Santo Antônio Além do Carmo (BA): Ponto a Ponto

0
Casarios coloniais coloridos abrigam ateliês, bares, restaurantes, cafés e moradores vanguardistas

Percorrer as ruas seculares do bairro Santo Antônio Além do Carmo, em Salvador (BA), é conhecer a capital dos baianos com um outro olhar. Centrinho com bares, galerias, cafés, charmosas hospedagens e prédios históricos, que mais parecem uma cidade do interior dentro da capital. Santo Antônio se revela em um bom passeio para quem quer sair do tradicional e gosta da nostalgia romântica das cidades históricas. O bairro abriga um conjunto arquitetônico que documenta os primeiros povoamentos de Salvador, juntamente com o centro histórico do Pelourinho e adjacências. O Tô no Mundo traz dicas de como conhecê-lo, ponto a ponto

O Santo Antônio Além do Carmo é um dos bairros mais antigos de Salvador e seu primeiro registro remonta ao século XVII. Limitado pelos bairros do Barbalho e do Carmo, numa atmosfera histórica e rica em mistura de cores, ele inicia na Cruz do Pascoal e vai até o Largo de Santo Antônio Além do Carmo, oficialmente chamado de Largo do Barão do Triunfo.

O termo Além do Carmo refere-se às portas da cidade do Salvador da Bahia que, no primeiro século de habitação, tinha uma entrada no Convento do Carmo. Na edificação número 1 da rua do Carmo fica o antigo convento dos Carmelitas, com as igrejas do Carmo, o mosteiro, hoje transformado em hotel e as catacumbas, abertas à visitação.

Igreja e antigo convento do Carmo, construções do século XVII, aberta ao público inicia o passeio ao Santo Antônio

Conjunto Carmelita – Comece pelo complexo histórico iniciado no século XVI pelos Carmelitas ao desembarcarem no Brasil. Palco de acontecimentos marcantes da história da Independência da Bahia, a Igreja Nossa Senhora do Carmo começou a ser erguida em 1532 pela Ordem Primeira dos Freis Carmelitas, mas só chegou a ser finalizada em 1723.

Com uma das mais belas sacristias do país, a igreja faz parte do conjunto arquitetônico do Carmo, que integra também o antigo convento e atual Hotel Pestana, primeiro hotel histórico do país. Destaca-se no acervo da igreja a escultura do Cristo Atado à Coluna, de Francisco Xavier Chagas, escravo conhecido como Cabra.

A entrada principal do Pestana Convento do Carmo também é aberta à visitação e o museu está fechado para restauro, mas nada impede de entrar na atmosfera histórica do conjunto arquitetônico.

Casarões coloridos envoltos de um tom interiorano com todo o sotaque baianos dão o tom da rua do Carmo. Em alguns desses casarões restaurados, abrigam ateliês, cafés, pousadas, hostels e pensionatos, sim, pensionatos onde muitos universitários dividem os casarios, concedendo uma atmosfera jovem e cosmopolita ao bairro. Muitos desses casarões disponibilizam sacadas em seus quintais propícios para ver o famoso pôr do sol de Salvador.

Além do Carmo é reduto de universitários, artistas e turistas, principalmente no centrinho da Cruz do Pascol

Cruz do Pascoal – No meio da rua do Carmo, a Cruz do Pascoal é o oratório símbolo do bairro, movimentando um centrinho de bares e restaurantes. Boêmio, festeiro e conservado, o local tem atraído gente dia e noite, quando mesinhas são erguidas nas calçadas. O Bar Cruz do Pascoal é um dos mais tradicionais da capital baiana e foi inaugurado há mais de 60 anos, servindo de cenário para novelas e filmes.

Antigo armazém de secos e molhados fundado pelo espanhol Porfírio Amoedo é famoso pela cerveja gelada, pelos saborosos petiscos e pela privilegiada e disputadíssima vista para a Cidade Baixa e a Baía de Todos os Santos. A deliciosa carne de sol com pirão de aipim é a tradição da casa, escola para outras delicias do cardápio de outros bares da redondeza.

Carinhosamente conhecido como “Bar do Seu Porfírio”, o Cruz do Pascoal manteve parte da decoração antiga, como um velho balcão de mármore, prateleiras de madeira e uma máquina registradora metálica de botões e teclados.

Igreja e ladeira do Boqueirão são atrações do bairro e através de sua rua une à Cidade Baixa e alguns outros restaurantes e bares

Ladeira do Boqueirão – Chegue até a ladeira do Boqueirão e igreja do mesmo nome. Depois de cuidadosa restauração, a Igreja do Boqueirão foi reaberta em 2010 com rampas e elevadores para facilitar a locomoção de portadores de necessidades especiais

Construída em 1726 pela Ordem Terceira dos Homens Pardos, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição do Boqueirão se divide entre os estilos neoclássico e barroco. O piso em mármore cinza e branco contrasta com o forro marcado por pinturas ilusionistas de inspiração italiana e, embora seja do início do século XVIII, a talha do interior data do século XIX. Número 60 da Rua Direita do Santo Antônio, a Nossa Senhora do Boqueirão celebra missas todos os domingos, às 9h.

 

Rua do Carmo ao entardecer. Passagem que liga o Largo da Cruz do Pascoal ao de Santo Antônio

Largo de Santo Antônio – Percorra até o final da rua do Carmo até chegar a praça de Santo Antônio. Localizado no mesmo lugar da extinta “Trincheira Baluarte de Santiago”, o Forte de Santo Antônio Além do Carmo destacou-se no século XVII como um dos maiores pontos de resistência baiana à nova tentativa holandesa de reconquista de Salvador. Na época da ditadura militar, já transformada em Casa de Detenção, abrigou muitos presos políticos.

Em 1976, a prisão foi desativada e, três anos depois, passou a ser ocupada pelo Bloco Carnavalesco “Os Lord’s”. Após reforma no início dos anos 1980, foi implantado no Forte o Centro de Cultura Popular e o Bloco Afro Ilê Ayiê começou a realizar seus ensaios no pátio interno da fortificação.

Pôr do Sol, ao fundo, Baía de Todos os Santos é personagem diário entre casarios coloniais

O Centro teve suas atividades praticamente desativadas em 1990, restando apenas duas escolas de Capoeira, que se mantêm funcionando até hoje: o Centro Esportivo de Capoeira Angola, do Mestre João Pequeno de Pastinha e o Grupo de Capoeira Angola Pelourinho, do Mestre Moraes.

Atualmente, o Forte da Capoeira promove aulas de capoeira, palestras, seminários, exibição de filmes, entre outros eventos culturais. Também abriga a Biblioteca Luiz Gama, aberta ao público de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 14h às 17h. Além do acervo, o espaço também dispõe de sala de leitura e videoteca.

O Largo de Santo Antônio Além do Carmo foi reinaugurado em julho de 2016 após qualificação quando ganhou novos bancos, piso e pergolado, pista de corrida, além de parque infantil e equipamentos para a prática de exercícios físicos. Do alto do Largo de Santo Antônio é possível admirar todo o esplendor da Baía de Todos os Santos, principalmente nos seus casarões e sobrados, para alegria dos turistas que desfrutam de toda a sua tranquilidade no coração do Centro Histórico. No largo também fica a Igreja de Santo Antônio Além do Carmo, reconstruído em 1813 onde antes havia um templo primitivo.

É ou não é uma boa pedida para se conhecer mais a fundo Salvador? Santo Antônio vai além do Carmo e se configura como um dos roteiros que não se deve deixar de visitá-lo na Cidade de Todos os Encantos.

Ateliês, bares e pensionatos fazem do Além do Carmo um atrativo de gente jovem e moderna

Dicas de Viagem

A sensação de segurança prevalece no bairro. O policiamento do Além do Carmo, Pelourinho e adjacência é visto quase que a cada praça, mas precaver é bem melhor. Não deixe materiais e objetos de valor a mostra.

Há um grande número de pedintes e vendedores, a exemplo de colares e fitas do Senhor do Bomfim. O assédio é grande e não se preocupe se um deles fez cara feia por ter ouvido um “não”. Para que o assédio não seja maior, a dica é dizer realmente que não quer comprar.

Há bons restaurantes e café no Santo Antônio, o Cafélier é um dos lugares que não se pode deixar de conhecer ao visitar o bairro. Localizado na Rua do Carmo, n° 50, o espaço foi inaugurado em 2006, após um período de 12 anos instalado no Pelourinho. Charmoso e elegante, a decoração remete à dos cafés parisienses do século XX e as fotos de cantores como Cauby Peixoto e Bibi Ferreira são uma homenagem à Era de Ouro do Rádio.

Aberto de quinta a terça-feira, a partir das 14h, o espaço do artista plástico Paulo Vaz é marcado ainda por uma exposição de xícaras personalizadas, cardápio variado e uma vista panorâmica para a Baía de Todos os Santos.

Sem aviso ou placa e com fachada redesenhada pelo tempo, o Espaço Cultural D’Venetta é parada obrigatória para quem mora ou está apenas de passagem por Salvador. Construído no século XIX, o charmoso casarão com paredes de barro batido abriga o clube da cachaça, rodas de samba e choro, além de um rico acervo de móveis garimpados e customizados pelos próprios donos.

Localizado na rua dos Adobes, o D’Venetta costuma funcionar de quarta a sábado, das 18h às 23h30, e domingo, das 11h às 18h. “Costuma” porque é possível que você apareça por lá em um desses dias e horários e o espaço não esteja funcionando. A irregularidade de horário é uma característica marcante deste lugar que rejeita todo e qualquer tipo de enquadramento.

Igreja do Santíssimo Sacramento do Paço é cenário constante de filmes e documentários, mesmo fechada para restauro

A dica é também unir o Santo Antônio Além do Carmo e conhecer alguns atrativos do bairro do Carmo, a exemplo da igreja do Santíssimo Sacramento do Paço, com sua escadaria imponente de mais de 55 degraus. Construída em 1736 para ser a matriz da freguesia criada quase duas décadas antes, a igreja é certamente uma das mais conhecidas da capital baiana. No local, foram gravadas cenas do clássico brasileiro ‘O Pagador de Promessas’, de Anselmo Duarte, que causou furor em Cannes e rendeu ao Brasil sua única Palma de Ouro da história. A Igreja do Paço e sua escadaria também serviram de locação para o filme ‘O Paí Ó’ e para a versão televisiva de ‘O Pagador de Promessas’. A igreja está fechada desde 1998.

O Pestana Convento do Carmo é uma boa opção para se hospedar em Salvador, no centro de Santo Antônio Além do Carmo. A construção histórica iniciada em 1625 e palco da rendição dos holandeses foi transformado no primeiro hotel histórico de luxo do Brasil e hoje conta com total estrutura para receber bem os turistas por diárias que variam ao preço de R$ 200, para o casal.

Pititinga – peixinho bem crocante é pedida obrigatória nos botecos de Salvador

Gastroterapia

O arrumadinho na Bahia é constituído de feijão de corda cozido com especiarias e temperos, farofa de alho, com carne de sol ou charque e paio. A diferença do arrumadinho para o desarrumadinho, como o nome já diz, é que um vem arrumado e o outro vem tudo “junto e misturado”.

O “Daqui do Alto” serve o arrumadinho em uma telha de barro para até quatro pessoas, ao preço de R$ 45. Há também a possibilidade de servir com um picadinho de cebola com tomate, tipo vinagrete.

O prato é tradicional nos botecos de Salvador e pode ser encontrado também em outras freguesias, a exemplo da pititinga, um peixinho bem frito e de sabor marcante, servido com vinagrete e farofa. As botequices são bem-vindas no Santo Antônio Além do Carmo, mas há também a possibilidade da cozinha criativa dos chefes nos casarões que ora funcionam restaurantes, como o Poró.

Arrumadinho de charque com paio acompanha feijão de corda, servido em telha de barro do Daqui do Alto

Veja mais publicações

Fotos: Silvio Oliveira/ Tô no Mundo        Instagram: silviotonomundo

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais