Crise igual a esta, o Brasil nunca viveu antes

0

Em tantos anos de existência, o Brasil certamente nunca atravessou período político mais grave como o de agora. Desde que o escândalo veio à tona, os brasileiros procuram uma saída. Mas, onde estará a luz neste fim de túnel que não se acabamais? O fato é que o governo do sr. Michel Temer está tão encalacrado que os melhores cientistas políticos relutam em apoiar uma saída.

Em menos de 48 horas o Presidente fez dois pronunciamentos à Nação – um de apenas um minuto e meio, outro de três minutos. Em ambos, uma palavra chave: “Não renunciarei”. Reclama da credibilidade que se dá a quem o gravou em mome

nto claro de corrupção explicita – e ainda está solto!, gozando das delícias de Nova York. Mas, foi o próprio governo federal – primeiro com Lula, depois com Dilma, por último com o próprio Temer – que alimentou suas indústrias, à frente o frigorifico Friboy, financiando suas indústrias com o dinheiro do BNDES. Não adianta tapar o sol com  peneira: os irmãos Batista se acostumarm a ter dinheiro fácil com o apoio à política que eles davam.

Não curtiram um minuto de cadeia, por ter levado o Brasil à situação que está hoje mas certamente o Brasil vai ficar devendo a eles a descoberta que Michel Temer, igual  todos os seus companheiros do PMDB, é tão picareta igual aos principais nomes que dominam a política nacional. Ao dar aval para os irmãos Batista continuarem financiando o escroque Eduardo Cunha – aquele que um dia foi presidente da Câmara dos Deputados – Temer tirou a carapuça: é tão bandido quanto os demais.

Mas, a saída, onde está a saída? Como Temer já garantiu que não renunciará, desconsidere-se esta hipótese? Mas há o julgamento do TSE do dia 6 de junho,  que é a anulação da chapa Dilma-Temer nas eleições do ano passado. Se a chapa for inviabilizada, restará a Temer deixar o cargo. Nas mãos de quem? Do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, ele também já enrolado em denuncias de corrupção. Escolher o futuro presidente em eleição indireta é uma temeridade porque a opinião pública não confia nem no presidente d Câmara nem no presidente do Senado.

O ex-Presidente Lula defende a antecipação das eleições diretas do próximo ano, advogando em benefício próprio. Neste caso, ele seria candidato à Presidente, esquecendo-se que não é mais um nome de conciliação nacional também por denuncias de corrupção. Não se sabe nem mesmo se poderia ser candidato. Ademais, como o mandato da chapa Dilma-Temer já passou da metade, a eleição direta é ainda mais complicada.

Como o país está paralisado é preciso encontrar uma solução o mais rápido possível. Temer insiste na tese de que, além de ter sido uma gravação clandestina que inclusive teria sido editada para obter o resultado que os irmãos Batista queriam. Peritos já analisaram a gravação e chegaram à conclusão de que houve realmente edição, mas não no que realmente interessa, ou seja, o momento em que Temer dá o aval para continuar mantendo o Eduardo Cunha com uma propina milionária em troca do seu silêncio

Em suma, o Brasil nunca viveu momentos de tensão como os de agora. Se Deus é realmente brasileiro que se aponte uma solução rápida para evitar mais sofrimento e prejuízos à Nação brasileira. Essa pobre coitada…

As juventudes de dois partidos discutem

Você pode até nem saber, mas Livres é um dos inúmeros partidos que povoam (ou infernizam)  a vida brasileira. Eles ainda não tem representantes na Câmara Municipal de Aracaju. Enquanto isso, a juventude do Livres briga com a juventude do PT. Esta acusou a juventude do Livres  de ser um legenda dos irmos Amorim. Aí o Livres emitiu uma nota oficial para dizer que “os ideais dos Amorim  se enquadram muito mais com a própria juventude do PT. E sapeca lá: “enquanto os irmãos Amorim se juntam com os petistas para barrar a privatização da DESO, o Livres advoga o fim da farra de corrupção  com a privatização da estatal”.  E vão mais longe: “Na reforma trabalhista, os petistas  e os Amorim, mis uma vez de mãos dadas, foram contra a reforma e consequentemente contra os trabalhadores! Quem realmente está caminhando ao lado de quem?”. “Nosso compromisso – diz o Livres – é com  liberdade. Nossa luta é para que o jovem possa empreender sem ser perseguido pelo estado, nossa missão é inserir o jovem no mercado de trabalho, trazer desenvolvimento ao estado e politizar nossa população”.

Audiência sem deputados

Na manhã de sexta-feira, a Assembleia Legislativa patrocinou uma audiência pública para debater a questão da água em nosso Estado. Um assunto de relevância, de importância fundamental para o desenvolvimento do Estado. Mas não havia mais do que três deputados em plenário.  As galerias da Assembleia receberam um bom público que acompanharam as discussões e os debates. Só faltou o principal: deputados.

A festa dos 66 anos da SCAS

As chuvas que caíram na tarde de sexta-feira em Aracaju motivaram a ausência de boa parte dos homenageados pela Sociedade de Cultura Artistica de Sergipe (SCAS) no coquetel comemorativo dos 66 nos de existência da entidade. Mesmo assim foi o reencontro bonito de muitos que se conheceram ao tempo em0 que a SCAS era uma referência na vida artística da cidade. Quem não pode comparecer, até por já não estar mais entre nós, foi representado por seus herdeiros. Assim, por exemplo, o jornalista Claudio Nunes recebeu uma placa destinada ao seu pai, o jornalista Célio Nunes. Amaral Cavalcante, que ainda hoje vive de fomentar a cultura sergipana, chegou quase todo molhado ao 4º andar do edifício da SCAS, na esquina da Rua de São Cristovão e Avenida Rio Branco. Um painel com fotos dos ex-dirigentes da entidade foi inaugurado na ocasião enquanto se projetavam slides de grandes espetáculos da SCAS. O atual presidente da SCAS, o ator e diretor teatral Isaac Galvão está de parabéns pelo reencontro de grandes nomes das Artes sergipanas.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários