Cliente quebra vidro de porta giratória de agência

0

Vidro da porta giratória foi quebrado (Fotos: Portal Infonet)

Na tarde desta segunda-feira, 18, a Polícia Militar foi acionada para um suposto assalto a Agência Augusto Leite da Caixa Econômica Federal, localizada na avenida Barão de Maruim, mas tudo não passou de um mal entendido.

De acordo com o comandante do policiamento da capital, coronel Jackson Nascimento, um cliente estava no banco acompanhado da mãe que ficou presa ao tentar passar pela porta giratória. Resoltado com a situação, o cliente quebrou os vidros da porta.
O coronel Jackson disse ainda que tudo foi resolvido pela gerência da própria agência bancária.

Após o incidente a agência permaneceu funcionando normalmente. Por meio da nota, a Caixa Econômica Federal disse o seguinte:

"A Caixa Econômica Federal esclarece que as portas-giratórias contribuem para inibir a ação dos criminosos. Elas não impedem, mas dificultam muito a entrada de pessoas armadas dentro das agências e criam um obstáculo importante à liberdade de ação e de movimentos dos assaltantes.

A PM foi acionada

A Caixa instala portas automáticas giratórias com detectores de metal em suas agências, de acordo com a Lei 7.102/83, que disciplina o sistema de segurança em estabelecimento financeiro. Esses equipamentos são utilizados pelos bancos para impedir o acesso de pessoas armadas às agências, nunca para criar obstáculos ou constrangimentos.

Quanto à porta giratória danificada na Agência Augusto Leite na tarde desta segunda-feira (18), em Aracaju (SE), a Caixa informa que a Polícia Federal e a Polícia Militar foram acionadas e adotaram os procedimentos legais cabíveis para casos dessa natureza.

É obrigação da Caixa proteger seus clientes, empregados e patrimônio".

A matéria foi alterada às 18h45 para acréscimo de nota enviada pela CEF.

Por Kátia Susanna

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais