Em seu dia Agentes Penitenciários não têm nada a comemorar

0

(Fotos: Portal Infonet)

Em comemoração alusiva ao Dia Estadual do Agente de Segurança Prisional, os agentes do Estado, através do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Estado de Sergipe (Sindpen) e da Associação dos Servidores do Sistema Penitenciário (Assipes), promoveram na manhã desta segunda-feira, 4, uma solenidade com diversa programação na Praça da Liberdade (Antiga Casa de Detenção de Aracaju), localizada no Bairro América.

Entre as atividades programadas houve apresentações culturais, entrega de homenagens e um Café da Manhã e apresentação de Painéis Temáticos. Segundo o presidente do Sindipen, Iran Alves, no dia da categoria não há nada a comemorar.

“Infelizmente nesse dia 4 de julho damos mais um grito pedindo socorro. As guaritas dos presídios continuam desativadas, as visitas íntimas continuam sendo feitas em locais impróprios, as famílias continuam a ter de gastar dinheiro para dar alimentação aos presos que estão no sistema quando na realidade quem deveria fazer isso é o Estado”, afirma.

O presidente do Sindipen, Iran Alves

O sindicalista comentou ainda a nova alteração da Lei Penal que passa a vigorar a partir de hoje e altera o Código de Processo Penal tornando mais branda a Lei em relação a crimes considerados como pequenos delitos.

“As alterações que foram feitas na Lei me deixam temeroso, pois você corre o risco de deixar mais indivíduos mais propensos ao crime na rua e aí quem é que vai pagar com isso: a sociedade. Antes da criação dessa Lei deveriam ter criado uma sustentação para que a triagem na hora de conceder o benefício fosse feita da forma devida”, acrescenta.

O Deputado Federal Mendonça Prado esteve presente no evento e comentou a importância dos agentes e também falou sobre projeto que tramita no Congresso Nacional que pode ampliar o porte de armas aos agentes penitenciários.

“Os agentes são fundamentais para a segurança pública de forma em geral e são responsáveis pelo dia a dia dos estabelecimentos prisionais e nós queremos na Câmara dos Deputados priorizar as discussões tornando os agente prisionais policiais penais, um segmento novo na carreira do Estado que vai aprimorar o trabalho de ressocialização dos internos. Hoje em Sergipe nós temos 600 policiais militares nos estabelecimentos penais que deveriam estar nas ruas fazendo o trabalho preventivo e o trabalho ostensivo”, diz.

O ex-vereador Magal da Pastoral

Para o ex-vereador Magal da Pastoral que há anos desenvolve trabalhos voluntários nos presídios do Estado, a melhora na ressocialização do preso passa por uma valorização do profissional carcerário.

“Eu entendo como muito importante a função do agente penitenciário porque ele dentro desse sistema está ao lado do presidiário e ao lado dos internos dia e noite, é o mais próximo funcionário do sistema junto ao preso e eu sempre digo, o preso ressocializado, reintegrado, reeducado é o produto esperado pela sociedade e isso passa pela pessoa do agente penitenciário, mas para isso, ele tem que ter as condições de trabalho dignas, melhor qualificação, melhor condição de remuneração, enfim, que ele possa desenvolver eficazmente a atividade de qualificar o preso”, destaca.

Por Bruno Antunes

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais