Homens invadem casa e matam ex-detento condenado por assalto

0
Rafael cumpriria pena em regime aberto até o ano de 2030 (Foto: PM)

Condenado a mais de 16 anos de prisão por envolvimento em assalto, Rafael Nascimento de Jesus foi morto a tiros na residência onde morava com a esposa. Ele ficou preso por um período de mais de quatro anos e cumpria a pena em casa, contemplado com o regime aberto, obrigado a se apresentar ao Poder Judiciário periodicamente para justificar as atividades que exercia. Na noite da terça-feira, 8, a casa dele, na cidade de Itabaianinha, foi invadida e Rafael Pantera, como era conhecido foi executado a tiros.

As circunstâncias da morte e a autoria do crime ainda não foram identificadas. A equipe da Polícia Militar que atua na cidade foi acionada por volta das 21h da terça-feira e quando chegaram à casa constataram o homicídio, conforme informações do capitão Alanderson, que integra o grupo policial do 11o Batalhão da Polícia Militar de Sergipe. A esposa apresentou apenas o documento expedido pelo Poder Judiciário, assegurando o direito ao presidiário de permanecer em casa para cumprimento do restante da pena, em regime aberto, até o dia 5 de março do ano de 2030.

Na última movimentação do processo, consta a informação de que Rafael Pantera ainda não teria comparecido ao Poder Judiciário no mês de dezembro do ano passado, uma obrigação descrita na sentença. De acordo com as informações contidas no processo judicial, Rafael Pantera teria cometido o crime de assalto no início da tarde do dia 22 de maio de 2013 na rua Itabaiana, no centro de Aracaju.

Neste crime, ele teria atuado com outros dois comparsas e uma mulher e roubaram um veículo Corola de uma das vítimas do crime. Rafael foi preso no dia 26 de março de 2013, fugiu da prisão no dia 19 de abril de 2017 e recapturado no dia 13 de abril do ano passado. Recentemente, ele foi beneficiado com alvará de soltura com o direito de cumprir o restante da pena em regime aberto.

A morte de Rafael Pantera será investigada pela Polícia Civil.

por Cassia Santana

Comentários