Marighella: eu sou brasileiro!!!!!

0

Hamilcar Silveira Dantas Junior

Professor Associado – Universidade Federal de Sergipe

Programa de pós-graduação em Cinema e Narrativas Sociais (PPGCINE/UFS)

 

Cartaz de divulgação do filme. Fonte: https://www.adorocinema.com/filmes/filme-223298/

 

Em um momento do filme Marighella dirigido por Wagner Moura, o líder revolucionário é entrevistado por um jornalista francês que questiona: “O senhor é maoísta, trotskista ou leninista?” A resposta é incisiva: “Eu sou brasileiro!” Essa é a síntese do brasileiro Marighella. Como homem, fez escolhas impossíveis: uma delas, distanciamento da esposa e do filho. Como líder político, viveu a dor da perda dos companheiros. Como brasileiro, lutou contra um regime que usurpou a liberdade, torturou e matou compatriotas.

O que o filme Marighella traz de relevante a esse momento de pouca reflexão e muito ódio no Brasil? Atesto que Marighella não é uma cinebiografia de Carlos Marighella (5/12/1911 – 4/11/1969). A decisão de Wagner Moura foi recortar o filme para o período entre maio de 1964 até sua morte, anos de intenso combate contra a ditadura.

Para conhecer Marighella, vão à biografia Marighella, o guerrilheiro que incendiou o mundo, de Mário Magalhães (2012), ou aos notáveis documentários: Marighella: retrato falado de um guerrilheiro, de Silvio Tendler (2001); Carlos Marighella: quem samba fica, quem não samba vai embora, de Carlos Pronzato (2011), e Marighella, de Isa Ferraz (2012).

Mas se esse filme não é para conhecer Marighella, de que serve? Primeiro, pelo espetáculo cinematográfico. O filme é dinâmico, roteiro enxuto, bela fotografia das cenas externas e um tom claustrofóbico nos interiores, sequências que remetem ao gênero de ação. Taxativamente, o filme serve para sentir Marighella! Para experimentar Marighella! Pulsar com Marighella!

As interpretações viscerais de Seu Jorge, Humberto Carrão, Bella Camero, Bruno Gagliasso, Anna Paula Bouzas e Luiz Carlos Vasconcelos traduzem toda a potência do filme e da luta que movia essas personagens. A dinâmica aflitiva das movimentações de câmera, das ações revolucionárias e repressivas vão contrastando com a singeleza de cenas com seu filho Carlinhos, Clara, sua esposa, e os amigos de luta armada.

Tal contraste lateja nos olhos vermelhos de fúria de Seu Jorge, que nos rasgam a alma por sua dor, demonstrando a humanidade daquele sujeito imperfeito: severo, mas um doce poeta, acolhedor das dores dos companheiros e companheiras, temeroso das escolhas dos jovens, pai que ensina o filho a “respeitar as meninas”.

Após o ciclo de violência que culmina com seu assassinato, mergulhamos com Carlinhos na tranquilidade do mar em que aprendeu a nadar com o pai. A voz de Gonzaguinha soa para lembrar a: “memória de um tempo onde lutar por seu direito é um defeito que mata! São tantas lutas inglórias. São histórias que a história qualquer dia contará”. Wagner Moura e sua equipe contam com louvor! Enquanto brasileiro, professor, esposo, pai, senti Marighella, pulsei com Marighella, chorei com Marighella. Entendo necessário honrar aqueles homens e mulheres de coragem.

Uma forma de honrar está na cena pós-créditos do filme! Assistam e vibrem! Precisamos recuperar não apenas a direção política do país, mas os símbolos usurpados pela hipocrisia dos “patriotas” que louvam a tortura e a morte! Pulsemos com Marighella!

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais