TRANSPOSIÇÃO ESQUENTA

0

O projeto de transposição do rio São Francisco começa a esquentar. Há uma disputa entre os estados que querem receber os benefícios das águas, contra aqueles que se consideram prejudicados ao perde-las. O confronto está se acirrando e ontem colocou a cara de fora, fugindo da diplomacia que sempre se usou em casos dessa natureza. Afinal se trata de nordestinos, que no fundo são excluídos pelo Planalto, mesmo quando o presidente sofreu problemas com a seca e migrou para São Paulo como retirante. Ontem, durante audiência pública da Comissão Especial do Semi-Árido, presidida pelo deputado federal José Carlos Machado (PFL), o governador da Bahia, Paulo Souto (PFL), disse que a única forma de se legitimar a transposição do rio São Francisco seria por meio de um pacto entre os estados que formam a bacia – Bahia, Minas Gerais, Pernambuco, Alagoas e Sergipe – e os que seriam beneficiados com as águas – Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte.


Paulo Souto também criticou, no debate, a pressa com que o Governo Federal quer realizar a obra, sem ouvir as populações que serão atingidas. Ele não acredita, porém, que um consenso seja possível. “Eu acho que isso não existe, sobretudo porque esse projeto já está sendo aprovado. Foi aprovado pelo Conselho Nacional de Recursos Hídricos e agora depende de licenciamento ambiental”, informou.

 

Paulo Souto lamentou que o governo tenha ignorado o estudo feito pelo Comitê da Bacia do São Francisco, que apresentava restrições sobre a viabilidade do projeto. Neste momento, o presidente da Comissão, José Carlos Machado, também criticou a postura do governo. “Eu continuo perplexo e consciente de que o governo federal resolveu, de forma irresponsável, tocar esse projeto. Nós não somos contra a transposição. Mas, se for para levar a água a uma distância de 600 quilômetros para irrigar terras, aí nós também, da bacia doadora, queremos discutir nossas prioridades”, afirmou. A intervenção de Machado foi suficiente para que o relator da Comissão do Semi-Árido, deputado Marcondes Gadelha (PTB-PB), reclamasse do seu aparte às críticas feitas por Paulo Souto ao projeto de transposição: “até a apresentação do relatório, o presidente da Comissão deve manter a isenção”, disse Gadelha, para ser imediatamente repreendido pelo seu colega José Carlos Araújo (PFL-BA), que também cobrou isenção do relator, que, segundo ele, tem manifestado seu apoio à transposição.

 

Depois daí ninguém segurou mais o relator Marcondes Gadelha, que destilou severas críticas a lideranças sergipanas, deixando claro que a ação política de Sergipe em relação ao projeto de transposição, tem sido muito importante. Marcondes foi muito mais distante e acusou Sergipe de tomar “posições fascistas, insanas e até anticristãs, quando nega que parte das águas do rio seja transposta para o Nordeste Setentrional, como quer o governo federal”. O deputado paraibano, inclusive, acusou o deputado estadual Augusto Bezerra (PFL) de utilizar capangas para barrar a audiência pública do Ibama que acabou sendo cancelada em Aracaju. Augusto contra atacou: “Gadelha é um parlamentar que faz lobby para as empreiteiras, com o objetivo de ganhar dinheiro”. E complementou: “Ele é um deputado corrupto”. Lá em Brasília, o deputado federal João Fontes interferiu: “Sergipe não tem capanga e nem é um Estado insano, fascista ou anticristão”, disse e pediu que Gadelha “respeitasse os sergipanos, antes de tecer qualquer comentário”.

 

Gadelha foi, no mínimo, ingrato com Sergipe, pois em 1990, quando perdeu as eleições em seu Estado, o então governador João Alves Filho o nomeou chefe do Escritório de Sergipe em Brasília, cargo que tem status de secretário. Embora a reação de Marcondes Gadelha tenha sido destemperada, serviu para mostrar que Sergipe tem uma atuação significativa contra a transposição, a ponto de levar à insanidade parlamentares que são favoráveis ao projeto do governo federal.

 

 

FALACIOSO

O secretário de Justiça, Emanuel Cacho, diz que o deputado Jackson Barreto “tem um discurso falacioso” e o responsabilizou de dar um prejuízo ao Estado de R$ 5 milhões. Explicou que este dinheiro, já incluso no projeto, seria utilizado para equipar o novo presídio, com tecnologia de primeiro mundo.

 

DÍVIDAS

Perplexo com a postura insinuosa do deputado Jackson Barreto, Emanuel Cacho disse que o parlamentar lhe deve muitos favores, quando precisou dos seus serviços profissionais. Em 95, foi contratado como advogado para defender protegidos de Jackson que mataram uma criança. Em 2002, defendeu outro protegido, condenado por tráfico de drogas.

 

HONORÁRIOS

Emanuel Cacho garante que “como advogado nunca vi um real do deputado, para fazer a defesa dos criminosos que ele sempre protege”. O secretário Emanuel Cacho tem se mostrado irritado com algumas declarações feitas por Jackson Barreto e resolver reagir.

 

TRANQÜILO

O deputado federal Jackson Barreto (PTB) disse que esse é um aspecto de sua vida que o deixa absolutamente tranqüilo. Acrescenta que nunca usou o mandato e nem a profissão de advogado para acobertar delinqüentes ou marginais.

 

PRESSA

O governador da Bahia, Paulo Souto, criticou a pressa com que o governo federal quer realizar a transposição do rio São Francisco. Souto disse, também, que a impressão que se tem é que o governo não quer ouvir os estados, porque a decisão já está tomada.

 

BELIVALDO

O deputado Belivaldo Chagas (PSB) assume hoje, às 9 horas, o cargo de secretário para Assuntos Parlamentares e Institucionais. Desde o início do ano que o prefeito Marcelo Déda, em conversa com o senador Valadares havia manifestado o desejo de ter Belivaldo nesta pasta.

 

TRABALHO

Belivaldo Chagas diz que vai fazer um trabalho de articulação com o líder do prefeito na Câmara Municipal, a fim de fortalecer a bancada. Também pretende manter uma articulação mais próxima com os prefeitos do interior, em termos políticos e administrativos.

 

JAGUNÇOS

Num debate acirrado em Brasília, onde se discutia a transposição do rio São Francisco, o deputado federal Marcondes Gadelha (PTB-PB) fez acusações graves ao deputado Augusto Bezerra (PFL).

Disse que a reunião do Comitê da Bacia do São Francisco só não aconteceu em Sergipe, porque Augusto a impediu n companhia de jagunços.

 

CORRUPTO

Augusto Bezerra disse que foi o povo sergipano que impediu a reunião: “não costumo andar com jagunços”, rebateu. Augusto acusou Marcondes Gadelha de estar fazendo lobby para a empreiteira que fará o canal da transposição, com o objetivo de ganhar dinheiro: “É um corrupto”.

 

DOCUMENTO

O deputado Gilmar Carvalho enviou ofício ontem à Polícia Federa em Sergipe, recusando segurança pessoal, como foi determinada pelo diretor geral Paulo Lacerda. Justifica que tal medida não é salutar para a sociedade, porque o efetivo da PF é pequeno e encontra dificuldade para exercer suas atividades institucionais.

 

SEGURANÇA

Gilmar Carvalho diz no ofício que segurança pessoal deve ser escolhida “pessoalmente por quem a ela faz jus”. Acrescenta que somente aceitará os três seguranças do Estado que lhe foram tirados há alguns meses. Cópia do ofício foi enviada ao senador Valadares, para que seja mostrado o ministro da Justiça.

 

ESTRANHO

Uma fonte da Segurança Publica estranhou a atitude do deputado Gilmar Carvalho em não aceitar segurança pessoal de agentes da Polícia Federal. “A impressão é que o parlamentar quer tumultuar o processo, porque denuncia um esquema para assassina-lo e quer segurança do Estado”, disse a fonte.

 

ESTRATÉGIA

Pessoas vinculadas ao ministro Ciro Gomes vieram a Aracaju em busca de dados e informações sobre o que o governador João Ales Filho vai exibir no debate. Uma coisa o pessoal já tem sabe: será exibido o projeto de Ciro Gomes, quando candidato a presidente, elaborado por João Alves Filho, onde ele tinha posição diferente da de hoje.

 

Notas

 

PIRAPORA-1

Um avião deixa hoje Aracaju, com um grupo de passageiros formado por deputados – estaduais e federais – senadora Maria do Carmo Alves (PFL) e o governador João Alves Filho, rumo a cidade de Pirapora (MG) onde será realizado o ais amplo encontro que debaterá a transposição do São Francisco. De Brasília seguem deputados de outros estados, além de outros governadores interessados em mostrar, tecnicamente, que a transposição vai provocar a falência do rio e criar graves problemas para a economia da região.

 

Pirapora-2

Pelo que aconteceu em Brasília ontem, durante audiência pública com o governador da Bahia, Paulo Borges (PFL), o clima em Pirapora pode esquentar, Não entre as pessoas que desejam um reestudo técnico sobre a transposição do rio São Francisco, mas como resposta ao deputado paraibano Marcondes Gadelha. Gadelha, que já foi diretor da representação de Sergipe no segundo governo de João Alves Filho, declarou que a reunião do Comitê que avalia a transposição só não aconteceu em Aracaju pela ação de pistoleiros.

 

VIOLÊNCIA

As pessoas que residem nos apartamentos e casas do bairro 13 de Julho estão com medo. Diariamente se contabilizam dois ou três assaltos à mão armado, alguns deles seguidos de morte. O porteiro de um prédio teve que deixar o emprego, porque não se sentia seguro na guarita. A partir das 18 ninguém sai de casa. O bairro está controlado por uma quadrilha, que age de moto ou carro de forma audaciosa e ousada. Não se vê um único carro da Polícia nas proximidades e o número de vítimas é grande. Até onde vai isso, só Luiz Mendonça sabe.

 

É fogo

 

O governador João Alves Filho está se preparando para o debate de segunda feira, no prédio da OAB nacional, em Brasília, com o ministro Ciro Gomes.

 

Certamente o debate dará boa manchete aos jornais, principalmente das áreas que desejam e não desejam a transposição.

 

Segunda-feira o médico Edney Caetano experimenta o plenário da Assembléia Legislativa, assumindo em lugar de Belivaldo Chagas.

 

Brincado com o colega Venâncio Fonseca, o deputado Belivaldo Chagas lhe disse: “há 15 anos que não sei o que é poder”.

 

O presidente da Petrobras, José Eduardo Dutra (PT), passará o final de semana em Aracaju e inaugura a produção de petróleo no litoral Sul.

 

O ex-prefeito de Pirambu, André Moura (PFL), continua apenas como convidado a assumir a Secretaria Metropolitana.

 

O senador José Almeida Lima (PSDB) já retornou a Aracaju e começou a conversar com aliados, sobre a formação do partido.

 

Os governadores do PMDB no Sul do país defendem que o partido tenha candidato próprio a presidente da República.

 

O cantor Jerry Adriani será a atração do Projeto Cidade da Seresta, hoje, em São Cristóvão. Os cantores sergipanos Jonas e Gilza também participam.

 

A Polícia Militar está intensificando o trabalho preventivo na área da construção da ponte que ligará Aracaju a Barra os Coqueiros.

 

Em março, os bancos reduziram em 0,3 ponto percentual a taxa média de juros cobrada sobre o cheque especial para pessoa física.

 

brayner@infonet.com.br

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários