Seminário discute meteorologia no Estado

0

O cenário atual da Meteorologia de Sergipe foi apreciado na manhã de hoje, 9 de dezembro, por diversos atores envolvidos com a área. Diante da realização do I Seminário de Meteorologia de Sergipe, evento promovido pela Superintendência de Recursos Hídricos da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), foi discutido ainda proposta de aquisição de Radar Meteorológico, ferramenta altamente eficaz na localização de precipitação, no cálculo de seu movimento, estimativa de seu tipo (chuva, neve, granizo, etc) e na previsão de sua intensidade e posição futura.

De acordo com o superintendente de Recursos Hídricos da Semarh, Ailton Rocha, que na ocasião de seminário representou o secretário de Estado do Meio Ambiente, Genival Nunes, a previsão de clima e tempo tem servido de suporte para diversas áreas e segmentos e de grande valia para a defesa civil do Estado em relação a segurança da população.

Pernambuco e Alagoas foram Estados de cenário de desastre naturais previstos antecipadamente pela meteorologia. As cidades afetadas, e posteriormente dizimadas do mapa, não perderam grande parte de sua população por evacuar local a ser afetada pela inundação. Os dados da meteorologia são essenciais para toda a sociedade como um todo.

Segundo o secretário da Semarh, Genival Nunes, desde o ano de 2008 o Governo do Estado tem se dedicado a melhoria da meteorologia em Sergipe. “Entre os oito territórios do Estado foram instaladas 13 Plataformas de Coleta de Dados (CPD) e ainda, somente nesse ano, finalizado processo de instalação de 18 Telepluviômetros. A soma dos equipamentos resulta na melhor previsão de tempo, clima e hidrometeorológica, uma consolidação de benefícios sociais e econômicos”, comemora.

Presente ao evento, o secretário da Agricultura do Estado, Paulo Viana, disse que Sergipe teve um aumento expressivo na produção de grãos ficando em segundo lugar no nordeste, perdendo apenas para a Bahia. Segundo ele, o planejamento de toda a estrutura para alcance no ranking de produção está associado à leitura de dados de previsão do tempo.

“Graças à estrutura da meteorologia do Estado não houve perdas na produção. Nos últimos anos não chegamos sequer a utilizar o crédito agrícola, felizmente conseguimos alcançar a qualidade na produção subsidiados pela previsão do tempo de Sergipe”, comemora.

De acordo com o meteorologista da Semarh, Overland Amaral, a realização do seminário buscou apresentar aos participantes a estrutura atual da área meteorológica de Sergipe e de discutir projeto para a melhor eficiência do monitoramento da meteorologia para Sergipe. “Nesse governo passamos do zero em equipamentos para uma posição muito significativa. São 13 CPD´s e 18 Telepluviômetros adquiridos. Sergipe hoje tem cobertura diária em todos os seus 75 municípios. Ainda temos projeto de aquisição de Radar Meteorológico. Com ele não serão impedidos os desastres naturais, mas sim a minimização de seus impactos através de medidas preventivas”, revelou o meteorologista que na ocasião do seminário apresentou o atual modelo da “Meteorologia de Sergipe”.

Presente ao evento como debatedor de mesa, o major José Erivaldo Mendes, coordenador Estadual da Defesa Civil, falou da importância da comunicação entre o órgão e a meteorologia. Segundo ele, com a aquisição do radar a Defesa Civil vai sair de um estado de alerta (previsão) para um estado mais concreto, por aparelho sinalizar eventos extremos. “Os dados lançados por radar podem ser analisados para determinar a estrutura de tempestades e seu potencial de causar um tempo severo”, declara.

O seminário também contou com as participações do diretor técnico da Fapesc/SC, Cesar Durco, o qual falou sobre a estrutura da rede de desastres naturais do Estado de Santa Catarina. Os debatedores convidados dessa segunda mesa foram a meteorologista da HOBECO, Luciana Oliveira e o professor da UFS, Inajá Francisco de Souza.

Secretários municipais de meio ambiente e agricultura, representantes de órgãos do Estado, município, acadêmicos e estudiosos da área participaram do I Seminário de Meteorologia de Sergipe.

Fonte: Semarh

Comentários