O 1º de Maio e a Justiça do Trabalho – Cezar Britto

0

O Ministro Ronaldo Lopes Leal, na condição de presidente do TST, tem afirmado, em várias manifestações públicas, que o Direito do Trabalho deveria funcionar como anteparo de proteção à exploração do homem pelo próprio homem, na sintética concepção de que o arrimo ao trabalhador é o oxigênio que faz respirar e manter viva a Justiça do Trabalho. Mais ainda, que para atingir a missão constitucional de fazer avançar a Justiça seria preciso apostar e aprofundar as convergências, eliminar vaidades ou posições preconcebidas, mantendo, para isso, um diálogo ativo com a OAB, o Congresso Nacional e a imprensa.

Neste iniciar de maio é uma boa notícia o compromisso do novo presidente do TST, mesmo porque cabe à Justiça do Trabalho a missão gloriosa de primeiro acolher a vítima da desigualdade e do abandono social. É ela quem melhor sabe que é enganosa a propaganda de que afirma ser o Brasil é o país da igualdade social. É ainda quem primeiro compreendeu, no âmbito do Poder Judiciário, que os trabalhadores não deveriam receber tratamentos contratuais e processuais idênticos aos concedidos aos detentores do capital. E o faz acertadamente, pois não se pode falar em igualdade de condições com índices sociais alarmantes e que permitem nos comparar aos países africanos, assim como em liberdade contratual se ainda trabalho escravo e a exploração mão-de-obra infantil ainda campeiam impunes, tampouco em fraternidade se os salários ainda são definidos pela cor ou gênero do contratado.

Realmente este primeiro de maio tem um sabor diferente para a Justiça do Trabalho. É que aparentemente caiu de moda o que era um grande sucesso durante o “Reinado FHC”.  Naquele tempo era “charmoso” pregar extinção da Justiça do Trabalho, defender a flexibilização da sua razão de ser ou mesmo se vangloriar de sua privatização através das chamadas Comissões Prévias de Conciliação. Era a época em que seus súditos mais fieis diziam que a Justiça do Trabalho praticava um direito menor, sem qualificação, fora do contexto do mundo globalizado e impeditivo do livre desenvolvimento do Brasil. Compreendiam estes senhores que o direito ao trabalho era um mero  fator econômico, um pequeno detalhe inserido nos custos de produção. Não mais fator de dignidade humana, constitucional e socialmente valorizado, fundamental para erradicar a pobreza e a marginalização, assim como reduzir as desigualdades sociais e regionais. 

O tempo, o velho senhor da razão, demonstrou o quanto estavam errados os senhores do neoliberalismo.  A Justiça do Trabalho é agora compreendida como uma via democrática que não tem mais volta, especialmente depois que o Congresso Nacional promulgou Emenda 45, pacificada por várias decisões do Supremo Tribunal Federal. O tempo revidou os ataques sofridos no passado, fazendo a Justiça do Trabalho ganhar novas e abrangentes competências. O Brasil de hoje reconheceu que os índices alarmantes de desigualdade, o trabalho escravo e o trabalho infantil exigem uma Justiça especializada na solução do conflito capital-trabalho, claramente compromissada com a sua função social.

É bem verdade que a Justiça do Trabalho tem muito que avançar. Precisa fazer da celeridade processual uma verdadeira profissão de fé, pois, como bem registrou Rui Barbosa, “justiça que tarda é injustiça qualificada”. Necessita, urgentemente, corrigir o grave erro de onerar ou reduzir a capacidade de defesa do cidadão necessitado quando o desobriga de se fazer acompanhar de um advogado. Carece, ainda, da coragem cívica para coibir a ação processual predatória do Estado brasileiro, em todas as suas esferas, impedindo-o de continuar sendo o maior causador da morosidade, o campeão em calote no pagamento da dívida trabalhista, o principal responsável pelo exagerado acúmulo de processo nos tribunais superiores e o imbatível recorde em casos de abuso processual e litigância de má-fé.

Refletir sobre o papel histórico da Justiça do Trabalho é uma tarefa importante neste mês. Ressaltar a função social do trabalho no mundo globalizado é fundamental para o avançar democrático e constante da sociedade. Afinal, o Brasil não merece que se repita o 1º de maio de 1886, quando na cidade de Chicago, a repressão policial a uma greve que aglutinou mais de cento e oitenta mil trabalhadores, resultou na morte de seis trabalhadores e incontáveis feridos. Tampouco necessita um novo 08 de março de 1857, quando 126 tecelãs de Nova York foram assassinadas em incêndio criminoso, apesar porque reivindicavam melhores condições de trabalho.

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais