Coronelismo eletrônico

0

     Em recente nota publicada na revista Caros Amigos o jornalista Hamilton de Souza registrou que levantamento realizado pela Agência Repórter Social constatou que um terço dos senadores e mais de 10% dos deputados eleitos nas eleições 2006, para o quadriênio 2007-2010 são concessionários de emissoras de rádio e televisão. O artigo 54 da Constituição Federal proíbe que os parlamentares mantenham concessões publicas, mas a Procuradoria Geral da União tem feito vista grossa a esse abuso ilegal. Faz parte do toma lá, dá cá.

    Para alcançar o total de 27 senadores, a reportagem aproveitou o trabalho do Instituto de Estudos e Pesquisas em Comunicação (Epcom), do Rio Grande do Sul, que no ano passado divulgou uma lista que incluía os senadores que têm parentes com concessão de rádio ou/e televisão.O mesmo vale para os deputados, desta vez conforme a lista divulgada em 2005 pelo professor Venício de Lima, da Universidade de Brasília, sobre os deputados que aparecem diretamente na relação de concessionários de rádios e TVs do Ministério das Comunicações. Segundo Lima, a lista de deputados que têm parentes com concessões ainda não feita, e deve fazer o número de deputados com controle de rádio e televisão passar de 100.

  Recentemente o professor Venício Lima concedeu entrevista a revista Carta Capital falando sobre o novo livro dele, “Mídia: crise política e poder no Brasil”, que foi tratado por indiferença pela maioria da imprensa brasileira. Os textos, bastantes atuais tratam de cobertura eleitoral, Rede Globo e da relação entre parlamentares e radiodifusão.  Questionado sobre o diagnóstico que faz da mídia após as ultimas eleições Venício disse: “Em primeiro lugar, vejo que a mídia, finalmente, foi pautada como objeto de discussão. Outro diagnóstico é que a mídia está em crise. Por diversas razões, que vão da ameaça da Internet sobre o impresso até os inúmeros problemas de credibilidade, o jornalismo passa por uma crise. Quando um jornalista inventa matérias no New York Times e a cobertura da Guerra do Iraque pela Fox é contestada publicamente, é inevitável que o jornalismo seja visto com desconfiança. No Brasil, a crise de credibilidade foi agravada numa conjuntura eleitoral em que ficaram expostos seus interesses”.

  Para ele a mídia virou assunto da hora: “Como eu disse, a mídia virou assunto, de uma vez por todas. Uma expressão dessa mudança é a reação da Globo depois da matéria de Carta Capital (“A Trama que Levou ao Segundo Turno”, publicada em 18 de outubro). Ela teve de responder a críticos que, até então, eram desconsiderados. Eu critico a Globo desde os anos 80 e eles nunca responderam nada, mas, pós-eleição, até eu recebi e-mail do Ali Kamel (diretor-geral de jornalismo da Globo). O que está em jogo é a credibilidade. Eu acreditava muito na tese do (cientista político) Wanderley Guilherme dos Santos, que defendia que a grande mídia no Brasil estava blindada porque não tinha uma concorrência regional e nunca era contestada. A falta de concorrência continua, mas a cobertura da crise e das eleições fez com que a blindagem desaparecesse”.

  Outra pergunta respondida por ele foi o que se pode esperar de um ministro (Hélio Costa) representante de mídia e um Congresso cheio de donos de emissoras. “Congressistas e concessionários são uma coisa só desde que foi promulgado o Código  de Telecomunicações, em 1962. Isso é um problema seriíssimo e o quadro de deputados e senadores com concessões continua intacto. O fato de você tirar do Executivo e compartilhar o poder de concessão com o Legislativo, a partir de 1988, parecia um avanço. Mas não foi”.

  Para ele só existe uma saída para este problema: “Só com pressão da sociedade civil. Mas você imagina que alguém faça uma passeata contra as novelas da Globo? Você faz por salário mínimo, pela pensão do INSS. Mas a mídia se transformar numa questão de política pública é muito difícil. O que eu tenho esperança é que se criem condições para a formação de uma verdadeira rede pública de radiodifusão. O Ministério da Cultura tomou a iniciativa de criar um primeiro fórum nacional de tevês públicas, que pode ser o embrião da constituição de uma rede. Seria fundamental criar uma alternativa à mídia comercial. Tenho a esperança de que, no segundo mandato do Lula, se criem as condições para isso. Há, pelo menos, um reconhecimento dessa necessidade”.

 

 

Sindisan denuncia atendimento a pedidos políticos

No mais recente boletim do Sindisan foi publicada a seguinte nota: “A terceirização seja por firmas ou por prefeituras tem priorizado o atendimento de pedidos políticos em prejuízo da Deso. No povoado Curituba, em Canindé, por exemplo, existem cerca de 900 imóveis, mas a Companhia só fatura cerca de 290 ligações. Destas, quase todas são faturadas pela média por os hidrômetros estarem danificados. Lá o índice de inadimplência chega a 90%. É mole!”.

 

Ligações rurais em fazendas sem pagamento

Outra nota do boletim do Sindisan mostra como está desorganizada a Deso: “A Deso mantém ligações rurais em fazendas sem pagamento. A Companhia nem corta o fornecimento da água, nem cobra a conta. Essa situação, aliada com a sangria nas adutoras também contribui para a falta de água nas cidades. Há casos de ligações rurais que foram cortadas por falta de pagamento há mais de cinco anos e, por “desorganização” da empresa, o novo pedido de ligação é atendido. A Deso sequer exige a quitação do débito”. Enquanto isso o contribuinte que ganha pouco, se passar mais de um mês tem sua ligação cortada. Já os grandes….

 

Governadores pedem que PAC atenda a região

Em carta conjunta assinada ontem em Natal, os nove governadores do Nordeste pressionaram o governo federal a dar atenção específica à região no PAC (Plano de Aceleração do Crescimento), que deve ser lançado neste mês.A carta deve ser levada ao presidente na próxima semana.De acordo com o documento, os investimentos devem levar em conta as especificidades da região, “potencializando suas cadeias produtivas”, como biodiesel, açúcar e álcool.

 

Déda considerou positiva reunião em Natal

O governador de Sergipe, Marcelo Déda, considerou positiva a reunião entre os governadores dos estados nordestinos realizada ontem em Natal (RN). Segundo Déda, a renovação dos quadros políticos em vários estados deu condições para a região ter peso político e mostrou unidade entre os governantes. Entre os pontos abordados na reunião, o governador obteve o compromisso do Ministério da Educação em incorporar Sergipe no processo de expansão do ensino superior. Déda também afirmou sua posição contrária ao projeto de transposição do Rio São Francisco e que é necessário investimento na revitalização do rio, mas garantiu que esta discussão não pode dividir os governadores.

 

Petista manifesta posição conta a transposição

Durante a reunião, Marcelo Déda manifestou posição contrária à transposição do Rio São Francisco. “Fizemos ver ao ministro Pedro Brito e demais governadores que precisa haver um debate entre os governos federal e estaduais para colocar no foco a discussão da transposição. Não podemos deixar que este tema divida o Nordeste”.  Ainda segundo o governador, são necessários investimentos na revitalização. “Temos de abrir o debate. São necessárias obras de infra-estrutura hídrica que beneficiem os três estados doadores de água, Sergipe, Bahia e Alagoas”, afirmou Déda.

 

Rodovias paulistas não parecem que estão no Brasil

Este jornalista encontra-se em São Paulo. Na última quarta-feira foi ao município de São Carlos, distante da capital  a cerca de 240 quilômetros, em pouco mais de duas horas dirigindo por rodovias estaduais (Bandeirantes, 310 e Washington Luis) com quatro pistas, sem nenhum buraco e com limite máximo de 120 quilômetros. Todas privatizadas, com pedágios na média de R$ 5,00. Em pouco mais de quatro horas de viagem (ida e volta) não viu um acidente. A pergunta é: só viram primeiro mundo as rodovias quando são privatizadas? Se for colocar no papel a redução do gasto com o desgaste do carro, principalmente dos pneus, tempo do percurso e a redução do consumo de combustível por não passar marcha a todo o momento, compensa o pagamento dos pedágios.

 

Merenda: Iran pede investigação federal

O deputado federal Iran Barbosa, PT, solicitou ao Ministério da Educação e ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) que investiguem as denúncias sobre supostas irregularidades na compra e distribuição de 123 toneladas de carne por uma empresa de Sergipe que ganhou a licitação, via pregão eletrônico, para fornecer o produto às escolas da rede estadual. De acordo com informações do Conselho Estadual de Alimentação Escolar, o produto não chegou às escolas para compor o cardápio da alimentação escolar, fato confirmado, inclusive, por vários professores que afirmaram, em matérias veiculadas na imprensa local, que os alunos não haviam consumido a carne em questão. O pedido de investigação do caso foi feito por meio de ofícios, encaminhados ao ministro da Educação, Fernando Haddad, e ao presidente do FNDE, Daniel Silva Balaban, no último dia 10.

 

Empossada diretoria da Jucese

Em cerimônia realizada no plenário da Jucese ontem pela manhã, foram empossados pelo  secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Jorge Santana, o presidente da Junta Comercial do Estado de Sergipe – Jucese, Jose Marcos de Andrade e o secretário geral Ildácio Viana Guimarães. A cerimônia foi bastante concorrida contando com a presença de varias autoridades, amigos e familiares dos empossados.

 

Leitor que mora em Curitiba escreve sobre turismo I

“Primeiramente gostaria de parabenizá-lo pela excelente coluna, que leio diariamente. Sou aracajuano, mas hoje moro em Curitiba/PR. Estou a 01 ano e meio fora e neste intervalo de tempo visitei Aracaju umas 03 vezes. Fico impressionado que a cada visita sempre vejo alguma novidade na cidade. Noto uma cidade em constante expansão/melhoria: novas avenidas, melhora no tráfego e sinalização, obras em andamento,  hipermercados novos abertos. Mas tem algo que não dava muita importância quando morava, vai ver que é porque infelizmente “acostumamos”. É em relação ao mau cheiro por toda a região próxima ao canal que desemboca no rio, ali na 13 de julho. Foi inclusive motivo de comentário dos 03 turistas que acompanhei nestas visitas e me fez lembrar, então, quanto tempo convivemos com este problema, sem contar às pessoas que residem ali por perto e sofrem quando o canal transborda devido às chuvas ( ou não transborda mais?).

 

Leitor que mora em Curitiba escreve sobre turismo II

Respondi ao aracajuano que mora em Curitiba que o problema do mau cheiro da 13 de Julho não está relacionado às chuvas. Expliquei que existe uma estação de tratamento de esgoto da Deso vizinho à biblioteca pública e que está quebrada. Com isso quando a maré está cheia o canal também fica cheio e já viu. Sem falar que o esgoto está indo “in natura” para o rio. Uma foto aérea, tirada recentemente pelo competente fotojornalista César de Oliveira, mostrou que quando a maré está baixa fica um canal preto na extensão do rio. Adivinhe o que é, caro leitor.

 

Para leitor, conservação da orla não deve ser prioridade

Ainda sobre turismo e a orla da Atalaia: “Prioridade sim, ou melhor, prioridades. Cada área deverá ter sua prioridade. O turismo é uma área que é muito abrangente. A conservação da orla deve existir, mas não deve ser a prioridade. Tem que se pensar no crescimento do turismo em Sergipe com o aumento da quantidade de leitos e a qualificação da mão de obra, que é péssima. Não podemos viver de boa vontade. Nunca vi um mapa de Aracaju. Se para nós que moramos aqui já é complicado saber como estão os sentidos das ruas e se os retornos estão abertos, imagine para os turistas. Já li muitas vezes que devemos sair do Eixo Salvador/Maceió, o que o ônibus do turismo de Sergipe já faz. Mas se realmente sairmos para outras regiões, o que vamos fazer com os turistas quando chegarem aqui? Além do mais os preços das passagens aéreas e diárias de hotéis para o nosso estado é um absurdo. O turismo não é só economia, é educação e cultura, também.

 

Técnico político deve ser tratado como ele se apresenta

De um leitor da Sefaz: “Dias atrás tive o desprazer de ler que alguns técnicos comissionados que apoiaram e trabalharam abertamente para a reeleição do representante do PFL, estão assumindo cargos nesta nova administração. Pois bem, na Secretaria da Fazenda não é diferente, o mesmo disparate está acontecendo. Não é preciso citar nomes, pois todos têm conhecimento desse fato. O técnico que exerce a sua função como um simples servidor, deve ser valorizado pela sua competência, mas o técnico político deve ser tratado como ele se apresenta, isto é, como político. Meus parabéns a todos que têm competência para fazer amigos, pois a ideologia já não importa tanto”.

 

Terrenos públicos abandonados I

Uma lei municipal proíbe que os terrenos baldios situados em Aracaju fiquem abertos, com matos e cheios de lixo. Há muito tempo a Prefeitura não faz a devida fiscalização para que os proprietários tomem as providências necessárias. Porém, existem terrenos públicos também abandonados. Um leitor lembrou que desde que foi morar  na Rua Groelandia, Bairro América, em 1998, que existe o famoso terreno da antiga lavanderia. “Naquele ano ainda existiam os muros que logo foram derrubados pelos moradores, pois só servia de abrigo para os delinqüentes. Já se passaram 9 anos, e terreno estar aqui, nada foi feito, a não ser uma grande lixeira e um cercado onde vivem alguns cavalos que contribuem para aumentar o mal cheiro do local”.

 

Terrenos públicos abandonados II

Prossegue o leitor: “Fico indignado em ver uma área tão grande abandonada, e ainda causando problemas aos vizinhos que sofrem com mau cheiro, os ratos e outros insetos que lá se criam. Onde poderia estar funcionando algo que beneficiasse a comunidade que por sua vez necessita de uma creche ou biblioteca. A cada dia fica mais clara a falta de compromisso dos políticos com esta comunidade. No tempo que antecede as eleições não faltam candidatos que gostam do Bairro América e lideres comunitários, em cada rua tem um. Passada as eleições desaparecem todos, e os problemas continuam a nos incomodar”, lamenta o leitor que pediu também para que a coluna faça um levantamento dos terrenos públicos abandonados que existem em Aracaju.

 

Carol Assemany faz show em Aracaju

Acontecerá no dia 03/02/2007 a 1ª Feijoada com MPB – Carol Assemany, Banda e Convidados. O evento inédito busca criar vinculo, sem divisas, com talentos jovens que tenham trabalho na área de responsabilidade social, tendo em vista que parte do que for arrecadado com a venda de bilhetes, que darão acesso ao show e feijoada, será doada para alimentar o Projeto Criança Luz no Mundo do Lar Irmã Clarice, localizado no bairro Augusto Franco, nesta cidade de Aracaju. O evento será realizado no Bar Coqueiral, localizado na Passarela do Caranguejo, a partir das 13 horas. Informações sobre a artista, favor acessar o endereço eletrônico: www.carolassemany.blogspot.com/

 

Frase do Dia

“É melhor tentar e falhar que preocupar-se e ver a vida passar. É melhor tentar, ainda que em vão, que sentar-se fazendo nada até o final. Eu prefiro na chuva caminhar que em dias tristes me esconder. Prefiro ser feliz embora louco, que em conformidade viver”. Martin Luther King.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários