Mídias sociais: diagnóstico inicial

0

Por conta da relevância corporativa do tema e do volume cada vez maior de empresas atuando nelas, as mídias sociais têm sido pauta da nossa coluna já há duas edições. No post desta semana, vamos continuar abordando o assunto, trazendo um recorte essencial para o gestor que deseja otimizar as chances de sucesso nestes canais: o diagnóstico inicial.

Para qualquer ação de Marketing, seja no meio digital ou não, estabelecer previamente o que se deseja alcançar é fundamental. Isto integra a etapa do planejamento e ajuda a prever possíveis oportunidades ou percalços que podem surgir no caminho. Abaixo, seguem 10 perguntas simples (mas altamente eficazes) para auxiliar no direcionamento dos esforços. Boa avaliação… E resultados ainda melhores!

1) O que será comunicado?
Por mais óbvia que pareça, esta informação nem sempre é definida com clareza pela empresa, o que pode gerar dúvidas não apenas para a equipe que fará os posts, mas principalmente para o internauta. Por isso, especificar qual assunto, exatamente, deverá ser comunicado é a primeiríssima etapa a ser cumprida. Afinal, o próprio teor da mensagem pode impactar – e muito – as escolhas do gestor. Se o foco for algo relacionado à moda, por exemplo, contar com imagens faz toda a diferença para a publicação. Já se o tema for uma nota de viés meramente burocrático, um texto puro pode cumprir bem a missão.

2) Para quem será comunicado?
A depender do público, a mensagem, a mídia social escolhida e uma série de outros detalhes podem mudar completamente. Se o alvo forem mulheres das classes A e B, por exemplo, mídias como o Instagram se tornam interessantes, por conta da forte adesão deste perfil a esta mídia. Já se o nicho forem executivos, o Twitter e seus 140 caracteres podem ser uma opção mais atraente.

3) Quem comunicará?
Não importa quantos integrantes a sua equipe tem. Mesmo que mais de uma pessoa possa cumprir a missão de publicar os posts nas mídias sociais, encarregue oficialmente apenas uma delas desta função (afinal, como já diz o famoso provérbio português, “cachorro de dois donos morre de fome”). Assim, todas as ações ficarão devidamente centralizadas num único responsável, que, mesmo podendo delegar a execução de parte das tarefas, assumirá a íntegra da responsabilidade pelas mesmas.

4) Como será feito o monitoramento?
Uma vez que a sua empresa se lançar nas mídias sociais, é preciso monitorar, de forma permanente, o desenrolar de cada conteúdo. Só assim você terá condições se saber se a repercussão tem sido positiva, negativa ou neutra, colocando em prática novas ações para reforçar ou estancar o impacto das iniciativas anteriores. Lembre-se: sem este acompanhamento, torna-se impossível saber se uma determinada ação está dando lucro ou prejuízo (e isto não necessariamente apenas no aspecto financeiro, mas também em termos de custo de tempo, imagem e demais afins). Por isso, monitore. Sempre! Isto pode ser feito através de programas desenvolvidos especificamente para este fim (a exemplo do Scup – www.scup.com) ou até mesmo por meio de lançamentos em planilhas do Excel.

5) Quem fará o monitoramento?
Da mesma forma que foi estabelecido o responsável por fazer o comunicado em si, defina também o profissional que ficará encarregado de monitorar as mídias. Nada impede, inclusive, que uma mesma pessoa cumpra os dois papéis. Porém, é preciso ter esta definição de forma igualmente clara, a fim de assegurar que a atividade será, efetivamente, colocada em prática.

6) Qual o objetivo?
Estabelecer os resultados que são esperados com cada ação é altamente importante para uma avaliação posterior. A meta foi atingida na íntegra ou apenas de forma parcial? Valeu realmente a pena ter colocado a iniciativa em prática ou não? Respostas para perguntas como estas somente serão possíveis se houver um parâmetro de comparação. Além de ser crucial tornar evidente para toda a equipe o “ponto” exato que se deseja alcançar, para que todos possam direcionar seus esforços de forma conjunta e assertiva.

7) Qual a maturidade do assunto nas mídias sociais?
Não é porque um determinado assunto é novidade para a sua equipe que ele necessariamente também o seja nas mídias sociais. Talvez, o que é novo para você já esteja sendo debatido – e à exaustão –, há um bom tempo, nestes canais. Por isso, antes de começar uma nova ação, certifique-se da eventual repercussão prévia deste tema, a fim de abordá-lo com o ‘timing’ certo.

8) Qual a maturidade da empresa no uso de mídias sociais?
Lembre-se: o fato de o seu vizinho passar o dia inteiro nas redes sociais não o torna, por tabela, um bom ‘gestor digital’. Ele pode até conhecer a íntegra das funcionalidades e valer-se bem delas, mas é preciso um conjunto bem mais robusto de qualificações para encabeçar as atividades da sua empresa nas mídias sociais. Ter um excelente trato com pessoas, por exemplo, é algo fundamental. Idem para a capacidade – e autonomia – de eleger prioridades (afinal, qual comentário deixado por clientes deverá ser respondido primeiro: um positivo ou um negativo?) e um bom português, entre diversos outros pré-requisitos.

9) Qual a capacidade da empresa em participar das mídias?
Aqui, a regra é simples: só crie uma página numa mídia social se – e somente se – você for mantê-la constantemente atualizada. Ninguém tem uma boa impressão ao acessar um blog, por exemplo, e constatar que o último post data do ano passado. O mesmo ocorre em fan pages cujas publicações são demasiadamente espaçadas – como apenas uma por mês – e afins.

10) O que os concorrentes têm feito nas mídias sociais?
Assim como no mundo físico, é importante se diferenciar da concorrência também na esfera virtual. Por isso, procure fazer ações com maior impacto e relevância, capazes de gerar engajamento superior. Para ver o que os concorrentes têm feito na web, é fácil: basta visitar suas páginas nas redes sociais, buscar (até mesmo através do Google) por algum blog que eles mantenham, canais no Youtube e demais afins. Programas de monitoramento de mídias sociais facilitam ainda mais este trabalho (relembro a dica do Scup). E, se a empresa contar com um bom site institucional, certamente, todas estas informações estarão centralizadas lá. Que tal dar ‘aquela espiadinha’?

Leia também:
Mídias sociais: algumas ações possíveis
Mídias sociais: como trabalhá-las corporativamente
Facebook: seus fãs são realmente o público certo?
Facebook: identificando o perfil do fã (parte 2)
Como calcular o engajamento da sua fan page
LinkedIn: como aumentar os acessos ao seu perfil (1)
LinkedIn: como aumentar os acessos ao seu perfil (2)
LinkedIn: novas ferramentas otimizam engajamento
5 dicas para o sucesso nas redes sociais profissionais
Pelos poderes do seguidor

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários