MUSIQUALIDADE, por Rubens Lisboa

0

M U S I Q U A L I D A D E

 

 

R E S E N H A     1

 

Banda: OS PARALAMAS DO SUCESSO

CD: “BRASIL AFORA”

Gravadora: EMI

 

“Brasil Afora” é o título do terceiro CD de canções inéditas da banda Os Paralamas do Sucesso lançado após o acidente de ultraleve que, até hoje, deixou sequelas físicas e emocionais no seu vocalista Herbert Vianna.

Lançado pela multinacional EMI e com uma tiragem inicial de vinte mil cópias (quantidade respeitável no atual panorama de vacas magras), o novo trabalho traz, em suas onze faixas, o som característico do grupo, também composto por João Barone na bateria e Bi Ribeiro no baixo (o qual mistura ska com batidas de reggae), que vem conseguindo se manter em alta no mercado desde o seu surgimento na década de oitenta, junto com várias outras bandas que contribuíram para o estouro do rock nacional.

Os Paralamas já lançaram discos muito bons, como é o caso, por exemplo, de “Severino”, “Os Grãos” e “Big Bang”. Sempre com um repertório calcado no talento de Herbert como compositor, os rapazes possuem diversos sucessos em sua discografia (“Óculos”, “Meu Erro”, “Alagados”, “Lanterna dos Afogados” e “O Beco” são alguns deles). Herbert, aliás, já teve composições suas gravadas por grandes nomes da nossa MPB, tais como Zizi Possi, Cássia Eller, Marina Lima, Cazuza e Gal Costa, dentre outros.

O CD recém-lançado infelizmente não conta com os lampejos criativos de outrora. Não é que sejam canções ruins, até porque a produção esperta e antenada do sempre competente Liminha termina conseguindo, em certas passagens, tirar leite de pedra, mas a real é que a maioria das faixas termina soando como “mais do mesmo”.

Gravado no estúdio Ilha dos Sapos, em Salvador (BA), de propriedade de Carlinhos Brown, o disco se sustenta muito pelo balanço alcançado e realçado com a ajuda de azeitados metais. A maioria das músicas é assinada pela própria banda e entre elas se destacam a pulsante “Aposte Em Mim” e a pseudonordestina “Mormaço” (tributo a João Pessoa, cidade natal de Herbert) que conta com a participação especial de Zé Ramalho nos vocais. Outro que comparece como convidado é o já citado Brown na canção “Sem Mais Adeus” (parceria sua com Alain Tavares), talvez a canção com maiores chances radiofônicas dentre as ora apresentadas, muito embora a gravadora tenha escolhido como faixa inicial de trabalho a razoável “A lhe Esperar” (assinada por Arnaldo Antunes e Liminha). Brown comparece ainda, agora assinando ao lado do parceiro Michael Sullivan, com “Quanto ao Tempo”. No repertório, há ainda uma versão de Herbert para tema de Fito Paez (“El Amor”, o momento mais introspectivo do álbum).

Herbert Vianna possui, de fato, um timbre personalíssimo, embora sua voz não seja exatamente talhada para o canto, o que, no entanto, se resolve perfeitamente no estúdio, como se depreende do resultado final do trabalho. Barone e Bi, por sua vez, confirmam serem músicos excepcionais, executando com destreza os seus instrumentos.

É bastante salutar que a banda continue produzindo coisas novas. Ainda que o novo CD não esteja entre os melhores já lançados por eles, os três parecem saber que o que não se deve fazer mesmo é se acomodar… Em frente!

 

 

R E S E N H A     2

 

Cantores: VÁRIOS

CD: “SAMBA SOCIAL CLUBE – Volume 2”

Gravadora: EMI

 

No finalzinho do ano passado, a gravadora EMI pôs no mercado o volume 1 do projeto Samba Social Clube (tanto em CD quanto em DVD). Trata-se do registro ao vivo de show realizado, no mês de julho de 2008, por diversos nomes da nossa música popular brasileira na Fundição Progresso, no Rio de Janeiro. As apresentações ocorreram em duas noites e foram geradas a partir do homônimo programa de rádio que integra a programação da emissora carioca MPB FM 90,3. Naquele primeiro produto, Zeca Pagodinho, Luiz Melodia, Lenine, Alcione e Fernanda Abreu, entre outros, emprestaram suas vozes para os sambas “É Preciso Muito Amor”, “Tristeza”, “Esperanças Perdidas”, “Mormaço” e “Salve a Mocidade”, respectivamente.

O segundo volume da salutar iniciativa chegou recentemente às lojas trazendo, no novo CD, mais quatorze boas canções interpretadas por artistas que têm, de uma forma ou de outra, seus nomes ligados ao mais tradicional dos gêneros musicais brasileiros (o DVD traz mais quatro números que são: “A Tonga da Mironga do Kabuletê” com Elza Soares, “Conselho” com Moyséis Marques, “Água na Boca” com Sandra de Sá e “Saudades da Guanabara” com o quarteto formado por Ana Costa, Anna Luisa, Nilze Carvalho e Moacyr Luz). Alguns deles também figuraram no volume inicial, caso de Beth Carvalho (que, à vontade, agora mostra a pouco conhecida “Amor de Verdade”, de Flávio Moreira e Liete de Souza), Teresa Cristina (dando vida à espontânea “Na Beira do Mar”, de Garcia do Salgueiro) e Roberta Sá (sempre brilhante, agora pondo sua melodiosa voz a serviço de “Meu Sapato Já Furou”, de Mauro Duarte e Elton Medeiros). Nessa mesma condição também aparecem Leci Brandão (em “Do Jeito Que o Rei Mandou”, de João Nogueira e Zé Catimba), Diogo Nogueira (em “Coisa de Pele’, de Jorge Aragão e Acyr Marques) e o grupo Fundo de Quintal (em “Mel e Mamão com Açúcar”, de Wilson Moreira e Nei Lopes). Grande sacada foi colocar dois excelentes criadores de sambas, no caso, Jorge Aragão e Arlindo Cruz, cantado músicas de outros compositores. Ambos se saíram muito bem nessa empreitada, pois enquanto Aragão conferiu certa leveza à obra-prima “Vai Passar” (de Chico Buarque e Francis Hime), Arlindo conseguiu conferir insuspeitáveis novas tintas a “Meu Laiá-raiá” (canção mediana da lavra de Martinho da Vila).

E outros nomes de responsa vieram se juntar a esse respeitável time que, se não apresentou grandes destaques, teve o mérito de fazer com que o resultado soasse homogêneo e agradável. Assim, também se fizeram presentes Gilberto Gil (numa versão inédita em sua voz da conhecida “Amor Até o Fim”, dele próprio, adotando um andamento mais lento), Dudu Nobre (em feliz releitura da ótima “Ninguém Tasca”, de Mário Pereira e João Quadrado), João Bosco (apropriando-se com estilo de “Tudo Se Transformou”, de Paulinho da Viola) e o grupo Casuarina (relembrando um grande momento de Benito di Paula com o romantismo poético de “Retalhos de Cetim”). Completam o repertório desse trabalho dirigido por Ricardo Moreira e Paulão 7 Cordas o samba baiano “Besta É Tu” (de Moraes Moreira, Pepeu Gomes e Galvão, rememorado pela banda Moinho – que tem a também atriz Emanuelle Araújo como vocalista), e a politicamente incorreta “Eu Bebo Sim” (de Luiz Antônio e João do Violão) em deliciosa interpretação de Serjão Loroza.

Para quem gosta de samba (e quem não gosta ou é ruim da cabeça ou é doente do pé), trata-se de um prato cheio!

 

 

 

N O V I D A D E S

 

·                     O Mawaca é um grupo formado por seis cantoras que vem lançando regularmente bons trabalhos temáticos. Tendo à frente a incansável Magda Pucci, realiza farta pesquisa musical, sendo bastante conceituado no mercado estrangeiro. Chegou recentemente ao mercado o novo CD do grupo, desta feita voltado para os sons indígenas brasileiros. Intitulado “Rupestres Sonoros”, o álbum apresenta uma dúzia de faixas pinçadas entre farto material consultado e resgata traços de uma cultura que não pode ser esquecida. Muito legal!

 

·                     Zeca Pagodinho é o convidado especial do segundo CD da cantora Mariana Aydar que chega às lojas ainda este mês. Caetano Veloso escreveu a apresentação do trabalho para a imprensa.

 

·                     No rastro da boa receptividade obtida com o lançamento de seu primeiro CD, Mallu Magalhães acaba de pôr no mercado o DVD que resultou do registro ao vivo de show feito no Na Mata Café (SP) em outubro de 2008. São vinte e quatro canções (três delas surgem apenas nos extras) arrumadas em um repertório prioritariamente cantado em inglês. Destaques para “It Ain’t me, Babe” (de Bob Dylan) e “Folsom Prison Blues” (de Johnny Cash).

 

·                     O aguardado DVD que Ivete Sangalo tencionava gravar no Madison Square Garden, em Nova York (EUA), cuja previsão inicial era para o segundo semestre deste ano, foi adiado para o próximo ano. Em 2009, a baiana lançará apenas o novo CD que já se encontra gravado. Intitulado “Pode Entrar”, o álbum contará com a participação de vários convidados especiais, entre eles Maria Bethânia, Marcelo Camelo e Vanessa da Mata e será lançado ainda neste primeiro semestre.

 

·                     Mesmo envolvida com outros projetos, Fafá de Belém resolveu retornar à obra de Chico Buarque (há quatro anos ela lançou o CD “Tanto Mar”, contendo somente canções dele) para gravar um DVD recentemente registrado em concorrida apresentação. Intérprete visceral e vigorosa, Fafá resgata temas atemporais como “Olhos nos Olhos”, “As Vitrines” e “Mulheres de Atenas”, dentre outros.

 

·                     Está confirmado que o show que a gaúcha Adriana Calcanhotto vem realizando com base no repertório de seu último CD (“Maré”) será lançado brevemente em DVD. A surpresa do repertório será a inclusão da canção “Vidro Fumê” (de Carlos Colla e Kaliman Chiappini), gravada originalmente pelo cantor Ricky Vallen e que fez parte da trilha sonora da recém-finda telenovela global “Negócio da China”.

 

 

RUBENS LISBOA é compositor e cantor


Quaisquer críticas e/ou sugestões serão bem-vindas e poderão ser enviadas para o e-mail: rubens@infonet.com.br

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais