Hiroshima e Nagasaki: tristes e persistentes memórias

0

Lara Lima Resende

Graduanda em História pela Universidade Federal de Sergipe (UFS/GET)

Integrante do Grupo de Estudo do Tempo Presente (GET)

E-mail: lara@getempo.org

Objetos pessoais em meio aos destroços causados pela bomba em Nagasaki. (Foto: Bernard Hoffman/The LIFE Picture Collection/Getty Images). Site: https://revistagalileu.globo.com/Sociedade/Historia/noticia/2019/08/12-fotos-historicas-lembram-o-horror-dos-bombardeios-em-hiroshima-e-nagasaki.html. Acesso em 08 de abril de 2021 às 15h06.

 

Em um episódio da série norte-americana This is Us (Este somos Nós) de David Folgeman, o personagem Mr. Manning (Brad Garret), produtor de televisão, ameaça seu funcionário, Kevin Pearson (Justin Martley), por divergências no trabalho, com a seguinte frase: “I will force to Nagasaki your life and career”. Em tradução livre, a fala significa destruir a vida e carreira do ator. Uma intimidação usando termos históricos que, no seu real acontecimento, resultaram em larga destruição e mortes.

O termo “Nagasaki” remete-se a uma das cidades japonesas alvos do ataque nuclear provocado pelos Estados Unidos em 1945. Mesmo com o fim da guerra na Europa, após o suicídio de Hitler, a rendição alemã e a saída da Itália do conflito, o Japão prolongou a guerra até o início de setembro de 1945. Com o objetivo de conquistar a China, o governo japonês, sob comando do imperador Hirohito, deu continuidade às ações de guerra na tentativa de obterem o máximo número de baixas aos norte-americanos.

No entanto, os Aliados (Estados Unidos, Inglaterra e União Soviética), nesse tempo, conseguiram conquistar territórios a partir da invasão russa na Manchúria e da guerra de Okinawa, garantindo, assim, vantagem estratégica aos Estados Unidos a fim de derrotar o Japão. Não obstante, o governo norte-americano ainda pretendia “responder” aos nipônicos quanto ao ataque de Pearl Harbor (1941), o qual resultou na entrada do país no conflito.

Visto isso, em seis de agosto de 1945, às 8h15, os EUA, sob governo de Harry Truman, deram início ao primeiro ataque à bomba nuclear da história. Seu primeiro alvo foi a cidade de Hiroshima. O ataque foi provocado pela bomba nomeada de Little Boy através do bombardeiro B-29 intitulado Enola Gay, pilotado pelo coronel Paul Tibbets. Mesmo assim, o Japão não se rendeu. Dessa forma, três dias depois, às 11h02, ocorria o segundo ataque à cidade Nagasaki. Neste, a bomba era denominada Fat Man e o bombardeiro identificado como Bockscar.

Tais acontecimentos provocaram, aproximadamente, a morte de 140 mil pessoas no primeiro dia e 74 mil no segundo. Além disso, residências, hospitais, escolas e espaços sagrados foram destruídos. Pelo forte teor radioativo da bomba, os sobreviventes, denominados como hibakusha, tiveram como consequências náuseas, queda de cabelo, sangramento, catarata, queimaduras na pele e fortes índices de tumores malignos nos pulmões, mama e tireoide.

Em dois de setembro de 1945, o Japão assinou a rendição dando fim, oficialmente, à Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Atualmente, as cidades bombardeadas têm importantes polos comerciais e industriais, além de monumentos em respeito e memória ao ocorrido fatal. Mesmo após 75 anos dos ataques, debates circundam quanto à necessidade da decisão norte-americana. Mas, sobretudo, do seu poderio e o receio mundial às armas nucleares devidas as suas consequências.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais