m) e o Pico das Almas (1.958m).

O parque se situa na Serra do Sincorá, no leste do planalto, uma área de estruturas fortemente erodidas. Sua população total estimada em 2018 era de mais de 410 mil habitantes, distribuídas entre 25 municípios, sendo Seabra, Morro do Chapéu e Iraquara as três cidades mais populosas, segundo dados do IBGE.

Serrano é considerado a praia dos turistas e moradores

Considerado um dos principais destinos de turismo ecológico e ecoaventura do Brasil, a Chapada Diamantina atrai grande número de visitantes durante o ano todo e é em Lençóis seu principal centro de apoio. Pertinho da cidade, o visitante pode tirar dois dias para conhecer os atrativos no seu entorno, mais precisamente os atrativos do Parque Municipal da Muritiba (Serrano, Salões de Areia, Poço Halley, Cachoeirinha e Primavera), além do Ribeirão do Meio e da Cachoeira do Sossego.

Poços do Serrano

A poucos minutos do centro da cidade, o parque é um ótimo circuito para toda a família, considerado de baixo grau de dificuldade. O passeio mais comum tem 4,5 km de trilha (ida e volta) e tempo de duração entre três e quatro horas, ou seja, pode ser feito em um turno. Apesar de ser muito próximo da cidade, apenas o Serrano tem acesso fácil e pode ser feito sem condutor ou guia de turismo. Para as outras atrações, o ideal é ir acompanhado, já que não há boa sinalização e a trilha não é bem definida.

Caldeirões do Serrano

O primeiro atrativo da trilha da Muritiba são os caldeirões do Serrano, com direito à hidromassagem natural, além de uma bela vista da cidade. O Serrano é considerado a praia dos turistas, por ser frequentado durante todo o dia. Se tiver tempo, planeje conhecê-lo no pôr do sol.

Salão de Areia Colorida é místico

O conjunto de corredeiras forma vários poços entre as pedras, onde se pode entrar em alguns deles para um bom banho em contato com a natureza. Antigo local de garimpagem e onde foi descoberto o primeiro diamante de Lençóis, as piscinas naturais do Serrano são formações que podem ter profundidade rasa ou até mesmo atingir até quatro metros de profundidade. A tonalidade da água escura, porém, limpa é perfeita para se refrescar e relaxar com banhos de massagens nas pequenas quedas d’água.

Pedras gigantes que se desfaz em areia num simples toque

O percurso continua em meio à belas formações rochosas, onde o destaque são os paredões conhecidos como Salão de Areias Coloridas. No local, é possível ver rochas com diferentes tonalidades, de onde eram extraídas as areias coloridas para fazer artesanatos em garrafas. Hoje, o local é protegido e não há mais extração do material. É interessante notar os tons de cores e a formação arenosa das rochas que se desfazem com pouco tração entre elas.

Poço Halley é bom para banho

Depois de passar pelo Salão de Areias, a trilha segue até o Poço Halley, onde uma leve queda d’água é convite a mais mergulho. Mais à frente, quem recebe os viajantes para um delicioso banho é a Cachoeira da Primavera. A queda não é tão grande, mas caudalosa na medida certa para aproveitar sob a cascata. A tonalidade escura da água, quase como coca cola, pode causar estranhamento à primeira vista, mas a verdade é que a água é limpa e o tom escuro é resultado da grande quantidade de matéria orgânica, como folhas e galhos.

Cachoeira da Primavera

Depois de um banho na Cachoeira da Primavera, o passeio segue para o Mirante de Lençóis, de onde se tem ampla vista para a Chapada Diamantina e para a cidade de Lençóis. Mais à frente, a atração é a Cachoeirinha, em que um grande poço permite nadar em águas transparentes. Serão vários banhos durante o passeio, e, o melhor, sem grande esforço físico.

Cachoeira da Primavera
Cachoeirinha

Segundo dia – Considerada de alto grau de dificuldade, com 7km de caminhada de ida e 7km de caminha de volta, a trilha do Sossego também parte do Centro de Lençóis e é uma das mais praticadas.

Ribeirão do Meio é um SPA natural

O primeiro atrativo da trilha é o Ribeirão do Meio, uma corredeira com um grande poço de águas escuras situado no leito do rio Ribeirão, há poucos 2km do centro, e com fácil acesso para quem está na cidade. Porém é imprescindível a contratação de um condutor, por haver, por vezes, trilhas que se cruzam sem sinalização. O grande escorregador é considerado um tobogã natural, ideal para nadar e se divertir. Nos finais de semana, a localidade recebe muitos moradores, que fazem dali um atrativo.

Cachoeira do Sossego com foto de Eduardo Magiotti

Partindo pela trilha pedregosa do leito do rio, mais acima, chega-se ao denominado Poço das Yaras com paradas para banho e mais 4km acima, a Cachoeira do Sossego. A queda d’água de 20m é recomendada para banho e uma das mais belas da Chapada, porém a trilha por vezes é considerada avançada entre subidas e descidas do rio, exigindo um determinado esforço físico.

Poço das Yaras

Dicas de viagem

Todas as atrações desse roteiro têm entrada gratuita;

A dica é contratar um condutor local que pode ser feito na própria Associação da avenida 7 de Setembro ou, facilmente, em uma das agências da cidade. O preço varia de acordo com a quantidade do grupo, do roteiro e do que está incluso, por exemplo, a trilha simples de 3h pelo Serrano custa cerca de R$ 40 a R$ 80, por pessoa e inclui o Serrano, Salão de Areia, Primavera, Poço Halley, Cachoeirinha e o Mirante;

Poço das Yaras

A agência Zentur Viagens e Turismo também é uma boa opção para se contratar passeios especializados. Consulte os valores e roteiros através do número 75 99955 9482;

O custo do condutor particular para grupo de até quatro pessoas: entre R$ 150 e R$ 200. O condutor Ricardo é um bom profissional e pode ser consultado através do número 75 99935 0675;

A trilha do Sossego é realizada por agências em dois turnos e não se recomenda fazê-la sem condutor. Geralmente as agências oferecem com parada para lanche (incluso), guia credenciado, seguro viagem e uma garrafa de água mineral 500ml. O valor custa, em média, R$ 140,00 por pessoa e exige-se esforço físico;

Ribeirão do Meio

Onde se hospedar –Lençóis possui uma vasta rede hoteleira, contando com mais de 2 mil leitos, entre hotéis, pousadas, camping, hostel, albergues. Uma dica com bom custo benefício é a Pousada Canto Verde, um misto de tranquilidade e acolhimento. A pousada em sistema de chalés com rede na varanda, arte e contação de histórias dos proprietários Everaldo Barbosa em conjunto com a Cristiane, encrustada num braço de mata e pertinho do Serrano. Não poderia ser diferente: hospitalidade, aconchego e bom custo benefício. Endereço: R. da Muritiba, nº 03 – Centro, Lençóis – BA, Telefone para reservas: (75) 99900-9809.

Ribeirão do Meio

Como chegar – Localizada a cerca de 400 km de Salvador, há diversas formas de chegar à Chapada Diamantina, e grande parte delas sugere um tempo de permanência de, no mínimo, acima de três dias. Para os viajantes independentes, o acesso de carro a partir de Salvador pode ser feito pela BR-324 até Feira de Santana. A partir dali, o motorista pode decidir entre dois caminhos: ou pela BR-116 até o entroncamento com a BR-242 (Rodovia Bahia-Brasília) ou pela BA-052 até o município de Ipirá, e daí até Itaberaba. Depois desta cidade, os dois caminhos se reencontram e seguem pela BR242, até o trevo de acesso à cidade. Daí até Lençóis são apenas mais 12 km.

Gastroterapia

Carne de sol na chapa com Godó

A noites nas ruas das Pedras e da Baderna, além das praças principais da cidade são o centrinho gastronômico de Lençóis. Uma boa opção para quem quer custo/ benefício são os cafés, a exemplo do Garimpo Café. As tapiocas, os escondidinhos e os cuscuz com vários acompanhamentos, mas todos eles feitos com o carinho da D. Onete, custam a partir de R$ 11.

Café do Garimpo

Para quem quer pratos mais elaborados e a boa gastronomia, as massas do Dom Obá são de boa qualidade e variam em torno de R$ 40. Já as comidinhas nordestinas com toques de regionalidade estão presentes nos pratos do Jerimum ou do restaurante Lampião, com uma carta de cervejas artesanais fabricadas na região. A carne de sol na chapa (pedra) com purê de queijo e arroz de alho é uma das mais pedidas.

Rua da Baderna é ferveção e gastronomia
Fotos: Silvio Oliveira

Curta nossas redes sociais:

Insta      Facebook Silvio Oliveira       Tô no Mundo

Comentários