MUDA A HISTÓRIA

0

O fato de um deputado federal que integra a base de Governo disputar a presidência da Câmara Federal contra o candidato oficial, não é novidade no legislativo brasileiro. Mas a vitória de um cidadão que ganhou as eleições contra um poder que domina com mão de ferro, é um fato que merece reflexão. Severino Cavalcante (PP) presidente da Câmara Federal pode servir de lição para os chefes de executivos municipais, estaduais e federal, de que o legislativo está começando a mostrar que é um Poder em condições de impor respeito e se sobrepor quando se sente acuado. Evidente que há uma reclamação generalizada quanto a forma do Planalto tratar os parlamentares, mas o mérito dessa vitória é que a maioria dos deputados, boa parte deles integrante da base de Governo, elegeu um candidato que não saiu do bolso do colete do Executivo.

 

Evidente que Severino Cavalcante – sem nenhum preconceito – não passa a segurança de que será um presidente à altura da Câmara Federal. Mas, com a sua experiência, foi em busca daqueles parlamentares que vivem nos fundos do plenário, que não participam das decisões e que geralmente não são ouvidos pela cúpula decisiva de Brasília. O chamado baixo clero, que acolhe a maioria dos deputados. Com um discurso voltado para o que se pode chamar de excluídos, Severino derrubou o mineiro Virgílio Guimarães (PT) e nocauteou o candidato do Planalto, Luiz Greenhalgh (PT) no segundo turno. Foi uma festa. Afinal o legislativo mostrou ao executivo que tem condições de escolher o seu presidente, sem a interferência das assessorias oficiais e sem receio das pressões que podem vir como resposta imediata aos rebeldes. Aliás, isso é possível que sim e provável que não, porque resta ao executivo se dobrar às evidências dos fatos, assimilar a derrota e corrigir os erros que vem cometendo com os parlamentares.

 

A vitória de Severino também pode – e deve – servir de incentivo a todos os integrantes do poder legislativo, em todos os níveis, para que tomem consciência da força que acumulam e que têm condições de tratar o poder executivo em tom de igualdade. Em entrevista a uma emissora de televisão, o presidente Severino Cavalcante disse uma coisa que tem um certo fundamento: “um deputado não pode ficar dependendo da boa vontade de ministros e assessores do Governo”. Está certo. Afinal o parlamentar é uma autoridade constituída, enquanto o ministro é autoridade nomeada e pode voltar à condição de cidadão comum, dependendo do humor do presidente. O exemplo serve para os municípios e estados. Dentro dessa visão e com a força do poder que tem em conjunto, o parlamentar deveria se impor mais, se fazer respeitar, dignificar o poder. Na dá para ser um fantoche de um outro poder, apenas para satisfazer a interesses pessoais ou a benefícios que lhe proporcionem um retorno qualquer, seja financeiro, eleitoreiro ou participativo da divisão do bolo, com objetivos meramente fisiológicos.

 

O legislativo sempre foi excessivamente permissivo, para um executivo exageradamente autoritário e arrogante. Coisa, aliás, que não se esperava de um Governo, em cuja campanha aparentava que teria um tom popular, mas que após a consumação da vitória elitizou o seu projeto administrativo e copiou o modelo neoliberal que tanto combateu. O poder legislativo também é o mais aberto, o mais vulnerável às críticas e, paralelamente, o que menos se impõe junto aos demais poderes. É tão servil que até um poder paralelo, como os tribunais e contas, tem mais força e representatividade. A vitória de Severino Cavalcante pode ser um alerta, um toque na sensibilidade das representações parlamentares, um chamado ao respeito e dignidade, para que o legislativo seja tratado com a força que tem e com a capacidade de representar o povo que o elegeu, sem se deixar manusear pela prepotência e dominação do executivo e judiciário. Só um poder assim, que tenha legitimidade e a exerça em sua plenitude, é digno de representar o povo de um país que deseja um município, um estado e um país melhor.

 

A subserviência, por interesses inconfessáveis, não tem sido um modelo adequado para um poder que representa a sociedade. 

 

 

D. MARIA

A senadora Maria do Carmo Alves (PFL) potencialmente é candidata a reeleição, mas diz que política é dinâmica e se faz com os fatos do momento. Ela considerou muito cedo falar nesse assunto, porque acha que muita coisa ainda vai acontecer em termos de estado e de país.

 

CONVERSA

Os deputados Heleno Silva e Mardoqueu Bodano, do PL, Jorge Alberto e Marcos Franco, do PMDB, conversaram ontem, pela manhã, demoradamente. Analisaram o quadro político de Sergipe e fizeram projeções de parcerias para as eleições de 2006. O encontro foi considerado proveitoso por todos.

 

REFORMA

Para o deputado Jorge Alberto nada se evolui sem uma decisão de Brasília quanto à reforma política, prorrogação de mandato ou verticalização. Mesmo assim, na reunião da manhã, discutiram a formação de um outro grupo político, com a participação de mais dois ou três partidos pequenos.

 

COMPOTAS

Para mostrar que o rio tem água suficiente, o presidente Lula autorizou a abertura das compotas das hidrelétricas e as águas represadas desceram em enxurrada. Tudo isso com o objetivo de realizar a transposição. Em Própria, ontem, as águas do rio subiram, o que não acontecia há muitos anos.

 

ANEURISMA

O ex-deputado Raimundo Vieira (Mundinho) foi submetido a uma cirurgia, ontem, no São Lucas, para a retirada de um aneurisma cerebral. Passa bem. Há uma semana que Mundinho sentia dores e o médico de outro hospital diagnosticou sinusite. Com a tomografia foi que se chegou ao aneurisma, que já estava se rompendo.

 

TV-CIDADE.

