Santa Rosa ainda não recebeu verba para reconstruir ponte destruída

0
As chuvas destruíram a ponte e o local continua interditado (Foto que circulou em redes sociais na época)

O Governo Federal ainda não encontrou a solução para reconstruir a ponte que interliga os municípios de Santa Rosa de Lima e Divina Pastora pela rodovia SE 240, ao leste sergipano. A cabeceira da ponte foi completamente destruída pelas fortes chuvas que atingiram a região no mês de julho deste ano, o município foi amparado por um decreto de emergência, mas os fatores burocráticos continuam impedido a reconstrução daquela ponte e a área continua interditada para a passagem de veículos.

De acordo com informações do advogado Valtenisson Lima de Sá, que à época deflagrou uma campanha de solidariedade aos moradores do municípios afetados pelas fortes chuvas, a comunidade da região estão utilizando uma segunda via, passando por uma fazenda, para se locomover entre os municípios afetados. “Um situação muito complicada, uma via bastante perigosa com constantes assaltos”, informou.

De acordo com informações do gerente técnico da Defesa Civil Estadual, Edvaldo Celestino, há fatores burocráticos que impedem a liberação desses recursos. Como a ponte foi completamente destruída, não seria a recuperação da estrutura o procedimento correto para fazer os reparos necessários e sim a reconstrução completa daquele empreendimento.

Conforme Edvaldo Celestino, os reparos dependem de um procedimento específico e mais complexo para contemplar a reconstrução completa do empreendimento. E, dessa foram, é necessário um processo licitatório ordinário comum para realização da obra. Ele informou que a equipe da Secretaria Nacional da Defesa Civil fez a avaliação no local e o projeto para reerguer a ponte necessitou de ser modificado para se adequar às exigências legais.

Agora, o projeto está em fase de análise no âmbito do Governo Federal e ainda não há previsão sobre o valor do investimento, conforme assegurou o gerente técnico da Defesa Civil Estadual.

Situação de emergência

Em consequência das fortes e intensas chuvas do mês de julho, quatro municípios que decretaram emergência, com reconhecimento do Governo Federal, permanecerão nessa condição até o dia 7 de janeiro do próximo ano, quando serão completados 180 dias que o prazo máximo previsto para situação de emergência.

A situação mais dramática foi registrada em Santa Rosa de Lima e em Riachuelo, municípios que ficaram inundados e a população ficou praticamente ilhada. Também foram atingidos Nossa Senhora Aparecida e Japaratuba, afetados pelas chuvas intensas.

O município de Riachuelo já foi contemplado com recursos superiores a R$ 842 mil liberados pelo Governo Federal e também a contrapartida da Defesa Civil, no valor de quase R$ 383 mil.

O Governo Federal repassou R$ 258.625,17 para recuperação da cabeceira da ponte, que foi danificada pelas fortes chuvas, e também outros R$ 201 mil para a assistência social às famílias atingidas. O Governo Estadual, através da Defesa Civil, injetou R$ 382.987,13, destinados como auxílio para recuperação dos imóveis que foram danificados pelas chuvas.

por Cassia Santana

 

Comentários