Mais de 73 mil crianças trabalham em SE

0

Na manhã desta sexta foi realizada uma blitz do combate ao trabalho infantil
Crianças que apresentam lesões decorrentes da exploração do trabalho infantil e estão expostas a todas as formas de violência. Esse quadro é relatado pela coordenadora do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest), Jane Curbani, que realizou na manhã desta sexta-feira, 23, uma blitz no semáforo próximo ao mercado Albano Franco alertando a população para os perigos do trabalho infantil.

De acordo com a coordenadora do Cerest em Sergipe existem cerca de 73 mil crianças e adolescentes que sofrem a exploração do trabalho. Apesar de não ter dados precisos sobre o número de crianças em situação de exploração em Aracaju os atendimentos de crianças fraturadas nas unidades de saúde do município vêm crescendo. “O trabalho infantil é uma violência e precisa ser combatida para que o adulto não continue acreditando que criança foi feita para o trabalho. Criança tem que dá trabalho e não trabalhar”, diz Jane Curbani ressaltando que segundo dados de 2008 a cada 100 crianças atendidas em postos de saúde por causas externas quatro são por situação de trabalho.

A coordenadora do Cerest, Jane Curbani
Jane Curbani diz ainda que os problemas de saúde decorrentes do atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS) prejudicam na formação da criança. “A sociedade ainda acredita na idéia de que trabalhar é melhor que está nas ruas. Isso não ajuda porque a criança que é submetida ao trabalho infantil apresenta graves problemas de saúde como fraturas e não se desenvolvem com facilidade porque prejudica a estrutura óssea”, afirma.

Outro agravante segundo a coordenadora é o fato das crianças e adolescentes estarem expostas a situação de violência nas ruas. “Essas crianças que ficam em semáforo correm o risco de serem atropeladas, ficam vulneráveis a toda forma de violência como a exploração sexual”, salienta Jane Curbani.

A população pode denúnciar os casos de exploração do trabalho infantil através do telefone (079) 3211-1434/ 3211-1435.

Por Kátia Susanna

Comentários