Supervalorização do PSC

0

 

  Ontem um político sergipano, que já passou mais de 20 anos na Assembléia Legislativa, disse que toda vez que lê na imprensa que a bancada do PSC está conversando com alguns pré-candidatos a presidente e deve votar unida em torno de um único nome, começa a ri. Ele lembra que essa história de ter um partido com sete deputados comandados por uma liderança não existe e, nem mesmo grandes lideranças políticas, conseguiram unificar os interesses pessoais de seus deputados com os interesses, diga-se assim, “coletivos” do partido.

  O ex-deputado registrou também que dentro da própria bancada do PSC, pelo menos quatro dos deputados da nova legislatura votarão no candidato apoiado pelo governador Marcelo Déda – que é Ulices Andrade – mesmo que a liderança maior do partido tome outra direção. Ou seja, está existindo uma supervalorização do PSC não apenas por alguns políticos com pouca experiência, mas até mesmo de setores da imprensa sergipana que não se cansam de destacar que o partido será o fiel da balança na eleição da Mesa Diretora da Assembléia Legislativa para o biênio 2007/2008 que ocorrerá no dia primeiro de fevereiro.

   O certo é que dentro da bancada do PSC que foi eleita no ano passado, já existem deputados afinados com o novo governo. É mais fácil eles divergirem da liderança do partido do que aceitarem sem uma discussão profunda porque a mudança de rumo e não votar em Ulices Andrade. Ou seja, apesar das notícias exacerbadas em parte da mídia sergipana o certo é que de pouco valerá qualquer compromisso assumido diretamente com o comandante maior do PSC em Sergipe, o empresário José Edvan Amorim.

  Como a coluna já publicou há mais de um mês, se o empresário tem interesses não apenas partidários, os deputados também têm seus objetivos, como, por exemplo, atender determinados pedidos e indicações de aliados em vários municípios. Para quem pensa que é algo errado esse toma lá da cá é corriqueiro em todo país.  Fica mais fácil para o governante de plantão agir desta maneira.  Esse lobby existente para que o PSC venha participar do bloco de sustentação do governo estadual como partido vai cair por terra. Nem o governador aceitará abrir novos espaços no primeiro (neste caso teria que mudar algum dos nomes anunciados) e segundo escalão, nem os partidos aliados – alguns deles insatisfeitos com a divisão do bolo – aceitará a entrada do PSC na participação do governo efetivamente.

    Então, o máximo que o PSC como partido pode conquistar na eleição da Assembléia Legislativa são alguns cargos na Mesa Diretora. Essa história de participar efetivamente do governo estadual não existe. Até porque a maioria dos deputados está satisfeita com seus interesses atendidos e, é mais fácil mudar de partido do que brigar com o governante de plantão para atender aos interesses da liderança maior.

 

Déda  bate papo com jornalistas

O governador de Sergipe, Marcelo Déda, se reuniu na última sexta-feira,12, no Palácio dos Despachos, com alguns jornalistas da área de política. O objetivo da conversa foi buscar uma maior aproximação com a imprensa. Durante a reunião, Marcelo Déda falou com os jornalistas, entre outros assuntos, sobre a reunião dos governadores dos estados do Nordeste realizada nesta quinta-feira em Natal (RN), a situação financeira em que encontrou o Governo do Estado. Este colunista foi convidado, mas encontra-se em São Paulo até o dia de ontem.

 

Indira é um bom sinal para a Aperipê

Quem não conhece o trabalho da radialista Indira Amaral na área da comunicação, principalmente de vídeo, pode pensar que ela foi indicada para assumir a superintendência da Aperipê porque é a primeira-dama do município de Aracaju. Ledo engano. Assim como renovou ao colocar Eloísa Galdino na Secom, Déda aposta num nome novo para dar um rumo diferente ao sistema Aperipê. É certo também que Indira vai enfrentar alguns problemas sérios, como vícios existentes, a falta de um pagamento digno para os servidores que desejam trabalhar e tudo mais. Por outro lado pode mudar a atual programação que teve sérios problemas com o uso político da emissora nos últimos anos. Quem não lembra dos programas de rádio e televisão, sem falar numa campanha do “Vote bis” que ficou no ar durante vários meses em prol de João Alves. Sobre esta indicação a coluna fará uma análise mais profunda nos próximos dias.

 

Coluna reafirma solidariedade aos colegas de imprensa

Este jornalista reafirma a solidariedade prestada aos colegas de imprensa no episódio ocorrido no Palácio dos Despachos. E mais: não aceita qualquer retaliação a colega de imprensa, sem distinção. Aliás, este jornalista não entende como alguns “colegas”de imprensa chegam a procurar uma justificativa para corroborar com qualquer cerceamento ao trabalho jornalístico. A coluna também estranha à facilidade que alguns “colegas” conhecem profundamente os corredores e as entranhas do Palácio dos Despachos até mesmo melhor do que determinadas autoridades. Depois reclamam quando a coluna pede que o relacionamento da imprensa com o poder público seja desnudado em Sergipe.

 

Contratos da imprensa precisam ser divulgados

Este colunista reafirma o compromisso com a transparência no relacionamento entre o governo estadual e os meios de comunicação, além de empresas ligadas diretamente a profissionais da comunicação, como agências de publicidade, de comunicação e similares. É preciso que o novo governo divulgue todos os contratos que encontrou, não só dos meios de comunicação com o governo estadual, mas das empresas ligadas a jornalistas e radialistas com a Secretaria de Comunicação Social e todos os órgãos da administração direta e indireta. É preciso mostrar para a sociedade sergipana quem é quem na imprensa sergipana. Aliás, este jornalista não gosta de mandar recados, mas agora vai um bem direto para alguns colegas que estão “chateados”com os comentários desta coluna.

 

 

Chega de proselitismo na imprensa sergipana

Quando na campanha eleitoral esta coluna publicou um artigo sobre a necessidade de desnudar a imprensa sergipana não era brincadeira. Chegou o momento, a partir da divulgação destes contratos que existiam com o governo estadual. Chega de tentar agradar quem faz da profissão um trampolim bastante alto para alcançar apenas objetivos financeiros e ainda critica os colegas como se fosse o “dono do mundo”. Este jornalista prefere mudar de profissão, mas não vai abrir mão de mostrar aos leitores o que ocorre nos bastidores da imprensa, principalmente com determinados “colegas”. Tem muita gente que vive das “tetas”governamentais há muito tempo e vem dando uma de “bom moço”entra governo e sai governo. A hora é essa. A mudança tem que se completa, doa a quem doer. Este jornalista não é melhor do que ninguém, mas é um profissional que procura, acima de tudo, divulgar a verdade. Divulgá-la deve ser a meta de todos, preservando a transparência e a ética para todos os leitores.

 

 

Estradas de Sergipe receberão R$ 44 milhões para obras.

As rodovias BR-101 e BR-235, em Sergipe, passarão por serviços de recuperação, manutenção e conservação. É o que garante o Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes (Dnit).

De acordo com o órgão, serão beneficiados 150 quilômetros de pista.As obras estão no âmbito do Programa Integrado de Revitalização (PIR IV). Serão investidos, no total, R$ 44 milhões em dois trechos da BR-101 e um na BR-235. Na BR-101, será recuperado o segmento entre Capela, no entroncamento com a SE-339 e Pedra Branca, no entroncamento com as rodovias SE-245 e SE-429. A obra ficará em R$ 14,7 milhões.Na mesma rodovia, o segmento entre o entroncamento com a BR-235 e o município de Estância também foi contemplado. Nesse trecho, a recuperação de 62 quilômetros de rodovias terá um investimento de R$ 20,8 milhões.Já na BR 235, no trecho entre o entroncamento com a BR-101 e Ribeirópolis, no entroncamento com a SE-175 também haverá obras. Os trabalhos estão orçados em R$ 8,7 milhões. A previsão para a conclusão das obras é até o final de 2008.

 

Desorganização do outro lado da passarela do caranguejo

De um leitor: “Você está viajando, então não viu como estava movimentada a orla de Atalaia nesta quinta-feira (11/01). Na praça de eventos a feira de Sergipe não dava para quem queria, estacionar então estava difícil.Na passarela do caranguejo, todos os bares ocupados, a maioria cheios, o Coqueiral transbordando de tanta gente. Nós sergipanos que acreditamos que o turismo é mola

Propulsora de desenvolvimento e geração de renda ficamos muito felizes, quando vemos

tanto movimento num dos nossos maiores cartões postais.Infelizmente, em frente ao Bar Coqueiral do outro lado da pista, ocupando estacionamento de veículos e a calçada, está se formando uma feirinha de capetas, pizzas, isopores e congêneres, que acredito não seja autorizada pela Prefeitura de Aracaju. São dezenas de mini-vans, reboques, isopores, etc. ocupando espaço público destinado a pedestres e estacionamento. Não tenho nada contra quem quer trabalhar. Só pergunto: essas pessoas estão devidamente autorizadas pela EMSURB?”.

 

Leitor critica comparação de Déda a Collor

De um leitor, que citou um informativo semanal: “Ao ler aquele jornal da segunda-feira, fiquei irritado com aquela comparação de Deda a Collor, às vezes chego a pensar que esse jornal perdeu muito com a saída do ex-governador ou tem algo contra o novo. Deda que se cuide, pois as pedradas são cada vez maiores. Espero que com gestos e ações(não repreensivas) Deda mostre que estão totalmente errados”.

 

Frase do Dia

“O ideal custa uma vida, mas vale a eternidade”. Gandhi.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários