PF aguarda laudos para concluir inquérito do caso Gabriel Diniz

0
Polícia Federal recolheu destroços da aeronave após o acidente para análises (Fotos: PF/SE)

O acidente envolvendo uma aeronave monomotor, que matou o cantor Gabriel Diniz e dois pilotos, no dia 27 de maio, no litoral sergipano, completa dois meses na próxima semana. O inquérito instaurado pela Polícia Federal, em Sergipe, presidido pelo delegado Márcio Alberto, no entanto, segue em aberto. De acordo com informações da assessoria de comunicação da Polícia Federal, o delegado continua aguardando a conclusão de alguns laudos técnicos para finalizar o relatório e encaminhar o inquérito ao Judiciário.

Análises da resistência da fuselagem, condições climáticas e força do vento no momento do acidente, combustível utilizado, entre outros levantamentos técnicos, são algumas das informações que podem estar sendo aguardadas para conclusão do inquérito. Se os laudos restantes não chegarem até a próxima semana, existe a possibilidade de pedido de protelação do prazo para concluir a investigação.

O delegado Márcio Alberto, desde que iniciada a investigação, não concedeu entrevistas com esclarecimentos para a imprensa e, conforme a assessoria da PF, pretende manter essa posição mesmo após a conclusão do inquérito.

Relembre

A Aeronave PT-KLO era do Aeroclube de Alagoas e, no dia do acidente, havia decolado do Aeródromo Deputado Luís Eduardo Magalhães, em Salvador-BA, com destino ao Aeroclube de Alagoas. O modelo tinha capacidade para quatro tripulantes, somando os dois pilotos. Dentro do avião estavam Abraão Farias, Linaldo Xavier e Gabriel Diniz. Logo após o acidente, a Agência Nacional da Aviação Civil (ANAC), abriu procedimento para investigar indícios de que a aeronave estava praticando táxi-aéreo – uma espécie de locação que teria sido feita pelo músico. O problema é que o modelo de aeronave, conforme as regras da Aviação no Brasil, só pode ser utilizado para voos de instrução. O Aeroclube de Alagoas, detentor da aeronave, chegou a ter as atividades suspensas pela ANAC – suspensão revogada no início do mês de agosto.

Por Ícaro Novaes

Comentários