Seu site não é adaptado pra mobile? Ele sumirá do Google

0

Em fevereiro deste ano, o Google anunciou que atualizaria seu algoritmo de busca móvel e que, consequentemente, os sites que não são compatíveis com celulares e tablets teriam seus ranqueamentos rebaixados. Resumindo: se você não tem um site adaptado para mobile, ele pode simplesmente ‘sumir’ nas buscas feitas em dispositivos móveis.

A mudança ocorreu nesta terça-feira (21) e, por enquanto, não foi divulgado o impacto da medida no mundo real. Mas promete ser grande. A preocupação apontada por uma série de especialistas é, em particular, com as pequenas empresas – ou pessoas – que têm no Google a sua maior ‘fonte’ de clientes. Agora, elas  podem ver esta fonte secar, por, simplesmente, não terem investido em sites amigáveis a smartphones e tablets.

De acordo com os números divulgados pelo próprio Google, hoje, 60% do tráfego na internet vêm de dispositivos móveis, em vez de computadores de mesa.

O design responsivo (que se adequa automaticamente à resolução do internauta) é apenas um entre mais de 200 critérios que a empresa utiliza para avaliar a relevância de uma página ‘amiga’ do mobile. Outros itens analisados são disponibilidade (estar sempre no ar), facilidade para acessar links e cliques, redimensionamento da página para adaptar-se a telas menores e o equilíbrio entre o conteúdo procurado e o que é apresentado no site.

Em sua comunidade, a gigante da tecnologia justificou a medida. “Conforme mais pessoas usam dispositivos móveis para acessar a internet, nossos algoritmos têm de se adaptar a essa camada de uso”. E reforça o recado aos proprietários dos sites: “Agora, o Google vai priorizar páginas de serviços que são boas para o meio que a pessoa está usando”, finaliza.

Com a dependência cada vez maior das empresas em relação ao mundo digital, quem não se adaptou deve fazê-lo o mais rápido possível. Correndo o risco de, caso não o faça, acabar sendo esquecido.

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários