Uso racional de recursos naturais nos imóveis

0

Chuveiro mistura ar e água e economiza

Economizar água nos dias atuais é a única saída. Tal medida deveria ser regra cotidiana. A água, tão indispensável para a sobrevivência humana, é cada dia mais escassa. Apesar de 2/3 da terra ser composto por H²O, a maior parte disso está nos oceanos, nas geleiras ou em locais de difícil acesso ao consumo humano. Apenas 3% de toda a água do planeta é doce e, desses, 0,01% vai para os rios, ficando disponível para uso.

Hoje a demanda pelo recurso é tão grande quanto o desperdício. Por isso, a preocupação com a sua preservação têm estado presente nas mais diferenciadas áreas e não há mais como ser irresponsável com a sua utilização. A construção civil é uma das indústrias que mais depende dos recursos naturais. Ela utiliza 40% dos materiais disponíveis na natureza e, como um grande consumidor, deve atentar para o seu uso.

Acionamento para 3 ou 6 litros

Alternativas para evitar o desperdício têm sido tomadas dentro das empresas mais conscientes, desde a construção até a comercialização do produto final. Nos canteiros, a reutilização de água servida, o aproveitamento máximo da iluminação natural, além da própria reutilização de materiais de construção tem sido práticas constantes. Em alguns empreendimentos há inclusive poços artesianos, que evitam assim o gasto de água potável nas obras. Posteriormente, esse poço servirá para regar plantas e para limpeza de calçadas e pátios.

Economia de água

Com atitudes como estas, gradativamente algumas empresas têm buscado se adequar aos princípios de sustentabilidade. A racionalização do uso da água, ou seja, usá-la de forma consciente de sua importância, para que ela não venha faltar é uma regra. Outra forma de fazer isso é com a disponibilização de mecanismos que geram e estimulam a economia de água e eletricidade nos seus empreendimentos.

Medidas simples, mas de grande valia, como a medição individual de água, que faz com que cada morador pense bem no seu consumo, pois ele sabe que pagará por isso e não mais o condomínio. Além disso, a presença de arejadores de vazão, dispositivos que economizam água fazendo com que esta saia da torneira em um fluxo contínuo, economiza a água vinda de torneiras, que são responsáveis por 30% do consumo total de uma residência.

Outro recurso bem eficaz para a economia da água são as bacias sanitárias com descarga seletiva (3 ou 6 litros). Mesmo encarecendo um pouco o custo final, este é um item que permite escolher a intensidade do fluxo de água de acordo com a necessidade, maior ou menor. Outro detalhe importante é o cuidado com os dispositivos hidráulicos. Uma torneira que não fecha corretamente pode gotejar e com isto desperdiçar 46 litros de água por dia.

Arejadores e restritores de vazão economizam até 60% de água.

Já uma abertura ou um vazamento, que provoque um filete de 1 mm de água provocará um desperdício diário de 2.088 litros. Esses são dados da Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso), que orienta ainda: Fechar a água do chuveiro enquanto se ensaboa, não utilizar o chuveiro como aquecedor do banheiro em dias frios e na hora de escovar os dentes deixar a torneira fechada podem fazer uma grande diferença na conta.

Energia elétrica
Na economia da eletricidade também se economiza indiretamente a água, uma vez que a principal fonte de energia no Brasil são as hidrelétricas. Nesse quesito, muitos imóveis disponíveis no mercado também oferecem meios. O aquecimento de água através do gás natural é uma forma. Ele dispensa o chuveiro elétrico, um dos grandes vilões das contas de energia das residências.

Existem ainda os sensores inteligentes, que detectam a presença de pessoas e que apagam as luzes quando não houver ninguém nos cômodos. Também fazem parte de muitos projetos imobiliários os controladores automáticos de energia, que regulam de forma econômica os sistemas elétricos das áreas comuns, tais como funcionamento das bombas e iluminação.

Mais importante que todos esses dispositivos, a conscientização ajuda bastante nesta importante economia. Por isso, a escolha do consumidor por eles faz toda a diferença. Está pensando em comprar um imóvel ou reformar o atual, que tal levar esses itens em consideração na sua decisão? O planeta e o seu bolso ficarão muito gratos.

(P.S. Esse texto foi escrito por mim há dois anos quando fazia parte da assessoria de imprensa de uma importante construtora. é claro que eu suprimi o nome da empresa e fiz algumas pequenas mudanças, mas a base do texo é a mesma, com a atualidade de sempre.)

O texto acima se trata da opinião do autor e não representa o pensamento do Portal Infonet.
Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais