Jatobá: ocupantes denunciam arbitrariedade da prefeitura

0
Barracos foram erguidos nesta área (Fotos: Cássia Santana/Portal Infonet)

Há pouco menos de três meses um grupo de pescadores decidiu ocupar uma grande área na Praia do Jatobá, no município da Barra dos Coqueiros. Lá, eles ergueram barracos de madeira e já se preparavam para construir casas de alvenaria, mas acabaram surpreendidos por uma ação da prefeitura que destruiu todos os barracos já erguidos.

Os moradores estão indignados e dizem que a equipe da prefeitura agiu sem ordem judicial. “Eles [a equipe da prefeitura] alegam que aqui é área de preservação ambiental, mas estão dando o terreno para uma construtora construir aqui um condomínio de luxo”, desabafa Beto Teixeira Pires. Segundo ele, a área foi invadida por 89 famílias que não têm casa própria nem condições de manter o pagamento de aluguel.

A marisqueira Maria José dos Santos Matias diz que, após a ação da prefeitura, as famílias vivem amedrontadas. “Tá todo mundo com medo de repressão”, comenta. “Eles passaram o trator com tudo dentro do meu barraco”, conta a pescadora Maria de Fátima dos Santos. “O cimento e a areia para construir nossa casa já estava aqui, mas meu marido levou e guardou rápido senão eles levavam”, diz.

Beto: garante que prefeitura doará terreno para construtora

A jovem Deisiane Santos Vieira é mãe solteira, com dois filhos, e diz que optou por invadir a área porque já não tinha mais condições de pagar o aluguel na Ilha do Rato. “A dona da casa já estava ameaçando me colocar pra fora”, revela. “Eles chegaram aqui com as máquinas e, se eu não corresse, a máquina ia me pegar”, lembra.

Os ocupantes do terreno querem que a situação deles seja debatida na justiça. O grupo já constituiu advogado e construiu um galpão, onde as 89 famílias estão convivendo em grupo. “Não vamos mais fazer barracos porque eles vão destruir, mas todo mundo vai continuar aqui, tudo junto, no barraco até a justiça resolver”, informa o pescador Derclévio Silva, conhecido como Kerrer.

Zelo

Em nota encaminhada ao Portal Infonet, a Prefeitura da Barra dos Coqueiros admite que realizou a ação para desocupar a área. Mas adverte que teria agido de forma pacífica e por ter o dever de zelar por toda área de jurisdição do município, independentemente da propriedade.

Deisiane: sem condições de pagar aluguel

Na nota, a prefeitura esclarece que se trata de área de restinga e de proteção ambiental. “Os terrenos foram invadidos por pessoas de poder aquisitivo, donos de imóveis e carros dos tipos gol, Vectra e picape”, observa a nota emitida pela prefeitura. Segundo a nota, os ocupantes chegaram a atear fogo no mangue para erguer os barracos, que foram construídos com madeira retirada de áreas de proteção ambiental.

Na nota, a prefeitura adverte que a Secretaria Municipal de Obras usou do poder administrativo de polícia e agiu pacificamente para desocupar a área, dando oportunidade a todos para que eles pudessem retirar os pertences. Na nota, o prefeito Airton Martins diz que lamenta o episódio e informa que acionou a Polícia Federal e também ingressou com processo administrativo junto ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Por Cássia Santana

Comentários

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso portal. Ao clicar em concordar, você estará de acordo com o uso conforme descrito em nossa Política de Privacidade. Concordar Leia mais