Ribeirópolis: Polícia diz que desvios passavam de R$ 120 mil por mês

0
Documentos ajudarão a esclarecer o suposto esquema de desvio de dinheiro (Foto: Portal Infonet)

O matadouro de Ribeirópolis está sendo algo de investigação pelo Departamento de Crimes Contra a Ordem Tributária e Administração Pública (Deotap). Segundo o órgão de fiscalização da Polícia Civil, o prejuízo aos cobres públicos do município pode chegar a mais de R$ 120 mil mensais. Na manhã desta sexta-feira, 12, policias do Deotap cumpriram um mandado de busca e apreensão nas secretarias de Agricultura e Finanças de Ribeirópolis a fim de encontrar documentos que possam ajudar na investigação.

Segundo a delegada Thaís Lemos, há indícios de uma série de contradições e erros no tocante à administração do matadouro (Foto: Portal Infonet)

Segundo a delegada Thaís Lemos, há indícios de uma série de contradições e erros no tocante à administração do matadouro. “A taxa paga pelo abate de animais não era revertida para o município, mas sim para terceiros”, afirma Thaís. Ainda de acordo com ela, pessoas que não tinham vínculo com o município eram quem administravam o matadouro público.

A delegada explica que as investigações se voltaram para o matadouro de Ribeirópolis a partir de um investigação iniciada no município de Itabaiana. “Assim que nós deflagramos a Operação em Itabaiana [em novembro do ano passado], o prefeito de Ribeirópolis encerrou as atividades do matadouro”, explica. “Se estivesse tudo regular, ele estaria funcionando, coisa que não ocorreu”, exclama.

Além dessa atitude da administração municipal de Ribeirópolis, Thaís afirma que mandou alguns ofícios para as secretariais da Agricultura e Finanças, em agosto de ano passado, solicitando informações, mas que não obteve resposta. “Reiteramos esses ofícios nos meses subsequentes de 2018 e mais duas vezes neste ano. Mais de quatro solicitações sem resposta”, informa.

“Fizemos também uma oitiva aqui na delegacia com Secretário de Agricultura, mas ele não soube relatar qualquer ato de administração do matadouro. Totalmente alheio”, pontua. A partir de então, Thaís disse que diante das omissões de informações e declarações inverídicas do secretario, a Operação Simbiose desta sexta-feira, 12, buscou colher documentos que possam embasar as investigações.

por João Paulo Schneider 

 

Comentários