Data Vênia

0

Ordem sem candidato. Ordem sem rumo. Ordem sem ordem.

Na última terça-feira, dia 06, quando estava no TJ/SE acompanhando um processo na 2a. Câmara Cível observei o presidente da OAB/SE, Henri Clay Santos Andrade, a desfilar pelos corredores do 

HC. Sem definição do candida da situação.

8o. andar. Trajava um terno impecável e seus cabelos grisalhos e arrumados chamava a atenção dos personagens que ali estavam. Clay sorria para todos os causídicos ali presentes, acenava para outros e distribuía sorrisos mil, ou seja, esbanjava a simpatia que lhe é peculiar. Ao primeiro instante não notei a presença de seu starf – Inácio Krauss e Aurélio Belém – apenas a de Sandro Mezzarano que é um advogado contumaz nas Câmaras. Depois encontrei ABES (Aurélio) sentado na Câmara Criminal, mais forte e menos comunicativo. Sem dúvida notei que estava triste ao contrário de uma foto postada com IK em bloquinho de carnaval em menos de 48 horas. Algo não está bem entre os caciques da Ordem!

Henri parecia está em campanha à reeleição, até porque, ninguém  

IK. Esperando uma definição concreta de HC

ouviu dele que Inácio Krauss, como o prometido em campanha, seria o seu candidato à presidência. Mantém silêncio profundo sobre o tema. No ano passado, em um jogo de xadrez mal mexido, procurou 

ABES. Triste com a falta de posição de HC sobre as eleições da Ordem.

desarticular o grupo de IK e ABES dividindo-o em dois com a finalidade de fragilizá-los. Ofereceu a ABES uma vaga no Conselho Federal como se esta fosse dele, desagradando assim os atuais conselheiros – Arnaldo Machado e Paulo Ralin. Hoje, usa a tática do tempo para ir à reeleição ou emplacar o seu favorito que pode ser Mezzarano ou Joab Ferreira. Sendo o primeiro do coração e o segundo pelo desempenho como  conselheiro e presidente da Comissão de Defesa das Prerrogativas dos Advagados. Não adiante fazer jantar de reconciliação, pois os búzios dizem que IK é a tereceira opção de HC.

A verdade é que a situação não tem candidato até o momento e rumores fortes de dentro da Praça do Mini Golfe, dão como certo o rompimento de uma facção dos “Krausídicos”, visto que, a outra já se deixou infectar pela mosca azul do porder da Ordem. Isso deve-se apenas pela má aceitação das Ordens do 

SM. O preferiodo de HC para a presidência da OAB/SE

Nordeste quanto ao nome de Clay para a OAB/Federal, seja como presidente ou secretário geral. Clay não aglutina e quando esse fenômeno acontece não vinga.

Outro objetivo que HC estaria visitando os TJ e Fóruns era a busca de apoio ao Ato Público da campanha contra o “Mero Aborrecimento”, graças a postura adotada pela nova Turma Recursal do Estado que de forma serena e justa tem dado à “… César o que é de César …”, evitando assim que as indústrias de indenizações prosperem de forma desordenada no Estado assoberbando o Judiciário. Escutei do jornalista, radialista, deputado estadual e bacharel de direito, Gilmar José Fagundes de Carvalho a seguinte frase: “… Cabe à OAB/SE procurar o meio correto para questionamentos desta natureza e não promover Ato Público”. O corajoso Gilmar Carvalho disse tudo que os advogados comedidos queriam ouvir e alguns conselheiros comentarem o fato de forma negativa, juntando-se a Gilmar e dançando a musiquinha do “pé, pé, pé da Ordem”. Salve, salve Gilmar!

Faço parte de um grupo de advogados que respeitam as decisões e quando entedem que há incorreções, procuram os meios jurídicos e instâncias superiores para que estas sejam reformadas ou não. Isso é o verdadeiro exercício do direito previsto na Constituição. Quero deixar claro ao 

JF. Destaque como conselehiro e presidente da Comissão de Prerrogativas dos Advogados, logo a segunda opc'ão de HC.

TJ/SE, principalmente à Turma Recursal que o Ato Público do “Mero Aborrecimento”, não é comungado pela grande maioria dos advogados sergipanos. Basta ver que no evento tão badalado pelas redes socias, telefones e “zaps” solicitando a presença de advogados, membros de comissões e conselhieros não alcansou nem 60 pessoas. Lastimável o primeiro “ôba, ôba” da Ordem. (Vide fotos publicadas no site da OAB/SE).

Deve sim minha Ordem amada, procurar fazer ações como a nossa vizinha Ordem da Bahia que é exemplo para o Brasil, onde os presidentes (OAB/BA e CAAB) andam de mãos dadas em prol dos advogados baianos. Em vez de atos públicos, deve HC dar assistência ao advogado do interior. Deve HC abrir salas para os advogados. Deve HC ampliar vagas para estacionamento para os advogados. Deve HC fornecer linha de crédito para os neófitos advogados montarem seus escritórios. Deve, deve e deve… Aliás, deve cumprir as promessas de sua eleição.

Comentários