A empresa Torre está querendo montar um potente esquema de comunicação em Aracaju. Depois de comprar a Liberdade AM, tentou adquirir a TV-Cidade. Na opinião de um político influente, a empresa se prepara para participar das eleições estaduais de 2006.

 

OBJETIVO

Um dos objetivos da Torre é manter um sistema de comunicação eficiente nos estados onde tem atua como empresa e tem interesses políticos. A Torre já tem uma emissora de televisão e uma AM em Camaçari (BA) e adquiriu a Liberdade AM em Aracaju.

 

GILMAR

Circulou a informação de que o radialista Gilmar Carvalho, que hoje está na Sergipe-FM, seria contratado pela Liberdade AM. Gilmar desmentiu. Disse que apesar de gostar de AMs está se sentindo muito bem na emissora que se encontra.

 

PARCERIA

O ex-secretário da Saúde, Eduardo Amorim (PFL), será candidato a deputado federal e fará dobradinha com José Teles de Mendonça (PSDB) para estadual. A expectativa é que os dois saiam de Itabaiana com 18 mil votos. Se por alguma hipótese Eduardo não queira ser candidato, o seu irmão, empresário Edvan Amorim vai para federal.

 

PARTIDO

O deputado Gilmar Carvalho (sem partido) assina, segunda-feira (28), ficha de filiação no PSB, porque a Assembléia Legislativa está definindo as posições nas comissões. Ontem pela manhã o deputado conversou com o senador Valadares e seu colega Belivaldo Chagas, decidindo a filiação, que acontecerá na sede do partido.

 

VALADARES

O senador Antônio Carlos Valadares (PSB), em conversa com amigos, revelou que esperou quase um ano para ser atendido em audiência pelo ministro da Saúde, Humberto Costa. Esse tratamento de ministros com parlamentares tem provocado um certo distanciamento entre o Governo e os parlamentares.

 

ANALISA

O deputado federal João Fontes (PDT) disse que vai ver como o seu partido fica na Assembléia Legislativa e lembrou que alguns deputados querem permanecer no partido. João Fontes agendou conversa com o deputado Gilmar Carvalho e teve um encontro com o vereador Fábio Henrique (PDT).

 

MAJORITÁRIA

João Fontes também garantiu que o PDT terá um espaço forte nas eleições estaduais de 2006, inclusive com uma chapa majoritária competitiva, em busca do Governo e Senado. Dia 18 de março o PDT terá o seu primeiro programa de televisão tendo sob a presidência estadual do deputado João Fontes.

 

Notas

 

SUPLENTES-1

Os suplentes de vereador Fabrício Cardoso (Estância) e Gilberto (N.S. da Glória) viajam a Brasília, na próxima semana, para participar de encontro com o presidente do Senado, Renan Calheiros e da Câmara, Severino Cavalcante, para tratar sobre ações para manter o número anterior de vereadores nos municípios. Querem que Renan e Severino falem com o presidente do STF, Nelson Jobim, para que sejam votadas as Ações Diretas de Inconstitucionalidade (Adins) contra a medida que reduz o número vereadores em todo o país.

 

SUPLENTES-2

O senador Antônio Carlos Valadares (PSB) é quem vai acompanhar os vereadores na audiência com o presidente do Congresso Nacional, Renan Calheiros, para que ele atenda à reivindicação e converse com o ministro Nelson Jobim. O PSB, ao lado do PP e PDT, entraram com as Adins no STF. O deputado federal Cleonâncio Fonseca (PP) também se prontificou a acompanhar os vereadores ao presidente da Câmara, Severino Cavalcante, com o mesmo objetivo. A audiência na Câmara ainda não foi marcada.

 

SUPLENTES-3

A medida do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para reduzir o número de vereadores teve o objetivo de reduzir gastos, depois de uma análise da proporcionalidade da representação do eleitorado. O que os suplentes alegam é que os recursos para as Câmara Municipais não foram reduzidos e não houve economia. Como alegam todas as Adins que tramitam no Supremo, a medida é inconstitucional, porque a redução só seria possível através da Lei Orgânica dos Municípios. Os suplentes estão animados para assumir o mandato.

 

É fogo

 

Todos os membros da bancada federal estão retornando hoje a Brasília para as sessões plenárias da Câmara e Senado.

 

O prefeito Marcelo Déda (PT) vai brindar Aracaju, no dia do seu sesquicentenário, com a apresentação de um show com grandes nomes da música brasileira.

 

O vereador Elber Batalha Filho (PSB) é um dos nomes cotados para ser o líder do prefeito na Câmara Municipal.

 

O secretário de Articulação Política, José Alves Neto, tem um período puxado de trabalho, atendendo a políticos da capital e interior.

 

O ex-prefeito de Itabaiana, Luciano Bispo, depois de alguns dias no Rio de Janeiro, retornou para comandar a oposição em sua cidade.

 

O deputado Augusto Bezerra intensifica a mobilização de vários segmentos da sociedade para o grande protesto em favor da revitalização do rio São Francisco.

 

Augusto Bezerra, com outros parlamentares, está querendo fechar a BR-101 para sensibilizar o Governo a reexaminar o projeto de transposição.

 

Muita gente tem aproveitado a lagoa da nova orla para tomar banho. É bom que o Dehop adote algumas providências.

 

Luiza Ribeiro será mesmo candidata a deputada estadual por Lagarto, com o apoio do tio José Ribeiro.

 

A Vivo pode oferecer Celular pós-pago a menos de 100 reais e com pacote mensal de 30 reais pelos competidores.

 

O Governo dia a decisão de acabar com a extração e uso de amianto, matéria prima utilizada na produção de telha e caixas d’água, que comprovadamente faz mal à saúde.

 

O transporte clandestino continua infernizando a vida das autoridades de trânsito em Sergipe, principalmente no interior.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais